Prefeitura apresenta alternativas para famílias que vivem em área que deve ser reintegrada na Bom Jesus - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Porto Alegre16/09/2019 | 05h00Atualizada em 16/09/2019 | 05h00

Prefeitura apresenta alternativas para famílias que vivem em área que deve ser reintegrada na Bom Jesus

Após suspensão da reintegração de posse pela Justiça, PGM decidiu diminuir número de casas a serem demolidas, além de oferecer aluguel social e indenização para alguns moradores

 

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 09/05/2019: Moradores do Mato Sampaio esperam retorno da prefeitura sobre reintegração de posse. (Foto: Omar Freitas / Agência RBS)Local: Porto Alegre
Número de casas que devem ser demolidas baixou de 56 para 46Foto: Omar Freitas / Agencia RBS

A Procuradoria-Geral do Município (PGM) apresentou à Justiça, na sexta-feira (13), as alternativas que a prefeitura de Porto Alegre oferecerá aos moradores de uma área pública ocupada na Vila Mato Sampaio, no bairro Bom Jesus.

O município quer que parte da comunidade deixe o espaço.  As opções são o fornecimento de aluguel social no valor de R$ 500 durante seis meses e, para quem construiu suas casas até 1997, pagamento de indenização. Além disso, houve uma remarcação do terreno, diminuindo o número de casas a serem demolidas para 46 – antes, eram 56.

No local está prevista a construção de uma praça e de uma rua, além de uma bacia de detenção pluvial, para evitar alagamentos. As obras são contrapartidas da iniciativa privada em função da construção de um empreendimento imobiliário nas proximidades da Bonja.

O imbróglio entre município e moradores é acompanhado pelo Diário Gaúcho desde o início do mês. Foi por meio de uma decisão judicial que a prefeitura teve autorização para fazer a reintegração de posse, que deveria ter começado no dia 10. Porém, diante do movimento de moradores e do apoio da Câmara de Vereadores, a Justiça suspendeu a ação no dia 6. Agora, o judiciário decidirá os próximos passos.

Outra vertente pode interromper novamente a ação do Executivo. Um projeto de lei foi protocolado na Câmara com a intenção de converter o terreno em uma área especial de interesse social (AEIS I). Isso alteraria a designação do plano diretor para aquela área, não sendo mais um espaço destinado a uma praça e uma rua. Conforme o vereador Roberto Robaina (PSOL), um dos autores do projeto e vice-presidente da Comissão de Urbanização, Transportes e Habitação (Cuthab), o projeto deve ser votado na quarta.

— Na segunda (hoje) teremos a primeira e a segunda sessão de pauta sobre o tema. Isso deve culminar em uma sessão conjunta na quarta-feira, onde podemos votar e aprovar —  projeta ele. 

Leia mais
Reintegração de posse afeta área com 56 casas na Bom Jesus
Comissão de Habitação da Câmara vai discutir reintegração de posse na Bom Jesus

Legislação

Para o procurador-geral de Porto Alegre, Nelson Marisco, a atitude da Câmara pode ser inconstitucional. Ele explica que a destinação da área pública para a implementação das contrapartidas segue a legislação federal.

— Acho que essa solução que a Câmara pensa em dar para o problema é mais um complicador. 

Segundo Marisco, a prefeitura foi cobrada pelo Ministério Público para que a empresa responsável pelas contrapartidas fizesse a obra. Por isso, o município pediu a reintegração de posse.

Comunidade não quer deixar a área

Mesmo com a proposta apresentada pela prefeitura, a intenção dos moradores que vivem nas mais de 40 casas que podem ser demolidas é permanecer na área. A dona de casa Elaine Oliveira da Rosa, 49 anos, relata que todo o dinheiro acumulado durante a vida foi aplicado na construção do teto sob o qual ela vive. Na parte de baixo da residência, Elaine mantém um bazar. No andar superior, há dois quartos e dois banheiros, além de sala e cozinha.

— Estou aqui há mais de 20 anos. Vou para onde se me tirarem? — questiona.

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 09/05/2019: Elaine Oliveira da Rosa. Moradores do Mato Sampaio esperam retorno da prefeitura sobre reintegração de posse. (Foto: Omar Freitas / Agência RBS)Indexador: NGS
Foto: Omar Freitas / Agencia RBS


A casa da recicladora Anne Costa dos Santos, 26 anos, deve ser desmanchada por completo se a reintegração for colocada em prática. Na frente da residência onde vive com dois filhos e o marido, Anne mostra um semblante preocupado:

—Não tenho para onde ir.

Confiança

Segundo a advogada Stéphani Fleck da Rosa, que representa cerca de 40 das famílias afetadas pelo problema, a população deve resistir às tentativas de reintegração. Segundo ela, o medo dos moradores está relacionado à falta de confiança nos benefícios prometidos pelo município.


— Sabemos de atrasos constantes que os beneficiários de aluguel social sofrem. Existe bastante espaço desocupado para a prefeitura construir. O que queremos é uma proposta que inclua a comunidade nisso — diz a advogada.

Moradora da Mato Sampaio há 27 anos, a diarista Patrícia Vieira Elias, 30 anos, critica a postura adotada em relação aos residentes da área:

— Podiam se preocupar em consertar nossas ruas, melhorar o saneamento básico. Porém, querem nos mandar para rua.

Leia outras notícias do Diário Gaúcho

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros