Em São Leopoldo, descarte irregular transforma terreno baldio em lixão - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Seu Problema é Nosso23/01/2020 | 08h00Atualizada em 18/02/2020 | 14h38

Em São Leopoldo, descarte irregular transforma terreno baldio em lixão

O problema acontece justamente próximo a um dos Ecopontos do município, espaços disponibilizados pela prefeitura para receberem os descartes de forma correta

Em São Leopoldo, descarte irregular transforma terreno baldio em lixão Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal/Arquivo Pessoal
O terreno em questão foi doado ao município Foto: Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal

Lixo, entulhos, esgoto extravasado e animais – alguns peçonhentos. É com este cenário que os moradores da rua Tenente Carlos Lemos Bastos, próximos ao número 376, no Arroio da Manteiga, em São Leopoldo, precisam conviver. O culpado pelo transtorno é um terreno sem uso há quase quatro anos.

LEIA MAIS
Em Quintão, local onde existia um canteiro central virou uma valeta sem manutenção
Avenida que leva o nome de Gildo de Freitas, em Viamão, tem obra deixada pela metade
Time de futebol solidário precisa de uniformes para a gurizada

— A rua onde nós moramos é esburacada, mas isso podemos aguentar. Só não dá para conviver com os entulhos no meio da via — desabafa o técnico em mecatrônica Sandro Alves Junior, 29 anos.

Sandro é morador do condomínio que fica ao lado do terreno e diz não aguentar mais esse problema:

— Nós estamos cansados. O pessoal não entende que ali não é um lixão.

Os descartes irregulares no lote já foram mostrados pelo Diário Gaúcho duas vezes em 2018. Na primeira edição, em 6 de dezembro, o assunto foi a quantidade de problemas causados pela quantidade de entulho. O lixo acumulado misturava-se ao esgoto existente na rua, piorando a situação. Na edição do dia 28 de dezembro, foi mostrado que a rua recebeu a manutenção. Entretanto, não foi uma solução definitiva.

Animais

De acordo com Sandro, esse lote era uma extensão do condomínio. Porém, em 2016, após várias reuniões entre os moradores e representantes da prefeitura, o terreno foi doado ao município, com a condição de que a limpeza do local fosse responsabilidade do órgão.

As limpezas, de fato, ocorriam com frequência no início, mas, de acordo com os moradores, pararam de ser realizadas há mais de seis meses. A recepcionista Karen Rosa Pereira, 31 anos, conta que, após a última publicação do DG, a prefeitura limpou mais duas vezes o lote e não voltou mais.

Além do esgoto e do lixo, outra situação incomoda: o mato alto se tornou abrigo para animais: mosquitos, aranhas, baratas, ratos, lagartos e até cobras aparecem no local. 

Sandro diz estar indignado com a situação, principalmente por haver um Ecoponto municipal bem próximo à rua, na Avenida Leopoldo Albino Scherer:

— As pessoas vêm de outros bairros (para largar lixo). Elas não entendem que isso só prejudica a cidade.

Prefeitura promete limpeza em breve

A prefeitura de São Leopoldo confirmou que o terreno é uma área doada ao órgão, mas não soube informar sob quais condições. A administração também garantiu que o lote recebe limpeza de acordo com o cronograma de Secretaria Municipal de Mobilidade e Serviços Públicos (Semurb), porém, lamenta a “cultura do descarte”. Em dezembro de 2019, o município criou uma nova legislação que prevê multa para quem for flagrado descartando material de forma irregular.

Sobre o caso, a prefeitura informou que o setor de fiscalização já foi acionado e a limpeza deve ocorrer nos próximos dias. Além disso, a região dispõe de coleta de lixo domiciliar e seletiva, com um caminhão específico para os moradores que separam os resíduos de forma correta.

Produção: Thayná Souza

Leia outras notícias da seção Seu Problema é Nosso   


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros