"Não troco ele por nada", diz menino que pediu ao Papai Noel milho para seu cavalo - Notícias

Vers?o mobile

 
 

História emocionante18/11/2019 | 21h49Atualizada em 18/11/2019 | 21h49

"Não troco ele por nada", diz menino que pediu ao Papai Noel milho para seu cavalo

Pedro vive a expectativa de ter o pedido atendido para presentear Gateado

"Não troco ele por nada", diz menino que pediu ao Papai Noel milho para seu cavalo Ronaldo Bernardi/Agencia RBS
Amor pelo animal fez Pedro escrever carta emocionante ao Bom Velhinho Foto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS

Enquanto brinca na sala de informática do projeto social em que é acolhido, Pedro Zilch, 11 anos, nega a oferta de ter um computador próprio em troca de seu cavalo, o Gateado:

— No computador, não dá pra andar. No cavalo, dá. Não troco ele por nada!

Leia mais
Time amador de Viamão presenteia meninos da base com chuteiras novas
Após fazer vaquinha para competir, judoca do Porto Seco é campeão no México
Em aniversário de cinco anos, menino ganha farda e visita de policiais militares

Frequentador da Associação de Projeto Educacional e Social para Crianças e Adolescentes (Aesca), conveniada à prefeitura de Santa Cruz do Sul, no Vale do Rio Pardo, Pedro mistura a maturidade ensinada pela vida em um dos bairros mais pobres da cidade, o Beckenkamp, com a pureza da criança que espera uma solução divina para os problemas financeiros da família. Em uma brincadeira na qual os alunos foram convidados a escrever seus pedidos para o Natal, o aspirante a ginete pensou primeiro no amigo de quatro patas, presente dado pelo pai na metade do ano.

— Eu pedi para o Papai Noel dois sacos de milho. Assim, posso dar comida para ele todos os dias. E também um pelego para eu montar e não estragar a calça — explica, ao mostrar a carta escrita no dia 11 de novembro, que inclui ainda entre os desejos um celular "de mexer na tela" e uma coleção de bolitas, além de uma rede de pesca.

O pedido incomum surpreendeu a educadora Roriane Peres Chagas, 31 anos, orientadora da atividade.

— Ele podia pedir qualquer outra coisa de valor financeiro. Mas pensou no cavalo. Isso me comoveu muito — relembra, emocionada.

O projeto atende mais de mil crianças e adolescentes entre seis e 16 anos por ano em 10 bairros do município. São oferecidas oficinas de música, teatro e prática de esportes, além de alimentação. Pedro frequenta o local no turno inverso ao da escola, onde cursa a terceira série do Ensino Fundamental.

As centenas de cartas são retiradas por voluntários, e os presentes, entregues em uma festa de final de ano, na metade do mês dezembro. Pedro vive a expectativa para que o seu pedido seja atendido.

Um grande homem

Pedro vive com o pai, Isidor René Zilch, 55 anos, e dois irmãos em uma casa simples de madeira, erguida sobre uma viela de chão batido e esgoto corrente, conhecida como Rua das Carrocinhas. A mãe morreu em agosto de 2018, vítima de câncer. No pátio da residência, dois galos, dois cães adultos e uma matilha de filhotes dividem o espaço com o equino. No quarto, a foto de um puro-sangue colada ao lado de um cavalo de plástico reforçam o carinho do garoto pelos pingos.

A atitude do filho, preocupado com a saúde de seu parceiro de montaria, comoveu Isidor:

— Quando a professora me chamou, eu vim e fiquei muito emocionado. Como ele gosta de computador, pensei que fosse o que ele iria pedir. É a prova de que vai ser um grande homem.

Sem emprego fixo, Isidor trabalha em colheitas de fumo na cidade vizinha de Passo do Sobrado. Por dia de trabalho, recebe R$ 95. Reclama, porém, que há semanas em que não é procurado pelos agricultores.

— Quando tem colheita, eu saio de casa às 4h e volto no meio da tarde. Algumas pagam um pouco mais, R$ 100, mas aí não tem comida — detalha, concluindo que o ganho mensal muitas vezes não atinge R$ 1 mil, o que dificulta o sustento da família e a compra de comida para os animais de estimação.

Gateado passou a integrar a casa da família Zilch em uma troca pelo cavalo anterior, que era maior e xucro. Na negociação, além de Gateado, Isidor recebeu uma caixa de música e R$ 100 porque o outro cavalo era mais caro — havia custado R$ 1 mil, pago em quatro parcelas de R$ 250.

Ajuda será compartilhada

Coordenadora do serviço de convivência da Aesca, Veridiana Knod da Rocha, 29 anos, afirma já ter recebido ajuda para a escola de diversas pessoas, após a história de Pedro ter sido compartilhada pelo jornalista Giovani Grizotti, da RBS TV, em suas redes sociais.

— Se vier mais de um celular, vamos dar para os outros (mais crianças fizeram este pedido na atividade). Aqui, tudo a gente aproveita. As crianças são muito carentes, precisam de toda ajuda possível. Muitas vezes, a refeição que servimos é a única do dia para elas — reforça.

Diariamente, o centro de convivência serve mais de 80 refeições aos moradores da região. Se a ajuda prometida por quem procurou a entidade for maior do que os pedidos feitos ao Bom Velhinho, as educadoras pretendem fazer uma ceia para a comunidade.

Com a certeza de que Papai Noel lerá sua carta e atenderá aos seus pedidos, Pedro se mostra disposto a dividir o milho com os galos dos irmãos.

— Talvez, eu dê um pouco para eles — conta, enquanto acaricia a crina de Gateado. 


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros