Manoel Soares: "Carência, não. Potência" - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Papo Reto01/06/2019 | 07h00Atualizada em 01/06/2019 | 07h00

Manoel Soares: "Carência, não. Potência"

Colunista escreve nas edições de final de semana do Diário Gaúcho

Manoel Soares: "Carência, não. Potência" Lauro Alves/Agencia RBS
Foto: Lauro Alves / Agencia RBS
Diário Gaúcho
Diário Gaúcho

Quando falamos de pessoas de pele escura, geralmente a imagem que vem à cabeça tem quatro linhas básicas: ou é esporte, porque negros são bons em correr e tal. Vem também a questão cultural, porque nossa música é encantadora. 

Leia mais:
Iniciativas incentivam a autoestima em crianças e adolescentes negros de Porto Alegre

Temos a imagem de fetiche sexual, sim, porque homens e mulheres negras têm fama quanto às suas formas e desempenhos. Por último, vem a referência da dor, por sermos os primeiros nas listas de mortos e os últimos na lista de quem cresce na vida desde a colonização. 

 Leia outras notícias do Diário Gaúcho

Mas a verdade é que a questão racial está impressa em cada esquina de nossa cidade. Pouca gente sabe que de onde hoje fica o Teatro Renascença até a Avenida Goethe ficava o local que era conhecido como colônia africana. Milhares de negros ocupavam aquele espaço e foram, por conta da especulação imobiliária da década de 1950, "removidos" para 20 quilômetros do centro da cidade. Foi daí que nasceu a Restinga. 

Outra marca da vida negra em nossas ruas é o Parque da Redenção, que tem este nome porque era o espaço que abrigava negros retintos que buscavam uma forma de não morrer de fome depois de ganharem uma liberdade que deixava nossos antepassados escravos da miséria. Não queremos ser símbolos de esporte, nem de dança, nem de sexo e muito menos de dor. Queremos ser só pessoas, sem rótulos, sem cicatrizes, sem medos.

Valorização

Mas, para isso, precisam nos ver como pessoas potentes e não carentes. Para haver igualdade, tem que haver oportunidades iguais e valorização real da história linda dos negros gaúchos, que podem acontecer em iniciativas como as mostradas nesta reportagem.

Termino nosso papo com a seguinte pergunta: os negros ocupam os piores lugares nos números sociais porque existe racismo na estrutura social ou porque são uns preguiçosos que não querem nada com a vida? Sua resposta define se você é racista ou não.

 Leia outras colunas Papo Reto 

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros