Manoel Soares vibra com a formatura de mais de 200 jovens na Grande Cruzeiro - Notícias

Vers?o mobile

 
 

PAPO RETO 28/09/2019 | 05h00Atualizada em 28/09/2019 | 05h00

Manoel Soares vibra com a formatura de mais de 200 jovens na Grande Cruzeiro

Colunista escreve para o Diário Gaúcho aos sábados

Manoel Soares vibra com a formatura de mais de 200 jovens na Grande Cruzeiro Divulgação/CUFA
Cerimônia ocorreu nesta sexta-feira (27), em Porto Alegre Foto: Divulgação / CUFA

Às vezes, não entendo alguns metidos a intelectuais. Quando a criança tem cinco anos, dizem que ela é a esperança de um mundo melhor. Dez anos, depois quando essa mesma criança tem 15 anos e está ouvindo funk em sua caixinha no ônibus, chamam ela de maloqueira. Crianças e jovens das quebradas não são problemas sociais, são as únicas chances de resolver tudo que está errado. 

Leia mais
Manoel Soares questiona: "Que mundo você apresenta para os seus filhos?"
Manoel Soares: "Estar sem trampo mexe com a nossa autoestima"
Manoel Soares: "O chicote ainda estala"

Por isso, nesta sexta-feira (27), a Central Única das Favelas do Rio Grande do Sul (Cufa) formou em barbearia e culinária mais de 200 jovens da região da Vila Cruzeiro, em Porto Alegre. Todos com um talento absurdo para suas áreas de atuação. Jovens que parte da sociedade achava serem casos perdidos por conta das suas origens. Muitos deles com familiares no crime ou mortos, mas, mesmo assim, ostentavam no salão da UniRitter o orgulho de irem além de suas fronteiras. 

Quando nós, da Cufa, olhamos para a favela, não vemos carência, mas potência. Entender que do chão batido podem sair as maiores mentes para resolver nossos problemas sociais é nosso objetivo de vida. O Centro de Juventude da Cruzeiro faz desses jovens exemplos positivos das quebradas e abre para suas famílias um novo horizonte. Nosso sonho é que possamos fazer isso em cada favela de nosso Estado, fazer de cada beco de chão batido um ponto de alegria. 

O que falta para a quebrada é oportunidade. Se dermos uma arma para um menino de 10 anos, ele vai achar que é bandido. Mas, se dermos uma máquina de cortar cabelo, ele pode ser barbeiro, se dermos um estetoscópio, ele pode se ver como médico, e por aí vai. Temos que expandir os horizontes de nossos jovens e deixar que sigam seus sonhos. Obrigado à Secretaria de Desenvolvimento Social, que acredita nessa molecada junto com a gente.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros