Professor de judô de escola pública da Capital vai fazer intercâmbio sobre o esporte no Japão - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Aperfeiçoamento10/09/2019 | 05h00Atualizada em 10/09/2019 | 05h00

Professor de judô de escola pública da Capital vai fazer intercâmbio sobre o esporte no Japão

Rodrigo foi um dos 10 selecionados para passar um mês aprendendo novos métodos

Professor de judô de escola pública da Capital vai fazer intercâmbio sobre o esporte no Japão Omar Freitas/Agencia RBS
Rodrigo ensina a arte marcial na Escola Wenceslau Fontoura Foto: Omar Freitas / Agencia RBS

Um a um, eles vestem o quimono branco e se encaminham para sala de aula, até o encontro com o professor de educação física. Cumprimentam o mestre e logo começam a meditação. O silêncio paira por alguns minutos até o som eclodir, em seguida, com o aquecimento. 

Leia outras notícias do Diário Gaúcho

É assim, duas vezes por semana, que os alunos do 2º e 3º ano da Escola Municipal de Ensino Fundamental Wenceslau Fontoura, no bairro Mario Quintana, zona norte da Capital, participam das aulas de judô. No comando das atividades, um professor prestes a viver uma experiência fora do país e cheio de planos a compartilhar. 

Rodrigo Augusto Trusz, 40 anos, foi selecionado para participar do programa de intercâmbio Brasil-Japão Sport for Tomorrow, promovido pela Embaixada do Japão, em parceria com a Confederação Brasileira de Judô (CBJ) e o Instituto Kodokan (a primeira escola de judô, fundada no Japão, por Jigoro Kano, em 1882, e considerada a mais tradicional escola de judô do mundo). 

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 06/09/2019: Oficina de judô na Escola Municipal Wenceslau Fontoura.  Professor Rodrigo Augusto Trusz dá oficinas de judô em escola pública de Porto Alegre, é selecionado para curso no Japão e pretende criar núcleo para ensinar a modalidade para mais crianças na zona norte. (Foto: Omar Freitas / Agência RBS)Indexador: NGS
Meta é duplicar o número de alunos atendidos Foto: Omar Freitas / Agencia RBS

Desde 2011, a instituição de ensino da Zona Norte oferta a oficina para as crianças. As aulas atendem 50 alunos entre sete e nove anos. 

— O judô vem da cultura oriental que preza muito pela gentileza, concentração, disciplina nas ações e reações. Nossa ideia é aplicar de forma mais lúdica o exercício, agregando valores morais e disciplina. Em um ou dois meses, já é possível ver uma diferença que acaba refletindo no comportamento deles na escola e em casa — relata o professor.

Estudo

Rodrigo foi atleta de nível regional, faz doutorado e é árbitro da Federação Gaúcha de Judô. Além do trabalho na Escola Wenceslau Fontoura, é coordenador pedagógico do projeto Bugre Lucena, desenvolvido pela Escola Superior de Educação Física (Esef) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). 

Leia também
Do Porto Seco para o México: judoca precisa de ajuda para participar de campeonato
Projeto oferece aulas gratuitas de judô em escola do Rubem Berta
Associação de Viamão oferece aulas gratuitas de capoeira para crianças

A iniciativa promove a inclusão social por intermédio do judô para crianças de escolas públicas e deficientes visuais com o ensino e a prática de atividades de combate. 

Os alunos da escola que mais se interessam e se destacam na modalidade são convidados a participar do projeto de extensão oferecido pela universidade.

Ampliação

O intercâmbio “Judô nas Escolas Públicas do Brasil” foi aberto para professores da rede pública e recebeu 47 inscritos de todo o país, sendo que 10 foram selecionados. Durante um mês, Rodrigo ficará em Tóquio e Tsukuba, aprendendo novos métodos e orientações que poderão ser aplicadas em sala de aula. 

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 06/09/2019: Oficina de judô na Escola Municipal Wenceslau Fontoura.  Professor Rodrigo Augusto Trusz dá oficinas de judô em escola pública de Porto Alegre, é selecionado para curso no Japão e pretende criar núcleo para ensinar a modalidade para mais crianças na zona norte. (Foto: Omar Freitas / Agência RBS)Indexador: NGS
Gurizada curte as aulas da arte marcialFoto: Omar Freitas / Agencia RBS

— A ideia que se tem é que no Japão é tudo muito rígido, mas eles têm uma proposta para trabalhar o judô diferente do viés competitivo. O judô faz parte do currículo escolar do Japão. Nós vamos para observar os procedimentos que eles utilizam lá e ver o que a gente consegue adaptar e trazer para realidade brasileira — destaca o professor.

Se sonhar ainda não custa nada, Rodrigo almeja grande. Quer duplicar o número de alunos atendidos e tornar a escola um núcleo de judô na região. A proposta é que as aulas possam ser oferecidas para alunos de outras instituições próximas.


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros