Jovem de Porto Alegre faz vaquinha para voltar a andar - Notícias

Versão mobile

 
 

Seu Problema é Nosso21/07/2020 | 10h11Atualizada em 21/07/2020 | 10h11

Jovem de Porto Alegre faz vaquinha para voltar a andar

Para passar pelo procedimento de colocação de próteses no quadril, Victorya Bedin, 25 anos, precisa arrecadar R$ 80 mil

Jovem de Porto Alegre faz vaquinha para voltar a andar Arquivo Pessoal/Arquivo Pessoal
Victorya depende, hoje, de uma cadeira de rodas Foto: Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal

Para voltar a andar e ter uma vida sem dores, a jovem Victorya Bedin, 25 anos, deposita sua esperança na realização de uma cirurgia. Ela, que é moradora do bairro Teresópolis, na Capital, sofre de artrose severa bilateral no quadril – doença que provoca inflamação nas juntas e desgaste nas articulações. Após uma série de tratamentos sem sucesso, pois a dor causada pela artrose não cessa, mesmo com medicamentos, a última opção indicada por médicos é artroplastia total de quadril, isto é, a colocação de próteses. 

LEIA MAIS
Dupla de estudantes de escola pública de Gravataí produz filme sobre a depressão
No Sarandi, moradores temem novos alagamentos em função de transbordamento de canal
Estagiários da prefeitura de Gravataí têm contratos encerrados

– Em consequência da artrite, que trato, desenvolvi a artrose. E a cura é só por cirurgia. Por causa da doença, não consigo mais caminhar, pois as dores são intensas. Uso cadeira de rodas e, em pequenas distâncias, muletas – detalha a jovem, que teve sua rotina interrompida com a chegada da doença.

Segundo Victorya, no acompanhamento médico da rede pública de saúde, a colocação das próteses ofertadas pelo SUS não foi recomendada. De acordo com a jovem, elas têm vida útil de até 15 anos, ou seja, Victorya teria de passar pela cirurgia outras vezes ao longo da vida. 

Por meio de pesquisas e indicações de pessoas que passaram pelo mesmo problema, Victorya buscou a cirurgia na rede particular, com opção de próteses de cerâmica e durabilidade maior. Para arrecadar o valor da cirurgia e da recuperação, que somam R$ 80 mil, a jovem, com apoio da família e de amigos, organizou uma vaquinha online e outras ações, como rifas.

As dores começaram em 2017, quando a jovem sentiu os primeiros incômodos no joelho. Após, o mal estar se espalhou pelo corpo todo. Victorya passou por momentos em que não podia nem mastigar ou erguer um copo d’água. Ela já não conseguia mais trabalhar ou frequentar as aulas do curso de Direito. 

– Tinha uma vida ativa, gostava de sair, ir para o trabalho e estudar. Foi um susto, são dores horríveis. Minha mãe também precisou largar o trabalho para me cuidar, pois teve momentos em que eu não conseguia fazer nada – conta.

24 horas de dor

Depois de iniciar um tratamento com remédios, a jovem teve uma breve recuperação. No entanto, em 2018, as dores retornaram com força. Foi quando houve o diagnóstico da artrose bilateral.

– À época, fiquei internada por 21 dias no Hospital Conceição. Não conseguia nem apertar o botão para chamar as enfermeiras – relembra. 

Com o enfraquecimento dos músculos, Victorya já não conseguia mais se levantar. Ela iniciou sessões de fisioterapia, mas, mesmo com alguns avanços na mobilidade, as dores não pararam. 

– Até que, no final do ano passado, as dores foram aumentando, e os remédios não faziam mais efeito. Quanto mais tempo passa, mais dores sinto. Agora, não durmo direito, não consigo ficar mais de 30 minutos sentada ou muito tempo deitada, todas as posições são muito dolorosas. São 24 horas por dia de dor. Então, a luz no fim do túnel é a cirurgia – afirma. 

Do Direito para a Fisioterapia

Victorya tem a perspectiva de que o objetivo da vaquinha online, junto a outras ações, seja alcançado antes do fim do ano. Além da arrecadação, ela também busca a cirurgia por meio de uma liminar judicial, mas não há previsão de quando terá retorno do processo. 

– Já estou muito feliz só de ter essa esperança em alcançar a cirurgia. Mesmo com a possibilidade de sair a liminar, sigo com a vaquinha, pois, se não for por um meio, será por outro. Tenho amigos que me ajudam, estamos elaborando uma rifa para o Dia dos Pais e outros sorteios, como de maquiagens.  

Hoje, a ex-estudante de Direito faz novos planos para depois da cirurgia. Até mesmo de trocar de curso e seguir para Fisioterapia:

– Tive muito contato com a área nesse período. Gosto de ajudar as pessoas, convivo com muitos profissionais, converso muito sobre a carreira. Então, meus planos mudaram.

Como contribuir

/// Doe por meio da vaquinha online.

/// É possível doar por meio de depósitos ou transferências para a conta no banco Itaú, agência 0280, conta 63772-9/500.

Produção: Caroline Tidra

Leia outras notícias da seção Seu Problema é Nosso    


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros