Como a crise afeta os mercados da periferia da Capital - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Dificuldades e oportunidades08/06/2020 | 05h01Atualizada em 08/06/2020 | 05h01

Como a crise afeta os mercados da periferia da Capital

Estabelecimentos menores podem sentir variações de preços mais lentamente. Proprietários dizem que liberação do auxílio emergencial aumenta o movimento

Como a crise afeta os mercados da periferia da Capital Jefferson Botega/Agencia RBS
Comerciantes da Zona Sul percebem mais movimento quando auxílio é liberado Foto: Jefferson Botega / Agencia RBS

Mais gente em casa, menos dinheiro no bolso e, em alguns casos, a renda apenas do auxílio emergencial de R$ 600. A junção destes três itens atingiu em cheio quem vive em bairros de periferia. E para quem conseguiu, ou precisou, seguir trabalhando, o isolamento social gerado pelo coronavírus teve pontos negativos, em maioria, mas também algo de positivo. Um exemplo, entre estes setores afetados, é o dos pequenos mercados, açougues e padarias. São locais que têm notado aumento nas vendas. Porém, os comerciantes também precisam lidar com a alta nos preços dos produtos adquiridos junto aos fornecedores.

Leia outras notícias do Diário Gaúcho

Na semana passada, o Departamento Intersindical de Estudos Socioeconômicos (Dieese) divulgou os preços da cesta básica no Brasil em maio. Em Porto Alegre, o valor da cesta, que inclui 13 produtos, recuou 1,59% – de R$ 527 para R$ 518,63 –, comparando abril com maio, respectivamente. A redução é natural, levando em conta que, em abril, a cesta básica teve alta de 5,85%, ocasionada pela pandemia, mas também por entressafras de produtos e por consequência da estiagem no Rio Grande do Sul. No acumulado entre janeiro e maio, a cesta básica subiu 2,44% – levando em conta os últimos 12 meses, a elevação no preço já é de 4,54%.

Variação

Nas periferias, os comércios trabalham com um público que depende muito destes alimentos que têm seus preços pesquisados pelo Dieese, formando a cesta básica. Por serem menores, os locais tendem a comprar menos quantidade de produtos do que grandes redes. E isso interfere, também, nos valores. Conforme Daniela Sandi, economista do Dieese, a velocidade das variações de preço é mais lenta nos mercadinhos, se comparada com as grandes redes. E, com isso, as próprias alterações nos preços também tendem a ser menores nestes pontos.

– A estrutura do estabelecimento, o volume de vendas, tudo isso pode influenciar na velocidade e variação dos preços de cada produto. Os supermercados, por exemplo, tem dias específicos de promoção, o que faz vender em quantidades maiores – exemplifica.

Busca

Com 15 anos de atuação no bairro Cristal, na Zona Sul, o casal Thayrine Knoll e Evaldir Ramalho notou um aumento no consumo dos clientes com a pandemia. Porém, o que mais impressionou os comerciantes no início da crise foi o salto nas vendas através de aplicativos. O medo de sair de casa fez novos clientes aparecerem, comprando itens menos comuns.

Leia também
Aumenta número de bairros com casos de coronavírus em Porto Alegre
Grupo de Gravataí distribui marmitas e auxilia diferentes comunidades carentes
Vacina contra coronavírus será testada em 2 mil brasileiros

– Notamos muitos pedidos de carnes mais caras. Vinhos também, coisas assim. Na Sexta-feira Santa, triplicamos a quantidade de peixe comprado e mesmo assim foi tudo. Eram cerca 50 pedidos por dia no aplicativo. Agora, está normalizando. Voltamos a atender mais presencialmente e a ter mais público aqui do bairro – conta Thayrine.

Esse “retorno à normalidade”, como se refere a comerciante, tem ligação com os produtos consumidos. As carnes caras, vinhos e peixes deram lugar aos itens básicos que a clientela da região, próxima da Vila Ursa Maior, pode comprar. E, conforme Thayrine, o fluxo de dinheiro é bem perceptível.

– Quando sai o auxílio, dá um salto no movimento. As pessoas compram mais carne, pois é o momento em que conseguem. Lá pela metade do mês, já vendemos itens mais baratos, como ossinhos de porco, frango e guisado – cita a administradora do Minimercado Irmãos Ramalho.

Para tentar manter preços adequados, os comerciantes pesquisam muito na hora de comprar. Para itens que tiveram grande alta, como o leite, que subiu 15,65% em abril, a negociação fica mais difícil. Neste mês, conforme o levantamento do Dieese, o leite baixou 4,71%. 

– Acabei comprando algumas caixas de leite em um supermercado, pois era mais barato do que com o fornecedor – diz Thayrine.

Dificuldades para seguir

No outro lado da cidade, na Zona Leste, Tiago Constante, 33 anos, tem a mesma sensação que os comerciantes na Zona Sul. Dono do Mercado Constante, no bairro Bom Jesus, ele diz que a parte mais movimentada do mês é quando ocorrem os pagamentos do auxílio emergencial. Tiago conta que não notou redução ou aumento específico no consumo de algum produto, mesmo os que apresentaram alta. Mas confirma que o movimento aumentou nos últimos meses.

– Apesar do acréscimo de movimento, não mudaram muito os tipos de vendas. As pessoas continuam adquirindo todos os alimentos que são básicos, como arroz, feijão etc – relata Tiago.

Dia a dia

Porém, nem todos os donos de pequenos mercados passam por dias tranquilos. Joel Cerutti, 28 anos, mantém um minimercado no bairro Partenon há quase 10 anos. Com a pandemia, o movimento caiu cerca de 30%. Segundo ele, os itens de hortifrúti têm sido os mais afetados pela alta de preços. Em maio, segundo a cesta básica do Dieese a maior alta registrada foi a da batata: 24,15%. 

– Está bem difícil trabalhar. No início, as pessoas estavam mais apavoradas e faziam pedidos maiores. Agora, está normal, são aquelas compras do dia a dia. Apesar de alguns produtos terem reduzido preço agora, comparado com o mês anterior, ainda estão caros. Teve uma alta grande em abril, então, a baixa de maio ainda não igualou com o que era no começo do ano – relaciona Joel.

Variação dos produtos da cesta básica em maio

Batata inglesa 24,15%

Farinha de trigo 3,28%

Feijão preto 3,15%

Café 2,42%

Pão francês 1,33%

Manteiga 1,23%

Carne 0,25%

Arroz -0,31%

Óleo de soja -1,00%

Açúcar refinado -1,57%

Leite -4,71%

Banana -4,77%

Tomate -20,06%


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros