Para continuar incentivando a leitura mesmo sem aulas, professora de Canoas conta histórias em vídeos - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Para a gurizada04/07/2020 | 05h00Atualizada em 04/07/2020 | 05h00

Para continuar incentivando a leitura mesmo sem aulas, professora de Canoas conta histórias em vídeos

Vestida como a Fada Antônia, Elisete costumava ler para grupos de crianças em biblioteca. Agora, segue com o trabalho, mas na frente da câmera

Para continuar incentivando a leitura mesmo sem aulas, professora de Canoas conta histórias em vídeos Prefeitura de Canoas/Divulgação
Elisete, ou melhor, Fada Antônia em ação Foto: Prefeitura de Canoas / Divulgação

A leitura é essencial na formação da criança. Ajuda no desenvolvimento e, claro, estimula a imaginação. Viajar pelas páginas de um livro é rodar o mundo sem sair da poltrona. Porém, muitas crianças não tem esse costume em casa, somente na escola. E, muitas vezes, até no ambiente de ensino, esse estímulo é deixado de lado. Em Canoas, porém, foi criado um projeto para que o incentivo a leitura siga forte, mesmo em tempos pandemia, quando os pequenos estão afastados do espaço físico das salas de aula.

Leia outras notícias do Diário Gaúcho

A iniciativa faz parte do projeto Cultura de Ponta a Ponta, da Secretaria Municipal da Cultura e Turismo (SMCT). Por meio do programa, periodicamente, os servidores produzem voluntariamente vídeos com programas culturais para que a comunidade acompanhe. 

E na ala da leitura, quem domina é a professora Elisete Aliatti, 56 anos, integrante da diretoria de Linguagens Culturais da SMCT. Há cerca de 10 anos, ela usa a representação como forma de transmitir histórias aos pequenos. Quase sempre, rodando por escolas do município sob a fantasia da Fada Antônia. A personagem também dos livros, inspirado na obra A Fada Que Colecionava Manhãs, de Marô Barbieri.

– Sempre foi uma personagem que amei muito. Transferi ela do livro para a vida real, usando como representação para contar as histórias – explica Elisete.

 A servidora municipal Elisete Aliatti de Canoas, vestida como a Fada Antônia, segue com projeto de contação de histórias na Biblioteca João Palma da Silva mesmo com a pandemia. Agora, as histórias são gravadas em vídeos.
Sem as crianças na biblioteca, professora diz que imagina as reações da sua "plateia" ao gravar os vídeosFoto: Prefeitura de Canoas / Divulgação

Inspiração

No período pré-pandemia, a servidora municipal costumava fazer a contação de histórias sempre rodeada de crianças na sede da Biblioteca Pública João Palma da Silva, em Canoas. Mas, com o impedimento de aglomerações, imposto pelas medidas de distanciamento social, a rotina não pode mais ser como antes. Por isso, a gravação de vídeos para o Cultura de Ponta a Ponta foi a saída encontrada.

Com anos passando por escolas de Canoas e ouvindo as crianças cantarem em coro as músicas nas apresentações, Elisete precisou se acostumar com o silêncio na frente da câmera. Sozinha, ela é quem precisa dar conta do show do começo ao fim. Por isso, diz usar a memória da empolgação do público para se inspirar e manter o ritmo alegre na hora de contar as histórias no vídeo, imaginando o público do outro lado.

Leia também
Como o Instituto Federal mudou as vidas de moradores da Restinga na última década
Para facilitar o acesso às aulas remotas, professoras vão em busca de equipamentos para estudantes
Funcionando em estrutura provisória desde 1990, escola de Canoas será reconstruída

– A leitura em si já emociona, mas trazer essas lembranças também ajuda a tornar o momento ainda mais especial – conta a Fada Antônia

Conforme o secretário da Cultura e do Turismo, Mauri Grando, além do convite à leitura, há vídeos para vários espectadores. Desde apresentar a história da cidade ou ainda fazer um tour por um dos museus do município, não faltam escolhas.

– O projeto preenche uma lacuna que é muito importante. Nesse momento difícil para todos, incluindo obviamente, a prefeitura, estamos fazendo isso com voluntários que já faziam esse trabalho, para que a gente entregue cultura para a população e sem custos para o município – explica Mauri.

Os vídeos produzidos são disponibilizados no canal da prefeitura de Canoas no YouTube e também no site do município.

Oportunidade positiva

Os vídeos com histórias já eram uma alternativa de entretenimento para a pequena Clara, de seis anos, filha da professora Ana Paula Silva. A Fada Antônia chegou até as duas por indicação, na tentativa de deixar o período de pandemia um pouco mais leve. 

– Ao mesmo tempo em que a gente sai um pouco deste mundo em que vivemos, a gente também aprende sobre ele, faz reflexões. E isso é bem importante para passar por essa pandemia – opina Ana. 

Ela ainda destaca a possibilidade de deixar a família mais unida e a filha mais próxima do ambiente escolar. 

Para professora do curso de Letras da Feevale Lovani Volmer, em tempos de pandemia, a leitura e a contação de histórias podem contribuir para estreitar os laços entre as pessoas que compartilham do momento, além de ser uma  alternativa que ajuda o leitor e ouvinte a imaginar outras possibilidades, a sonhar, a expandir seus horizontes, estimular a imaginação.

– A contação de histórias não tem idade e pode começar com as crianças desde cedo, ainda bebês. As histórias contribuem para a abertura do campo do imaginário, permitindo ao leitor decifrar sua própria experiência – aponta a especialista.

/// É possível assistir aos vídeos pelo YouTube da prefeitura de Canoas, neste link: youtube.com/secomcanoas.


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros