Projeto trabalha autoestima e solidariedade no Instituto Penal Feminino - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Laços de Princesa31/07/2019 | 12h45Atualizada em 31/07/2019 | 12h45

Projeto trabalha autoestima e solidariedade no Instituto Penal Feminino

Presas do regime semiaberto aprendem a confeccionar perucas de lã que serão doadas para crianças em tratamento contra o câncer


 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 30/07/2019: Projeto Laços de Princesa conta com o trabalho de apenadas do semiaberto e produz perucas infantis inspiradas em personagens infantis para crianças em tratamento de câncer.
Os materiais para elaboração das perucas e toucas está sendo custeado por verbas pecuniáriasFoto: Isadora Neumann / Agencia RBS

Com objetivo de proporcionar uma atividade criativa e ainda beneficiar crianças do Instituto do Câncer Infantil, presas do semiaberto do Instituto Penal Feminino de Porto Alegre participam, desde o início de julho, do projeto Laços de Princesa. A ideia é criar toucas e perucas inspiradas em personagens infantis e distribuir para as crianças de dois a 13 anos em tratamento contra o câncer, assim como ocorre desde 2014, nos Estados Unidos, no The Magic Yarn Project, que produz e distribui perucas inspiradas nas princesas e personagens da Disney.

Duas vezes por semana, as mulheres participam das aulas de crochê e aprendem a confeccionar os acessórios. Cerca de 15 alunas devem se formar no próximo mês. Duas delas serão escolhidas para levar as produções até o Instituto.

Leia mais
ONG Flamenguinho da Pedreira, de Esteio, busca parcerias para ampliar atendimentos
Voluntários que organizam festas de debutantes precisam de ajuda para realizar sonhos
O caminho dos agasalhos, da doação até chegarem a quem precisa 

— Sou a maior apoiadora delas, porque eu acredito que tudo o que vem em prol da transformação traz algum benefício. É tirar elas do ócio negativo. A cada laço, um entrelaçamento de amor — destaca Marlusa Netto, do Instituto Penal.

O tratamento de quimioterapia pode deixar o couro cabeludo das crianças sensível. Por isso, o uso das perucas de lã _ que também são laváveis _ traz mais conforto. Além disso, elas apresentam um lado lúdico para os pequenos que enfrentam a doença.

Oportunidade

Muitas alunas nunca tinham tido a chance de costurar ou fazer crochê. Conforme a professora Ceir Medina, em duas aulas já foi possível aprender a técnica. O empenho fez a produção inicial esperada pular de 20 para 50 toucas e perucas. 

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 30/07/2019: Projeto Laços de Princesa conta com o trabalho de apenadas do semiaberto e produz perucas infantis inspiradas em personagens infantis para crianças em tratamento de câncer.
Alunas aprenderam em dois dias a fazer crochêFoto: Isadora Neumann / Agencia RBS

— Elas estão empenhadas e aprenderam muito rápido. Muitas se interessaram no curso pensando nos filhos — relata a professora.

Para adaptar as peças aos desenhos e filmes brasileiros, as alunas também fizeram perucas que lembravam outros personagens, como Emília, do Sítio do Picapau Amarelo, e a Magali, da Turma da Mônica.

— Eu já trabalho com artesanato, sei fazer um pouco de tudo, mas não sabia fazer a montagem da touca e os detalhes dela — explica Ceronita Canabarro, de 48 anos, uma das alunas. 

As apenadas foram pré-selecionadas e tiveram preferência aquelas com penas maiores a serem cumpridas. Algumas já pensam em usar o aprendizado para gerar renda.

— Eu tinha vontade de aprender, mas nunca tinha tido a oportunidade. Agora que aprendi, quero fazer para os meus filhos e poder ter uma renda — disse Jaiane Ramos, de 24 anos. 

Incentivo de diversos órgãos 

A iniciativa é do Conselho da Comunidade para Assistência aos Apenados das Casas Prisionais Pertencentes às Jurisdições da Vara de Execuções Criminais (VEC), Vara de Execução de Penas e Medidas Alternativas de Porto Alegre (VEPMA) e da Susepe, sob coordenação da assistente social do Conselho da Comunidade, Danielle Dimare. O projeto recebeu apoio e incentivo da Diretora do Departamento de Tratamento Penal, Simone Messias Zanella, da administradora do Instituto Penal Feminino (SUSEPE), Marlusa Silveira Netto, da assistente social Paula Borges e do juiz da vara de execução de penas Luciano Losekann. 

— Fizemos esse projeto pela questão social, para poder contribuir com as crianças e proporcionar uma capacitação profissional. As alunas ganharão certificado e, quem se interessar, poderá ganhar carteira de artesão — explica Danielle. 

Os materiais para elaboração das perucas e toucas está sendo custeado por verbas pecuniárias destinadas pela VEPMA. 

Leia mais no Diário Gaúcho

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros