No bairro Bom Jesus, solidariedade na luta contra a pandemia de coronavírus - Notícias

Versão mobile

 
 

Seu Problema é Nosso27/03/2020 | 08h00Atualizada em 27/03/2020 | 08h00

No bairro Bom Jesus, solidariedade na luta contra a pandemia de coronavírus

Moradora da comunidade decidiu imprimir desenhos para ajudar a manter a molecada em casa

No bairro Bom Jesus, solidariedade na luta contra a pandemia de coronavírus Arquivo pessoal/Arquivo Pessoal
Desenhos foram impressos e distribuídos na região Foto: Arquivo pessoal / Arquivo Pessoal

Devido à pandemia do novo coronavírus, a orientação máxima da Organização Mundial da Saúde (OMS) é clara: todos que puderem devem ficar em casa. Mas, para quem vive na periferia, seguir tal recomendação pode não ser tão simples. Com moradias muitas vezes inadequadas às condições ideais para o isolamento, necessidade de manter-se trabalhando de forma presencial e diversos outros fatores, a aparente normalidade nas ruas das vilas de Porto Alegre têm contrariado a máxima de permanecer em casa. 

Foi ao deparar com esse cenário, olhando pela janela – “ruas cheias, como se fosse domingo” – que a taróloga Francielen Marques Prestes, 27 anos, moradora do bairro Bom Jesus, em Porto Alegre, decidiu fazer algo para, de alguma forma, evitar as aglomerações pelas vias da comunidade.

LEIA MAIS  
Viamão: rua esburacada dificulta circulação  
Agências bancárias alteram atendimento em função da pandemia de coronavírus
Em Canoas, menina de oito anos junta latinhas para ajudar cães abandonados

Ela, que é mãe de Eryck, nove anos, e Antonio, um ano, preocupou-se ao ver a quantidade de crianças brincado pelas ruas da Vila Fátima Pinto, onde vive. Em parceria com o filho mais velho, traçou um plano de ação para ajudar a manter a gurizada dentro de casa: na semana passada, com o dinheirinho que sobrou após pagar as contas, Francielen mandou imprimir 400 desenhos para colorir e distribuiu pelos mercadinhos da vila. O objetivo é fazer com que os pequenos passem por esse período de forma mais segura – em casa, pintando, em vez de ficarem na rua. 

– A estrutura das vilas para a criançada está toda voltada para a escola e a creche. Se não temos isso, fica muito complicado. Aí, os pais que precisam continuar trabalhando não têm o que fazer com as crianças, e elas ficam pela rua. Olho pela janela e é desesperador – comenta Francielen.

Repercussão

Antes de levar os desenhos aos mercados e divulgar a campanha, Francielen fez o teste com as crianças que moram perto de sua residência. Segundo ela, o resultado foi instantâneo:

– Na hora, esvaziou a rua. Eles correram para pegar os desenhos, escolhendo quais personagens queriam. De imediato, já entraram para pintar. 

seu problema é nosso, pandemia, coronavirus, bonja, bom jesus, periferia, boas ações, desenhos, francielen prestes
Recado no facebookFoto: Reprodução / Facebook

Com a ação consolidada, a taróloga divulgou a iniciativa por meio do grupo de Facebook que reúne moradores da Bonja. A publicação recebeu mais de 900 curtidas e quase 200 comentários, superando as expectativas da idealizadora. Segundo ela, a procura foi grande, o que a levou a imprimir mais cópias para reposição nos mercados. Ao todo, já foram mais de 800 desenhos distribuídos, com investimento de R$ 200. 

Contudo, Francielen necessita de ajuda para dar continuidade à ação, sobretudo com a impressão das figuras. Feliz com o resultado positivo que a ideia alcançou, ela está em busca de gráficas ou moradores da comunidade que possam imprimir os desenhos de forma gratuita, e dispõe-se a comprar as folhas. Mas, mesmo diante das dificuldades, ela espera que a iniciativa sirva de exemplo e seja replicada em outras vilas da Capital:

– Gostaria que isso se expandisse para outras comunidades, pois é uma atitude simples que, aqui na Bom Jesus, está tendo muito resultado. Parece pouco, mas na verdade não é. E, para muitas crianças, é o sinal de que tu te importou com ela. 

seu problema é nosso, pandemia, coronavirus, bonja, bom jesus, periferia, boas ações, desenhos, francielen prestes
A taróloga FrancielenFoto: Arquivo pessoal / Arquivo Pessoal

“Um por todos, e todos por um”

Para Francielen, neste momento, as comunidades – onde, em sua visão, a solidariedade sempre foi uma característica predominante – precisam, mais do que nunca, mostrar sua força e união. Diante de tantos fatores sociais que podem vir a facilitar a propagação do vírus entre quem vive na periferia, é necessário que cada um faça a sua parte para conter o avanço da pandemia. 

Foi justamente neste intuito que moradores e líderes comunitários de favelas de todo o Brasil criaram a campanha #coronanasperiferias, a fim de divulgar dados e ações sobre a prevenção do coronavírus entre a população periférica. Em sintonia com a iniciativa, a moradora da Bonja acredita que, diante da situação atual, o bordão que consagrou-se no clássico dos Três Mosqueteiros precisa entrar em ação: “Agora, é um por todos e todos por um”.

– A ajuda que eu presto vai me ajudar também. Pode ser que, assim, eu esteja evitando que uma criança contraia o vírus, passe para seus pais e seus avós e, uma hora, isso acabe chegando na minha família. Gostaria que todos que têm condições de ajudar de alguma forma, o façam – diz.

Como ajudar

/// Se quiser ajudar com a impressão dos desenhos ou precisar de dicas para implantar a iniciativa em sua comunidade, contate a Francielen pelo WhatsApp (51) 99163-8225.

Vamos compartilhar bons exemplos?
E aí, na tua comunidade, tá rolando alguma iniciativa bacana como esta para ajudar a enfrentar a situação difícil que todos estamos vivendo? Mais do que nunca, é importante mostrarmos exemplos que inspiram e nos fazem acreditar que tudo vai ficar bem.
Se tu souberes de algo, manda mensagem para o
WhatsApp do Diário Gaúcho – (51) 99759-5693 – contando mais detalhes sobre o bom exemplo que está sendo dado por aí. Afinal, todos estamos precisando de boas notícias, né? #juntoscontraovírus

Produção: Camila Bengo

Leia outras notícias da seção Seu Problema é Nosso  



 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros