Falta de água: caminhão-pipa atende moradores da Lomba do Pinheiro   - Notícias

Versão mobile

 
 

Desabastecimento30/12/2019 | 20h33Atualizada em 30/12/2019 | 20h33

Falta de água: caminhão-pipa atende moradores da Lomba do Pinheiro  

Alegando falta de água há 20 dias, moradores do Loteamento Santo Antônio, no Bairro Lomba do Pinheiro, foram atendidos com caminhão-pipa

Falta de água: caminhão-pipa atende moradores da Lomba do Pinheiro   Isadora Neumann/Agencia RBS
Adriano Machado ajudou vizinhos a encherem baldes e garrafas Foto: Isadora Neumann / Agencia RBS

Quando o caminhão-pipa ingressou na Rua Pingo de Ouro, no Loteamento Santo Antônio, no bairro Lomba do Pinheiro, em Porto Alegre, na tarde desta segunda-feira (30), uma fila de moradores se formou em menos de um minuto. Com baldes e garrafas plásticas nas mãos, cada um tentava conseguir um pouco da água que não chega à região há cerca de 20 dias.

Leia outras notícias do Diário Gaúcho

Foi o primeiro veículo enviado pelo Departamento Municipal de Água e Esgotos (Dmae) para socorrer quem passou o Natal com as torneiras secas e enfrentaria o Ano-Novo na mesma situação. 

O caminhão com capacidade para 8 mil litros, solicitado por lideranças comunitárias da região, não foi suficiente para sanar o problema no loteamento. Na ponta da fila, o produtor e vendedor de salgados e doces Adriano Machado, 37 anos, auxiliava os vizinhos a encherem todos as vasilhas disponíveis. 

Açougueiro desempregado, Machado tem sustentado a família com os produtos feitos por ele. Com a falta de água, perdeu clientes, porque não conseguiu atender as solicitações de encomendas. 

— Parei a produção e avisei a todos para não termos mais prejuízo. Todo o verão é assim, mas nunca com tantos dias sem água — reclamava. 

Leia também
Com água na torneira apenas durante a madrugada, moradores precisam adaptar rotina na Zona Leste
Em meio a calorão de 35,3°C, moradores de bairros de Porto Alegre enfrentam novo dia de falta d´água
Como foi o primeiro dia de funcionamento do novo restaurante popular de Porto Alegre

A doméstica Vera Domingues, 55 anos, correu até o veículo pedindo para encher a caixa d'água da família. Ela relata que, desde o começo deste mês, a água começou a escassear. Resultado: as roupas sujas já fazem uma montanha na área de serviço, e a família tem ido diariamente tomar banho na casa de parentes em outro bairro da cidade.

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 30/12/2019: Falta de água na Lomba do Pinheiro. Na foto: Vera Domingues Rocha, moradora do Loteamento Santo Antônio, com caixa de água seca e roupas para lavarIndexador: ISADORA NEUMANN
Vera está com a caixa d'água vaziaFoto: Isadora Neumann / Agencia RBS

Ao contrário de Vera, a dona de casa Maria Eva dos Santos, 66 anos, passou as últimas duas semanas tomando banho usando balde e caneca. Nesta segunda (30), finalmente, conseguiu encher a caixa d'água da família. 

— Pagamos a conta em dia, mas estamos esquecidos no Pinheiro. E ainda dizem que o abastecimento está normal. Isso é uma vergonha — desabafou Maria Eva.

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 30/12/2019: Falta de água na Lomba do Pinheiro. Na foto: Maria Eva dos Santos, do loteamento Santo Antônio, recebendo a água do caminhão em casaIndexador: ISADORA NEUMANN
Maria Eva conseguiu encher a caixa d'águaFoto: Isadora Neumann / Agencia RBS

Como o primeiro veículo não conseguiu completar o loteamento, um segundo caminhão seria enviado até o início da noite para completar a distribuição no Santo Antônio. 

Em outro ponto do bairro Lomba do Pinheiro, na parada 11, a cabeleireira Adriana Pereira da Costa, 49 anos, recordava o sábado passado (28), quando precisou fazer a progressiva de uma cliente usando baldes. Pelo menos outras três clientes cancelaram os horários por falta de abastecimento. Na tarde de segunda-feira, quando um fio de água começou a correr da torneira por volta das 16h, ela correu para finalizar outra progressiva que já estava em andamento. 

Solução em quatro anos

Em entrevista ao programa Gaúcha +, da Rádio Gaúcha, na tarde desta segunda-feira, o secretário municipal de Serviços Urbanos, Ramiro Rosario, e o diretor-geral do Dmae, Darcy Nunes dos Santos, afirmaram que, a curto prazo, uma estação compacta de abastecimento pode ajudar a amenizar problema nas zonas leste e sul. Mas os efeitos, também, só serão sentidos em 2021.

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 30/12/2019: Falta de água na Lomba do Pinheiro. Na foto: Adriana Pereira da Costa, moradora da parada 11, perdeu clientes e fez uma progressiva em outra cliente usando um balde de águaIndexador: ISADORA NEUMANN
Adriana fez permanente usando balde com águaFoto: Isadora Neumann / Agencia RBS

A estação compacta pré-fabricada tem tecnologia holandesa. O contrato foi assinado esse ano, no valor de R$ 43 milhões. Ela terá seis unidades que produzirão 30% de água, 10% a mais a partir de abril de 2020. Uma dessas unidades já está em teste, podendo trazer um aumento de 5% daqui a dois meses. A solução definitiva, apontam ambos, só virá em quatro anos, com a construção da ETA Ponte do Arado,

— Essa indignação dos moradores também é compartilhada pelos gestores públicos, ninguém não está dando bola para esta situação. Isso se deve a uma série de fatores. Ressalto dois: o primeiro, o crescimento desordenado dessas regiões, tantos de loteamentos regulares e irregulares, que acabaram sendo ligadas ou ligando-se nas redes de água. O problema é que quando não se tem planejamento chega-se a situações dramáticas como essa. Segundo ponto, nós tivemos no passado, em gestões passadas, o saque de recursos do Dmae no valor de R$ 262 milhões, retirados para pagar despesas correntes do município, e que poderiam ser usado em investimentos — disse o secretário. 


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros