Internações em UTI por coronavírus aumentam 38% em uma semana e batem recorde em Porto Alegre - Notícias

Versão mobile

 
 

Avanço da pandemia08/06/2020 | 22h29Atualizada em 08/06/2020 | 22h29

Internações em UTI por coronavírus aumentam 38% em uma semana e batem recorde em Porto Alegre

Quantidade de pacientes com diagnóstico confirmado chegou a 62 na tarde desta segunda-feira

O número de pacientes com diagnóstico confirmado para covid-19  em UTIs de Porto Alegre deu um salto de 38% em uma semana e chegou a 62 pessoas em alas de tratamento intensivo na tarde desta segunda-feira (8).  O Rio Grande do Sul como um todo também atingiu o maior patamar de internações.

Essa é a quantidade mais elevada de doentes em estado grave já observada na Capital, e bateu um recorde verificado justamente na véspera, quando havia 54 internados. Antes disso, o número mais alto havia sido registrado em 30 de maio, data em que os hospitais informaram estar atendendo 49 pessoas com coronavírus em UTIs.

Desde aquele dia até o final de semana passado, o cenário era de relativa estabilidade em Porto Alegre. Mas, a partir da manhã de  sexta-feira (5), os casos começaram a se multiplicar em velocidade inédita. Somados os 62 doentes com teste positivo e os 35 sob análise até as 14h30min desta segunda, esses 97 pacientes representavam 16% dos 601 leitos operacionais e 20,5% de todos os pacientes acamados nesses setores.

Leia mais
Aumenta número de bairros com coronavírus em Porto Alegre
Vacina contra coronavírus será testada em 2 mil brasileiros
Isolamento social cai em Porto Alegre, aponta levantamento da prefeitura

Em razão da disparada, que surpreendeu técnicos da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), o prefeito Nelson Marchezan fez uma transmissão ao vivo via rede social a partir das 15h30min para anunciar que novas flexibilizações no distanciamento social estão temporariamente suspensas na cidade como medida de segurança.

— Não é motivo de susto ou pânico, mas de cautela e de manter os cuidados com a saúde — declarou Marchezan.

Ficam valendo decretos que já estavam em vigor flexibilizando o funcionamento de setores como construção,  indústria e comércio. Novas liberações envolvendo a permissão de mais pessoas em templos religiosos,  a volta de esportes coletivos profissionais ou a retomada de cursos livres, que deveriam ser determinadas nesta semana, foram adiadas sem previsão de serem implementadas.

— Já esperávamos um aumento (na demanda hospitalar), mas nos preocupou a velocidade. Vamos realizar reuniões com o comitê de acompanhamento e combate ao coronavírus de forma excepcional, nesta terça, e na quarta-feira para seguir acompanhando a velocidade de ocupação dos leitos — declarou o prefeito.

Professor de epidemiologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e consultor do Hospital de Clínicas, Jair Ferreira afirma que é prudente evitar novas flexibilizações no momento, mas ficar a postos para agir de maneira mais incisiva nos próximos dias dependendo do cenário.

— Pode ter sido um pico de casos novos que ocorreu uma ou duas semanas atrás. É importante seguir acompanhando para ver o que vai ocorrer nos próximos dias. Se seguir aumentando, pode ser necessário retomar algumas restrições — avalia Ferreira.

O especialista lembra que a ocupação nas UTIs e a evolução do número de mortes são os indicadores mais seguros para medir a evolução da pandemia, já que o registro de casos pode variar conforme o nível de testagem.

A Capital registrava, até aquele momento, 1.672 casos de covid-19 e 44 óbitos.

Estado também registra recorde

O crescimento no universo de pacientes com covid-19 sob tratamento intensivo também resultou em um número recorde de internações em UTIs no Estado como um todo. Por volta das 15h, a quantidade de doentes chegou a 189 e atingiu um novo patamar no Rio Grande do Sul.

O avanço da pandemia na média estadual ainda é um pouco mais moderado em comparação aos últimos dias na Capital, mas também registrou aumento. A ocupação por pessoas com coronavírus havia aumentado 14% na sexta-feira (5) em comparação a uma semana antes, mas nesta segunda o ritmo de expansão alcançou 21% em relação a sete dias antes conforme os dados disponíveis no portal de monitoramento da pandemia desenvolvido pela Secretaria Estadual da Saúde.

O novo vírus respondia, na tarde de segunda, por 10% da utilização dos 1,9 mil leitos de UTI disponíveis em todas as regiões gaúchas.



 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros