Unidades de saúde adotam "faltômetros" para chamar a atenção de usuários sobre faltas em consultas - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Esteio13/08/2019 | 18h54Atualizada em 14/08/2019 | 05h00

Unidades de saúde adotam "faltômetros" para chamar a atenção de usuários sobre faltas em consultas

Secretaria de Saúde do município destaca que a proposta tem a intenção de orientar os pacientes

Unidades de saúde adotam "faltômetros" para chamar a atenção de usuários sobre faltas em consultas Fernando Gomes/Agencia RBS
Quadro mostra quantidade de faltas em quatro especialidades na UBS Cruzeiro Foto: Fernando Gomes / Agencia RBS

Onze unidades de saúde de Esteio, na Região Metropolitana, estão utilizando "faltômetros" para sensibilizar os usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) sobre as faltas a consultas. Em novembro do ano passado, a Unidade Básica de Saúde (UBS) Cruzeiro começou a espalhar pequenos informativos com o número de pacientes que haviam faltado às consultas. No fim de maio, funcionários da UBS Novo Esteio elaboraram um cartaz maior, onde destacavam o número de consultas agendadas por especialidade e a quantidade de faltantes. Com a boa repercussão, outras unidades começaram a adotar a mesma medida.

Leia outras notícias do Diário Gaúcho

— De certa forma, é como dividir a responsabilidade. É importante que os usuários lembrem-se que, ao não comparecer na consulta, tiram a vaga de outra pessoa. Apesar de ainda ocorrerem faltas, pelo menos aumentou o número de pessoas que ligam para cancelar — explica a coordenadora da UBS Novo Esteio, Elisângela Alves. 

Para a secretária de Saúde do município, Ana Boll, a proposta tem caráter orientativo e não punitivo. Mas não se descartam medidas mais específicas se o comportamento dos pacientes não mudar.

— Não é isso (punir) que a gente quer. Esse instrumento ajuda a concretizar aquilo que já vínhamos discutindo internamente — destacou.

Desorganização

Para se ter uma dimensão melhor da realidade, a prefeitura divulgou os dados de julho dos "faltômetros" das 11 unidades da cidade. Naquele mês, pouco mais de 11% das pessoas não foram às consultas agendadas nas UBSs. Dos 18.279 atendimentos acordados com os usuários, 2.022 não foram realizados pela falta dos pacientes. 

Leia também
Falta de 16 médicos afeta 12 unidades de saúde de Gravataí
Ministério Público investiga falta de profissionais na saúde pública da Capital
Hospital da Restinga completa cinco anos de funcionamento

Na UBS Ezequiel, o percentual de faltantes chegou a 25,33%. Além disso, a UBS do bairro São Sebastião apresentou o maior percentual de ausência às consultas agendadas com clínico geral (32,41%) e ginecologista (22,88%).

 ESTEIO,  RS, BRASIL, 13/08/2019- Faltômetro: iniciativa que surgiu na UBS Novo Esteio, a partir da ideia dos próprios servidores, para conscientizar os usuários sobre a importância comparecer às consultas médicas, e que, aos poucos, está sendo implementada nas outras unidades da rede de saúde municipal. (FOTOGRAFO: FERNANDO GOMES / AGENCIA RBS)
Na Novo Esteio, cartaz fica na entrada do localFoto: Fernando Gomes / Agencia RBS

As faltas ocorrem em todas as áreas: clínico, pediatra, enfermagem, dentista e exames. Conforme a secretária de Saúde, o município registra uma grande demanda reprimida de consultas com dentista e, ao mesmo tempo, tem constantes faltas de pacientes. No mês passado, por exemplo, 25,11% das pessoas que marcaram consulta com odontólogos na UBS Primavera, no Parque Primavera, faltaram.

— Leva-se em torno de 15 a 20 dias para conseguir uma consulta, dependendo da urgência. Não é pouco tempo, mas também não é muito. A falta traz uma desorganização para o sistema — enfatiza Ana. 

Pacientes aprovam medida

No posto da Vila Cruzeiro, além do "faltômetro" localizado ao lado dos guichês de atendimento e dos ofícios espalhados pelos consultórios, há ainda a divulgação das faltas em uma televisão da recepção. Uma equipe também realiza a chamada "sala de espera", em que alguns servidores vão até a entrada da unidade e conversam com os usuários sobre a importância de cumprirem com os atendimentos agendados. 

Leia também
Beneficiários do aluguel social ganham casas-contêineres em Esteio
Saiba como fazer reclamações e sugestões para a prefeitura da sua cidade
Mais de 12 mil crianças aguardam vagas em creches na Região Metropolitana

— Somos referência para cerca de 16 mil pessoas. Em um mês, 25% das pessoas que agendaram consultas com pediatra não vieram. Acho que isso é desvalorizar a assistência prestada — opina a coordenadora da UBS, Marielli de Souza, 31 anos.

Moradora da Vila, a empregada doméstica Maria Teresa Mouchet, 49 anos, avaliou positivamente a iniciativa.

— Melhor coisa que fizeram. Às vezes, a gente precisa de uma ficha e não tem, enquanto outros desperdiçam. Até entendo que alguém, de repente, não tem celular para ligar, mas que venha caminhando até aqui avisar que não vai poder vir. Depois, não adianta reclamar _ disse.

A dona de casa Maria Zuchetto, 72 anos, do bairro Novo Esteio, diz que não deixa de ir às consultas, mas acha válido a medida adotada pela sua UBS de referência. 

— Se a pessoa não vem, ela não consulta e eu também não consulto. Se não divulgam, a gente nem fica sabendo que acontece — explicou.  

Cada postinho oferece 10 consultas eletivas por turno e mais duas de urgência. Em julho, conforme o levantamento divulgado pela prefeitura, na UBS Centro registrou maior abstenção com as consultas de enfermagem (15,9%), que engloba pré-natal, puericultura, coletas para exame preventivo do colo uterino e aconselhamento pré e pós teste rápido para HIV, sífilis e hepatites, entre outros. Na UBS Claret, os agendamentos com pediatras foram negligenciados por 25,86% dos usuários.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros