EPTC autoriza extinção de linha de ônibus da Carris em Porto Alegre - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Com os dias contados13/09/2019 | 09h01Atualizada em 26/09/2019 | 12h12

EPTC autoriza extinção de linha de ônibus da Carris em Porto Alegre

Criada em 2011, a linha C4 (Balada Segura) deve deixar de circular até o final de setembro. Justificativa para exclusão do itinerário é a baixa demanda, mas trabalhadores reclamam

EPTC autoriza extinção de linha de ônibus da Carris em Porto Alegre Marco Favero/Agencia RBS
Linha circula diariamente entre das 22h às 4h30 Foto: Marco Favero / Agencia RBS

Depois de sair para curtir a noite e beber, voltar para casa dirigindo não é uma opção a ser cogitada. Entretanto, ir até uma parada de ônibus e esperar por um coletivo também não parece agradar. Ao menos é o que indica a situação da linha C4 (Balada Segura), de Porto Alegre, criada pela Carris em dezembro de 2011.

Leia mais
O que funciona e o que não funciona no app que mostra a localização dos ônibus
Confira as cinco linhas de ônibus com mais reclamações de atraso na Capital
Como estão os terminais de transporte público em bairros de Porto Alegre

Com o avanço dos aplicativos de transporte, aliado a questões como insegurança e preço da passagem, quase não há quem volte da boemia de busão. O C4 acabou tornando-se uma linha que transporta trabalhadores da noite e estudantes, em sua maioria. Em 2018, uma média de seis passageiros embarcaram por viagem, segundo a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC).

E com essa queda de público, a Carris protocolou junto à EPTC um pedido para desativar a linha. A requisição foi aprovada pelo Conselho Municipal de Transportes Urbanos (Comtu). O C4 deve deixar operar nas próximas semanas, ainda em setembro, conforme o órgão.

Com a baixa demanda de usuários, há cerca de dois anos a Carris já havia alterado o número de vezes que o C4 faz seu trajeto. Quando criado, o ônibus iniciava as operações às 22h e seguia rodando até 4h30min, com coletivos passando a cada 20 minutos. Hoje, o horário de atendimento é o mesmo, mas as viagens ocorrem de meia em meia hora até 23h30min. Depois, o ônibus passa de hora em hora.

Entre os passageiros que usam a linha, o sentimento de que algo estava errado surgiu quando o aplicativo de GPS dos ônibus — lançado pela prefeitura e Associação dos Transportadores de Passageiros (ATP) no mês passado — não mostrava o C4 entre as que circulam pela cidade. Como passageiros e motoristas já se conhecem, logo a notícia se espalhou.

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL - 11/09/2019A linha C4 Balada Segura será extinta
Justificativa para extinção da linha é a baixa demanda de usuáriosFoto: Marco Favero / Agencia RBS

Trabalhadores

Na noite de quarta para quinta-feira, o Diário Gaúcho conferir de perto a situação do trajeto que será extinto. Entre 22h e 1h30min, a reportagem circulou em três horários, saindo do Centro Histórico. A primeira impressão é que o perfil dos usuários realmente mudou. Nos três trajetos em que o Diário esteve a bordo do coletivo, praticamente todos os passageiros estavam usando o itinerário para voltar do trabalho. 

A maioria embarca na região do bairro Moinhos de Vento e desce no Centro, onde ainda pega um segundo ônibus ou até um trem para conseguir chegar em casa. Foram 30 pessoas transportadas, sendo 12 na primeira e outras 12 na segunda volta, às 22h e às 23h, respectivamente. Outros seis passageiros viajaram no horário que saiu do Centro às 0h30 e voltou ao local perto da 1h20min.

Para quem vê o C4 como a única opção de transporte na noite de Porto Alegre, a notícia de que a linha pode ser extinta causa espanto e, principalmente, medo. O porteiro João Paulo, 66 anos, usa o trajeto para ir ao trabalho desde sua criação, há oito anos. 

— Deus me livre, não podem tirar essa linha. Vai acabar com a única opção que eu tenho para chegar no serviço.

Leia mais
A história da linha de ônibus TM1, que passa por cinco cidades
Passageiros relatam que paradas de ônibus viraram pontos de assalto em Porto Alegre
Novos ônibus da Carris devem chegar em outubro, diz diretora-presidente da empresa

O segurança Marçal Martins, 31 anos, diz que com fim da linha, ele vai precisar largar o emprego. Recentemente, Marçal vendeu seu carro e usa o ônibus para voltar do serviço, já que é a única opção que circula pela região da Avenida 24 de outubro neste horário.

— Não tenho condições de comprar carro e nem moto, agora. Sem o ônibus, não tenho como trabalhar — teme o segurança.

Segundo a EPTC, desde o início da operação da linha houve uma redução em média de 55,3% na demanda de passageiros transportados por viagem. Em seu primeiro ano, 2012, a linha transportou 37.883 passageiros. Já em 2018 este total foi de 16.914. Entre janeiro e agosto deste ano, já foram transportados 12.696 passageiros.

Oferta sem demanda

Conforme a assessoria de imprensa da Carris, o trabalho para melhorar a gestão da empresa tem tido foco em saber o que gera resultado e o que dá prejuízo. Por isso, a situação da linha C4 foi revista, já que era uma oferta de serviço com a demanda baixa. A decisão de protocolar o pedido de extinção na EPTC foi feito após um estudo da Carris que mostrou a inviabilidade da linha. A empresa reforça que fez pedido, mas coube aos órgãos gestores do sistema de transporte público, neste caso, a EPTC e o Comtu, decidir sobre o tema.

A reportagem solicitou à Carris uma entrevista para esclarecer como a extinção da linha poderia, ao menos, beneficiar outros itinerários. Isso em razão da economia de combustível, manutenção e pessoal que será gerada com o fim do C4. Até o fechamento desta reportagem, não houve retornos.

Fala, passageiro

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL - 11/09/2019A linha C4 Balada Segura será extinta. Na foto, Cleverson Rodrigues
Cléverson é professor e usa o itinerário para voltar do trabalhoFoto: Marco Favero / Agencia RBS

 Essa linha foi um achado para mim. Pego na saída do serviço e desço na esquina de casa. Teria que caminhar da Rua José do Patrocínio até a Avenida Osvaldo Aranha para conseguir pegar outro ônibus.
Cléverson Rodrigues, 43 anos, professor  

Eu teria que caminhar da Avenida Goethe até a Avenida Protásio Alves para conseguir um ônibus. Já fui assaltada três vezes fazendo isso. E com carro de aplicativo, gastaria R$ 30 por dia.
Daiane Dallapeta, 38 anos, recepcionista 

Se tirarem o C4, vou precisar sair mais cedo da aula para pegar outra linha. Ou então, esperar muito tempo depois que a aula termina.
Andrea Soares, 25 anos, estudante de odontologia

Quem trabalha nos comércios da região da Rua Padre Chagas depende dessa linha para voltar para casa. Mudem o nome para Trabalhador Seguro, então.
Márcia Fernandes, 42 anos, garçonete

Leia outras notícias do Diário Gaúcho


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros