Construtora de prédio com obras paradas em Gravataí dá a sua versão dos fatos  - Notícias

Vers?o mobile

 
 

HABITAÇÃO 08/10/2019 | 05h00Atualizada em 08/10/2019 | 05h00

Construtora de prédio com obras paradas em Gravataí dá a sua versão dos fatos 

Procurador da empresa Promodal afirma que responsabilidade por prejuízos decorrentes de atraso é exclusivamente da Caixa Econômica Federal

Construtora de prédio com obras paradas em Gravataí dá a sua versão dos fatos  Ronaldo Bernardi/Agencia RBS
Residencial Florença, em Gravataí Foto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS

O procurador da Promodal, Artur Thompsen Carpes, entrou em contato com o Diário Gaúcho para enviar o posicionamento da empresa, uma das construtoras mostradas em reportagem no dia 25 de setembro. Na ocasião, o DG não conseguiu localizar nenhum representante da empresa. 

A Promodal foi a construtora responsável pelo Residencial Florença, de Gravataí.  O empreendimento era para ter sido entregue em 2010. Hoje, a estrutura que deveria abrigar 192 unidades tem apenas carcaças. 

Leia mais
Mais de 800 unidades habitacionais foram vendidas na Região Metropolitana, mas famílias nunca as receberam
Prefeitura apresenta alternativas para famílias da Bom Jesus

Em nota, o procurador informou que “a responsabilidade pelos prejuízos decorrentes do atraso no término da construção, no que se refere ao Residencial Florença, em Gravataí, é exclusivamente da Caixa Econômica Federal (CEF). A Promodal já havia construído 95% da obra quando foi alijada do prosseguimento por decisão absolutamente arbitrária e desproporcional da CEF. Referida decisão da CEF, tomada ainda em 2012, restava justificada em atraso de poucos meses na conclusão das obras”. Ainda segundo a nota, “a CEF contratou outra construtora para terminar as obras, mas nunca conseguiu finalizar os prédios. (...) Não faz sentido atribuir a responsabilidade pela ausência de conclusão dos prédios em 2019 à Promodal. Há ação judicial em curso na Justiça Federal”.

Consultada, a Caixa Econômica Federal informou que, conforme previsão contratual e após reiterados atrasos para a entrega do empreendimento, a construtora retirou-se do canteiro de obras e o seguro para substituição do construtor/incorporador foi acionado.

Leia a nota da Promodal na íntegra: 

"Diante da matéria em voga, da qual infelizmente a Promodal não pode se pronunciar anteriormente à publicação, tenho a dizer, na condição de procurador da empresa, o seguinte: 

A responsabilidade pelos prejuízos decorrentes do atraso no término da construção no que se refere ao Residencial Florença, em Gravataí, é exclusivamente da Caixa Econômica Federal. A Promodal já havia construído 95% da obra quando foi alijada do prosseguimento por decisão absolutamente arbitrária e desproporcional da CEF. Referida decisão da CEF, tomada ainda em 2012, restava justificada em atraso de poucos meses na conclusão das obras. A CEF contratou outra construtora para terminar as obras, mas nunca conseguiu finalizar os prédios que até hoje, conforme bem é narrado na matéria, seguem não entregues. 

Vale dizer: a Promodal foi forçada a deixar a obra pela CEF em 2012 quando já estava quase terminando as obras (95%). Não faz sentido atribuir a responsabilidade pela ausência de conclusão dos prédios em 2019 à Promodal. 

Há ação judicial em curso na Justiça Federal na qual a Promodal demanda a CEF por conta do predito. A petição inicial segue em anexo. 

 É muito importante deixar claro o ocorrido para o seus leitores, entre os quais muitos mutuários, que devem buscar junto à CEF a compensação de seus prejuízos."


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros