O Diário Gaúcho te ajuda a entender a alta no preço da carne - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Explica Aí04/12/2019 | 05h00Atualizada em 04/12/2019 | 05h00

O Diário Gaúcho te ajuda a entender a alta no preço da carne

O Diário Gaúcho convidou a colunista de agronegócio de Zero Hora, Gisele Loeblein, para explicar os motivos do preço da carne bovina nas alturas

O Diário Gaúcho te ajuda a entender a alta no preço da carne Fernando Gomes/Agencia RBS
A cada ida ao açougue, um novo susto para os consumidores Foto: Fernando Gomes / Agencia RBS

Quem gosta de fazer aquele churrasco no final de semana já percebeu que o preço da carne ficou bem mais salgado. A arrancada maior veio em novembro. E, até o final do ano, não há perspectiva de redução. Entenda as razões do fenômeno:

Leia outras notícias do Diário Gaúcho 

A carne bovina ficou mais cara?
Sim, levantamentos feitos por órgãos de pesquisa mostram que a carne bovina subiu. Aumentou tanto o valor pago ao produtor (o chamado valor do boi gordo) quanto o desembolsado pelo consumidor, nas gôndolas de supermercados. 

Um indicativo dessa alta vem de dados apurados no Estado pelo Núcleo de Estudos em Sistemas de Produção de Bovinos de Corte e Cadeia Produtiva (Nespro) da UFRGS. 

A picanha, por exemplo, ficou 59,5% mais cara desde outubro, o filé mignon 49,3% e a alcatra, 44,4%. Nem a costela e a carne moída escaparam do aumento. A tendência é de que o produto siga valorizado até o final do ano.

Leia também
O Diário Gaúcho te ajuda a entender a Campanha da Legalidade
O Diário Gaúcho te ajuda a entender a onda de protestos no Chile
Entenda a proposta que acaba com a multa para quem não utilizar a cadeirinha para transportar crianças

E o que explica esse aumento?
Há um conjunto de fatores que devem ser considerados para essa alta. Um dos mais falados neste momento é a maior quantidade de carne vendida pelo Brasil para a China. O país, que fica na Ásia, tem um problema que está afetando sua produção local. É a peste suína africana, uma doença que atinge suínos. Com isso, a oferta diminuiu, e os chineses precisaram ampliar as compras de outros países, de todos os tipos de carne. O Brasil é um deles. 

Pela alta procura, a carne bovina ficou valorizada. Mas outras razões contribuíram. É o caso da redução no número de animais disponíveis para abate dentro do Brasil. Isso ocorreu pela seca registrada em outras regiões do país e também porque muitos produtores acabaram abandonando a atividade, por causa da baixa rentabilidade. 

No Rio Grande do Sul, há outras particularidades: o clima ruim no inverno prejudicou as pastagens, que são alimento para engordar o gado, e só agora a produção começa a aumentar e o gado a ficar pronto para o abate. Isso quer dizer que há um intervalo até a produção voltar a todo o vapor.

Há perspectiva de voltar a cair o preço?
Só a partir do próximo ano. Os cortes devem começar a cair a partir do primeiro trimestre. No Estado, os primeiros meses do ano marcam o retorno ao auge da produção. Há alerta dos especialistas, no entanto, de que, mesmo com recuo, os preços não devem voltar aos patamares registrados no primeiro semestre deste ano.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros