"Estamos pedindo aos colaboradores para que não deixem a população desassistida", diz vice-presidente do Imesf - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Postos de saúde17/09/2019 | 18h22

"Estamos pedindo aos colaboradores para que não deixem a população desassistida", diz vice-presidente do Imesf

Ana Maria Matzenbacher, que também perderá o emprego com a extinção do Instituto Municipal da Estratégia de Saúde da Família de Porto Alegre (Imesf), faz apelo aos colegas

"Estamos pedindo aos colaboradores para que não deixem a população desassistida", diz vice-presidente do Imesf Marco Favero/Agencia RBS
Postos foram fechados ao longo da tarde por iniciativa das próprias equipes Foto: Marco Favero / Agencia RBS

Vice-presidente do Instituto Municipal da Estratégia de Saúde da Família de Porto Alegre (Imesf), a enfermeira Ana Maria Matzenbacher diz que a direção do órgão entende o momento delicado enfrentado pelos funcionários, mas trabalha para "sensibilizar os colaboradores para que não deixem a população desassistida". Alvo de uma guerra judicial desde 2011, o Imesf será extinto pela prefeitura, por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF). 

Leia outras notícias do Diário Gaúcho

Com isso, serão demitidas 1.840 pessoas, entre médicos, enfermeiros e agentes comunitários – os avisos prévios devem começar a ser emitidos assim que a prefeitura for notificada da decisão judicial. A medida foi comunicada nesta terça-feira (17) pelo prefeito Nelson Marchezan. Embora ele tenha assegurado a continuidade dos serviços, postos foram fechados ao longo da tarde por iniciativa das próprias equipes, descontentes com a notícia. Parte delas se deslocou até o Paço Municipal para protestar. 

 reação, na avaliação de Ana Maria, que está há dois meses no cargo e também perderá o emprego, é compreensível. Apesar disso, a enfermeira teme os prejuízos à população. 

— Quando vim para o cargo, já tinha conhecimento do processo, mas não havia uma estimativa de que o julgamento fosse acontecer tão rapidamente. Da mesma maneira, eu entendo que esta não é uma decisão da gestão municipal em si (de extinguir o Imesf). É resultado de uma decisão judicial. Eu também entendo e acolho os profissionais, porque, de fato, é um momento delicado para o trabalhador. É um grande número de pessoas afetadas, mas temos de considerar que a assistência à população não deve ser prejudicada — pondera a vice-presidente. 

Leia também
Por ordem do STF, prefeitura de Porto Alegre fechará órgão responsável por saúde da família
Pelo menos 68 postos fecham após prefeitura anunciar extinção de órgão responsável por saúde da família
Pelo menos 68 postos fecham após prefeitura anunciar extinção de órgão responsável por saúde da família

Ana Maria afirma que a direção do órgão e o departamento de atenção primária da Secretaria Municipal da Saúde estão conversando com os colegas para sensibilizá-los. Ela acredita que, pela qualificação e experiência do grupo, todos poderão ser recontratados em breve, assim que a prefeitura firmar parceria emergencial para suprir as vagas abertas a fórceps.

— É um momento difícil, mas a secretaria está pensando da melhor maneira possível para não prejudicar a assistência à população. Com essa decisão emergencial que vai ser tomada, de contratações temporárias, e depois com a solução definitiva, todos estão qualificados e tem experiência para conseguir se reintegrar. E a ideia é ampliar o acesso à população no futuro. Provavelmente, o plano vai contemplar a contratação de ainda mais profissionais. Certamente quem é engajado, profissional, vai ter espaço — conclui.


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros