Chegou a hora da inscrição no vestibular da UFRGS - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Caminhos do Aprendizado05/09/2019 | 05h00Atualizada em 05/09/2019 | 05h00

Chegou a hora da inscrição no vestibular da UFRGS

Série do Diário Gaúcho acompanha turma de pré-vestibular popular na busca pela vaga no Ensino Superior

Chegou a hora da inscrição no vestibular da UFRGS Isadora Neumann/Agência RBS
Estudantes receberam orientações para não errar no momento da inscrição Foto: Isadora Neumann / Agência RBS

Lucas Taurino, 17 anos, de Viamão, sonha em cursar faculdade de Ciências Contábeis. Ele vai se inscrever para o vestibular 2020 da UFRGS como cotista — o prazo segue até o dia 16 de setembro —, e já está reunindo toda a documentação para comprovar sua condição.

— Fiz o Ensino Médio em escola pública e também me encaixo como baixa renda. A maioria da documentação já está pronta. Só estou esperando o certificado de conclusão do Ensino Médio, que está demorando. O resto, já está providenciado — conta ele.

Leia outras notícias do Diário Gaúcho

Lucas é um dos alunos da turma de 2019 do Resgate Popular, cursinho pré-vestibular popular da Capital, que está sendo acompanhada pelo DG ao longo do ano. Assim como ele, a maioria de seus colegas se encaixa em alguma das ações afirmativas (cotas) da universidade, segundo a vice-coordenadora e professora de Teatro Flávia Reckziegel. Para estes, a inscrição é decisiva: o candidato deve escolher uma das oito modalidades de cotas no momento da inscrição e, se aprovado, apresentar a documentação comprobatória quando fizer a matrícula. Por isso, eles são orientados a, desde já, reunir todos os documentos necessários para comprovar suas respectivas situações.

— Sabemos de casos de alunos que, por falta de documentação, não conseguiram iniciar o curso, ou pior, iniciaram e tiveram suas matrículas canceladas. Mas abrir um edital, entender aquela linguagem, pode gerar confusão. Por isso, oferecemos orientação neste sentido — diz Flávia.

Felipe Boni, advogado e voluntário do Resgate, ministrou uma oficina para os estudantes, com dicas e orientações para não errar no momento da inscrição. A dica principal é ficar de olho no edital:

— Ele traz todas as regras e exigências que devem ser observadas no que diz respeito às cotas. Muito importante também fazer a inscrição exatamente dentro da cota que o aluno se enquadra, para evitar problemas na hora da matrícula. Cada cota tem a sua especificidade.

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 19/08/2019: Visita ao cursinho popular Resgate Popular, para mais uma reportagem da série que acompanha os alunos ao longo do anoIndexador: ISADORA NEUMANN
Lucas já está reunindo a documentação Foto: Isadora Neumann / Agência RBS

Mudanças

O assunto domina as rodas de conversa dos alunos desde que o edital do vestibular da universidade foi divulgado, no início de agosto. Além da documentação necessária, as mudanças no processo de seleção também chamam a atenção. Entre elas, a data da prova — anteriormente realizado no início de janeiro, o vestibular, neste ano, será entre o final de novembro e o início de dezembro, em dois finais de semana — e o fim da utilização da nota do Enem para a composição da nota do vestibular.

Moradora do bairro Partenon, na Capital, Julia Andrade Machado de Barros, 20 anos, também aluna do Resgate, fará UFRGS pela primeira vez este ano. Seu objetivo é entrar no curso de Psicologia. No ano passado, quando terminou o Ensino Médio no colégio Presidente Roosevelt, ela fez apenas o Enem. 

— Eu até consegui uma nota razoável. Não para entrar em Psicologia, mas fui bem. Antes, tu podia usar a nota do Enem para aumentar as chances de entrar na UFRGS. Agora, eu acho que complicou a vida. Já era difícil conseguir a vaga, ficou ainda mais complicado — desabafa.

Leia também
Série do Diário Gaúcho acompanha turma de pré-vestibular popular na busca pela vaga no Ensino Superior
A trajetória da ex-aluna de cursinho popular que hoje dá aula no mesmo projeto
Como a convivência entre diferentes gerações auxilia alunos de cursinho popular da Capital

Lucas tem pensamento semelhante. No ano passado, recém-saído do Ensino Médio, ele tentou entrar na faculdade. Mas, muito nervoso, acabou zerando a prova de redação – o que elimina o aluno da seleção.

— Eu contava com a nota do Enem. Foi um baque para mim saber que não será mais usada. Mas vou tentar me esforçar e ver o que acontece. Este ano, com o Resgate, vou estar mais preparado. Vimos aqui alguns conteúdos que, na escola, ou não tive ou tive de forma muito resumida — conta.

Dificuldades e evasão

O Resgate Popular existe desde 2002. Por ano, cerca de 50 alunos iniciam a preparação para o vestibular, em março. Este ano, cerca de um mês depois, houve uma segunda chamada de vagas, que foi possível em função da desistência ou entrada na universidade de alguns alunos.

Segundo a vice-coordenadora Flávia Reckziegel, é comum que, ao longo do ano, alguns alunos desistam do curso – fatores como a rotina puxada de trabalho, estudos e família, desemprego e até as baixas temperaturas do inverno contribuem para isso. Em 2019, porém, a evasão tem chamado a atenção. 

— Eles iniciam o ano com ânimo mas, ao longo do ano, surgem os problemas, como a falta de dinheiro. Aí, eles faltam aulas, não conseguem acompanhar os conteúdos e, muitas vezes, perdem o interesse — diz Flávia, que completa:

— Temos, atualmente, cerca de 15 alunos regulares. Alguns não desistiram totalmente, comparecem quando podem. Mas isso dificulta a preparação. Ainda mais neste ano, com a prova em novembro. São dois meses a menos para estudar os conteúdos.

Dicas para inscrever-se corretamente

/// As inscrições para o Concurso Vestibular 2020 da UFRGS já começaram e seguem até o dia 16 de setembro, exclusivamente pelo site www.ufrgs.br/vestibular. São 3.980 vagas oferecidas por meio da prova, número que corresponde a 70% do total. Os outros 30% (1.691 vagas) são destinados para o ingresso pelo Sisu. A inscrição custa R$ 145.

/// Quem solicitou isenção do valor deve realizar a inscrição normalmente. Ao informar o CPF, o sistema buscará as informações.

/// Umas das informações que os candidatos devem preencher no formulário é a escolha por modalidade de ingresso. São nove opções, divididas entre acesso universal (50%) e oito opções de ações afirmativas (50%), as chamadas cotas. Nas cotas, cada candidato deve identificar apenas uma modalidade, sendo que elas levam em conta aspectos como cor e renda familiar. Também há reservas para pessoas com deficiência. Em todas as modalidades de cotas, é preciso ser egresso do sistema público de Ensino Médio. 

/// Não será feita troca de sistema de ingresso e/ou modalidade de reserva de vaga após a inscrição ter sido homologada. Por isso, confira no edital todos os documentos necessários para comprovar uma condição antes de inscrever-se para uma modalidade.

/// Antes de finalizar a inscrição, confira todas as informações, como curso, língua estrangeira, cidade da prova e sistema de ingresso.

/// A universidade utiliza o valor do salário mínimo nacional (R$ 998) como referência para o corte de renda. Ou seja, o valor máximo de renda bruta permitido por pessoa do grupo familiar para ingresso nas modalidades de cotas L1, L2, L9 e L10 é de R$ 1.497.

/// A renda familiar é a soma dos rendimentos brutos de todas as pessoas da família a que pertence o candidato, considerando, no mínimo, o período de maio a julho de 2019. A média mensal dos rendimentos brutos é dividida pelo número de pessoas da família.

/// Se o candidato for aprovado, a matrícula ocorrerá em duas fases: envio da documentação no Portal do Candidato, conforme a modalidade em que foi lotado, e matrícula presencial.

/// A lista de documentos está disponível no Manual do Candidato (bit.ly/candidatomanual). No site www.ufrgs.br/ingresso/ é possível tirar outras dúvidas sobre a seleção.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros