Desenhos de menino autista viram canecas que, com a venda, ajudam família a enfrentar a crise - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Seu Problema é Nosso20/05/2020 | 07h00Atualizada em 20/05/2020 | 07h00

Desenhos de menino autista viram canecas que, com a venda, ajudam família a enfrentar a crise

As ilustrações do esteiense Daniel Munhoz, seis anos, apaixonado por desenhar,  foram transformadas nos itens que, agora, auxiliam os pais a contornarem as dificuldades financeiras causadas pela pandemia

Desenhos de menino autista viram canecas que, com a venda, ajudam família a enfrentar a crise Jefferson Botega/Agencia RBS
Daniel já reconhece seus desenhos nas canecas Foto: Jefferson Botega / Agencia RBS

Desde muito cedo, os lápis de cor, canetinhas e gizes de cera são os melhores amigos do pequeno Daniel Munhoz Dias, seis anos, morador de Esteio. Apaixonado por desenhar, o menino — diagnosticado aos dois anos com Transtorno do Espectro Autista — não é muito falante, mas descobriu nos traços e nas cores vibrantes a sua forma preferida de expressar o mundo. Há menos de um ano, suas ilustrações coloridas saíram do papel e foram transformadas em canecas que, agora, estão ajudando a família a enfrentar as dificuldades financeiras causadas pela pandemia

LEIA MAIS   
Grupo do bairro Bom Jesus cresce para ajudar, mas segue precisando de apoio
Após passar por tratamento para leucemia em Barretos, menino da Restinga prepara-se para voltar pra casa
Na Vila Funil, sem futebol, time marca golaço de empatia e amor ao próximo

Por conta do isolamento, o pai do menino, o músico Caio Dias, 37 anos, precisou parar de trabalhar. Com isso, a renda da família — formada também pela dona de casa Oneida Teixeira Munhoz, 36 anos, mãe do pequeno artista — reduziu-se a um salário mínimo (R$ 1.045), fruto do benefício assistencial recebido por Daniel. Mas, graças à venda das canecas estampadas com os desenhos do menino, os pais têm conseguido dar conta de despesas como aluguel e fraldas utilizadas pelo filho, passando por esse período de uma forma melhor.

Orgulho

Com valores que variam de R$ 20 a R$ 30, os itens são vendidos por meio de uma página no Facebook, a "Arte do Dani". Além de fazer sucesso entre os clientes e ajudar no orçamento de casa, as xícaras personalizadas enchem de orgulho o casal e o próprio Daniel, que já consegue identificar seus desenhos estampados na louça. 

 ESTEIO, RS, BRASIL - Daniel Munhos Dias, 06 (autista), faz desenhos inspirados em coisas que ele gosta, desde programas na TV até comida que ele come. Seu pai Caio Dias (músico), e sua mãe Oneida Munhos incentivam o menino. O pai edita os desenhos no computador e faz a arte das canecas pra venda. Isso tem ajudado no orçamento da casa após a parada pela Pandemia, pois a única renda era do pai músico, que está parado. (Foto: Jefferson Botega/Agencia RBS)Indexador: Jeff Botega<!-- NICAID(14501257) -->
Talento para a arte enche família de orgulhoFoto: Jefferson Botega / Agencia RBS

— Sou um pai que também lida com arte, então, fico muito orgulhoso. Quando eu era pequeno, também gostava de desenhar, mas não desenho nem metade do que ele desenha — confessa Caio, e Oneida completa:

— Me orgulho em ver que ele tem um dom que nunca ninguém vai tirar dele. É muito esperto e sabe tudo o que está fazendo. Agora, já entende que os desenhos vão para as canecas e fica feliz.

Hiperfoco em desenhar e muito talento

— Se deixar, ele passa as 24 horas do dia desenhando: no caderno, no tablet, com giz em quadro negro, com palito na terra, em qualquer lugar. Por mais que um dia eu chegue em uma escola e me digam que ele não fez nada, que ficou só desenhando, eu vou saber que esse nada para ele é tudo. Sei que nem todo mundo vai saber valorizar isso, mas a gente valoriza muito — comenta a mãe, Oneida, explicando que o desenho é o hiperfoco do filho.

Característica comum em pessoas com Transtorno do Espectro Autista, o hiperfoco é uma forma intensa de concentração em uma mesma tarefa ou temática. No caso de Daniel, ele se manifesta através do gosto por desenhar. Com a memória fotográfica aguçada, tudo vira arte nas mãos do menino, que se inspira naquilo que vê em seu cotidiano, como personagens de programas de televisão, comidas e pessoas. 

daniel munhos dias , autista , desenho , tv , pandemia<!-- NICAID(14501376) -->
"Noção absurda para combinar cores": Desenho foi pintado pelo pai, com instruções de DanielFoto: Arquivo pessoal / Arquivo pessoal

Sem economizar no uso das cores, e misturando dinossauros coloridos com hambúrgueres, paisagens e objetos, cada desenho é único e expressa um pouco do mundo experienciado pelo pequeno — um mundo só dele.  

— O Daniel sempre mostrou facilidade para desenhar as coisas de que gostava e, quanto mais o tempo passa, mais complexos estão ficando os desenhos. Ele tem um estilo totalmente dele, um traço bem maluco, e uma noção absurda para combinar cores — conta Caio, relembrando o dia em que o filho fez um desenho (foto) e pediu para que ele colorisse, indicando qual cor deveria compor cada parte da ilustração. 

 ESTEIO, RS, BRASIL - Daniel Munhos Dias, 06 (autista), faz desenhos inspirados em coisas que ele gosta, desde programas na TV até comida que ele come. Seu pai Caio Dias (músico), e sua mãe Oneida Munhos incentivam o menino. O pai edita os desenhos no computador e faz a arte das canecas pra venda. Isso tem ajudado no orçamento da casa após a parada pela Pandemia, pois a única renda era do pai músico, que está parado. (Foto: Jefferson Botega/Agencia RBS)Indexador: Jeff Botega<!-- NICAID(14501261) -->
Hiperfoco de Daniel se manifesta através do gosto por desenharFoto: Jefferson Botega / Agencia RBS

Presente para os avós virou negócio

A iniciativa de transformar os desenhos de Daniel em canecas partiu do pai, em meados do ano passado. A ideia inicial, porém, era despretensiosa: os itens seriam um presente para os avós do menino, em comemoração ao Dia dos Avós. Com as canecas prontas, Caio compartilhou fotos em um grupo no Facebook que reúne pais de crianças autistas. O objetivo era apenas mostrar o presente dos vôs, mas a arte do Dani acabou viralizando.

— O povo enlouqueceu com as canecas dele. Todos queriam saber como fazer para comprar — relembra.

A partir da repercussão positiva, a família decidiu investir na confecção dos itens. Com um dinheiro guardado, compraram o equipamento e passaram a produzir, em casa, as xícaras personalizadas. Contudo, por conta do trabalho, não havia tempo aos pais para dedicarem-se completamente ao negócio. 

 ESTEIO, RS, BRASIL - Daniel Munhos Dias, 06 (autista), faz desenhos inspirados em coisas que ele gosta, desde programas na TV até comida que ele come. Seu pai Caio Dias (músico), e sua mãe Oneida Munhos incentivam o menino. O pai edita os desenhos no computador e faz a arte das canecas pra venda. Isso tem ajudado no orçamento da casa após a parada pela Pandemia, pois a única renda era do pai músico, que está parado. (Foto: Jefferson Botega/Agencia RBS)Indexador: Jeff Botega<!-- NICAID(14501256) -->
Preço dos itens variam entre R$20 e R$30Foto: Jefferson Botega / Agencia RBS

Foi, justamente, no contexto da pandemia — com as atividades profissionais paralisadas  — que a Arte do Dani deslanchou. Agora, além das canecas, também começaram a ser produzidos itens variados como chinelos, chaveiros, quebra-cabeças e relógios.

— Na primeira caneca que fizemos, quando ele viu que era o desenho dele, abriu um sorriso de orelha a orelha. Desde então, ele começou a desenhar cada vez mais. Quando termina um desenho, me chama para mostrar e diz "olha papai, caneca" — conta Caio, ponderando que o objetivo é continuar deixando o filho confortável para fazer o que sentir vontade: 

— Para o futuro, não queremos criar muita expectativa ou forçar ele a fazer algo que, quando crescer, talvez ele não goste mais. Mas, na minha opinião, se ele resolver estudar alguma coisa quando for grande, vai ser relacionado a isso. 

Família ainda precisa lutar por inclusão

Desde a descoberta do autismo de Daniel, as vidas de Oneida e Caio foram transformadas. A mudança, porém, pouco teve a ver com a descoberta da condição do filho — que continuou sendo o mesmo menino tranquilo e afetuoso de sempre. O diagnóstico trouxe para Daniel, além da descoberta de seu quadro clínico, o rótulo de criança autista — e a família precisou aprender a lidar, também, com o preconceito e com a ausência de inclusão. 

 ESTEIO, RS, BRASIL - Daniel Munhos Dias, 06 (autista), faz desenhos inspirados em coisas que ele gosta, desde programas na TV até comida que ele come. Seu pai Caio Dias (músico), e sua mãe Oneida Munhos incentivam o menino. O pai edita os desenhos no computador e faz a arte das canecas pra venda. Isso tem ajudado no orçamento da casa após a parada pela Pandemia, pois a única renda era do pai músico, que está parado. (Foto: Jefferson Botega/Agencia RBS)Indexador: Jeff Botega<!-- NICAID(14501263) -->
"Precisamos que as leis saiam do papel", dia a mãeFoto: Jefferson Botega / Agencia RBS

— Estou sempre nessa batalha para que entendam que ele é um ser humano e uma criança normal. Acho que quanto mais a gente divulga e mostra o autismo, as pessoas vão quebrando essa casca — afirma Oneida, que criou uma página no Facebook, chamada "Daniel aqui mora um autista", para compartilhar o dia a dia do filho, hoje matriculado no 1º ano de uma escola pública de educação regular (aquela que não é exclusiva para crianças especiais).

Segundo a mãe, foi também em ambientes escolares que as primeiras dificuldades surgiram. Seja por meio do trato com outras crianças ou na relação com os próprios professores — muitas vezes despreparados para atenderem alunos com necessidades diferenciadas, como Daniel —, Oneida relata ter percebido, na escola, que a luta por inclusão está longe de ter um fim. 

— O autismo não tem cara, mas a gente procura sempre mostrar que ele é autista e que ele não morde, que o autismo não pega e que as pessoas podem ser amigas dele. Tenho certeza que ele vai muito longe, mas precisamos que as leis saiam do papel — relata a mãe, que bordou no uniforme escolar do filho a frase "Sou autista, tenha paciência comigo", a fim de visibilizar a condição de Daniel.

Como comprar as artes do Dani

/// As canecas com os desenhos de Daniel possuem valores entre R$ 20 e R$ 30, de acordo com o tipo de material. 

/// As compras podem ser feitas por meio da página no Facebook  ou pelo WhatsApp (51) 99511-1580. Os itens são enviados pelos Correios ou por meio de outras formas de entrega, a combinar. 

/// Para informações sobre os demais produtos confeccionados com as artes do Dani, e seus respectivos valores, entre em contato pelos mesmos canais de comunicação. 

Para conhecer o autismo

/// O Transtorno do Espectro Autista (TEA), popularmente conhecido como autismo, é um transtorno do neurodesenvolvimento cujas principais características se manifestam por meio da dificuldade para interação social, dificuldade com a linguagem e desenvolvimento de comportamentos repetitivos. 

/// Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), há cerca de 70 milhões de pessoas com diagnóstico de autismo em todo o mundo, sendo a incidência maior em indivíduos do sexo masculino.

/// No Brasil — onde estima-se que existam cerca de 2 milhões de pessoas com diagnóstico de autismo —, a Lei N° 12.764/2012 discorre sobre os direitos de quem possui o TEA. Entre eles, está o acesso à educação e ao mercado de trabalho.

Produção: Camila Bengo

Leia outras notícias da seção Seu Problema é Nosso   




 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros