Morre Hélio Dias, um dos pioneiros do Carnaval de Porto Alegre - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Luto na cultura popular04/10/2019 | 18h29Atualizada em 04/10/2019 | 18h29

Morre Hélio Dias, um dos pioneiros do Carnaval de Porto Alegre

Fundação da tribo Os Caetés e da União da Vila do IAPI está entre suas contribuições para os desfiles na cidade

Morre Hélio Dias, um dos pioneiros do Carnaval de Porto Alegre Fernando Gomes/Agencia RBS
Hélio Dias morreu na tarde desta quinta-feira, aos 92 anos Foto: Fernando Gomes / Agencia RBS
GaúchaZH
GaúchaZH

Fundador da primeira tribo carnavalesca de Porto Alegre — os Caetés — e da escola de samba União da Vila do IAPI, Hélio Dias morreu na tarde desta quinta-feira (3), aos 92 anos. Após duas internações nos últimos 60 dias, estava hospitalizado havia uma semana na Capital.

Leia mais
Na estreia de "Eu Sou do Samba", saiba qual será o enredo de Bambas para o Carnaval 2020
Como será o Carnaval 2020 no Porto Seco, em parceria com produtora de Pelotas
Ouça o samba-enredo que homenageará Renato Portaluppi no Carnaval de Porto Alegre

Em julho deste ano, Tio Hélio, como era chamado, foi homenageado pelo Clube Floresta Aurora por sua dedicação à festa popular, cuja memória ajudava a recuperar quando procurado por integrantes e dirigentes das escolas. Antes de ficar com a saúde debilitada, mantinha o hábito de participar de reuniões semanais em uma confraria de amigos feitos no Carnaval.

Sua contribuição à história dos desfiles na cidade começou em 1946, quando, aos 19 anos, integrou o grupo de fundadores de Os Caetés, única agremiação pela qual pisou na avenida. Não tinha origem indígena, mas aprendeu a dançar para acompanhar a tribo.

— Uma vez índio, sempre índio — dizia.

Passou pela transição entre blocos e escolas de samba e, em 1990, ajudou a criar a Vila do IAPI. Durante 28 anos, fez parte da hoje extinta Associação das Entidades Carnavalescas de Porto Alegre e do Rio Grande do Sul (Aecpars) e, como servidor da Secretaria Municipal de Administração, por quatro anos, foi cedido para a Epatur, no período em que a empresa organizava a festa.

Também era conhecido como Cabrocho — apelido pelo qual atendia prontamente, dando uma gargalhada na sequência. Era costume seu chamar os homens por "cabra" e as mulheres por "cabrocha" ou "guria bonita".

Ele deixa três filhos: Iara, Jussara e Hélio Júnior. Também tinha oito netos – entre eles, Liliane Pereira, responsável pela coluna Eu Sou do Samba do Diário Gaúcho – e 12 bisnetos.

O velório está marcado para se iniciar às 8h30min desta sexta-feira (3), na capela 2 do Cemitério João XXIII, em Porto Alegre. O sepultamento está previsto para as 16h.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros