Família de Gravataí cria padaria móvel para manter a renda durante a crise - Notícias

Versão mobile

 
 

Receita de criatividade11/08/2020 | 05h00Atualizada em 11/08/2020 | 05h00

Família de Gravataí cria padaria móvel para manter a renda durante a crise

Jana, 37 anos, produz as delícias, que são entregues pelo marido, Ronaldo, 38

Família de Gravataí cria padaria móvel para manter a renda durante a crise André Ávila/Agencia RBS
Jana (de camiseta) e sua turma: delícias de porta em porta Foto: André Ávila / Agencia RBS

Foi da internet que veio a inspiração para o novo negócio de Janaína Lemes Basques, 37 anos, moradora da Vila Neiva, em Gravataí: uma padaria móvel. Jana, como é conhecida, é auxiliar de serviços gerais, mas não tem emprego formal há mais de um ano. 

Já há alguns anos, ela aumentava a renda produzindo e vendendo pães caseiros e outras delícias pelas redondezas da casa onde vive com o marido, o pedreiro Ronaldo Garcia Rodrigues, 38 anos, e os três filhos, Larissa, 18 anos, Melissa, 16, e Ronaldo Júnior, 13. Em 2020, decidiu expandir a produção e passar a fornecer salgados para eventos. Já tinha duas festas marcadas quando a pandemia fez com que o trabalho paralisasse.

Leia outras notícias do Diário Gaúcho

– Voltei a produzir os pães e algumas outras coisas. Há dois meses, o Ronaldo também ficou sem trabalho. Eu estou sempre na internet procurando receitas novas. Foi quando eu vi a ideia da padaria móvel. Falei pro meu marido: isso não existe aqui, podemos tentar – conta a empreendedora.

Foi aí que o carro da família, uma Parati, virou padaria. Também na internet, Jana procurou um locutor e encomendou uma espécie de jingle, que anuncia, junto a uma música animada: “Atenção, atenção, freguesia! Olha a novidade! É a padaria móvel passando aqui na sua rua. Tem produtos caseiros de qualidade para o seu café. Faça um sinal que paramos para você”. No interior do veículo, vão, além do tradicional pão caseiro, cucas, salgados variados, cueca virada e até pizza.

Nas primeiras semanas, Jana anunciava, pelas redes sociais, qual seria a rota do dia – geralmente, no entorno do bairro onde a família vive – e os clientes escolhiam as compras direto do carro. Com o passar do tempo e a clientela crescendo – e também para evitar que a produção sobrasse –, ela passou a aceitar encomendas pelo WhatsApp. Agora, quase tudo o que é produzido já tem destino certo antes mesmo de chegar ao veículo.

União

Na casa da Vila Neiva, todo mundo ajuda. Jana procura receitas, testa, ajusta o “cardápio” e é responsável pela produção. Ronaldo, além de motorista, é quem recebe os pagamentos. As duas meninas se revezam para ajudar nas entregas, assim, o pai não precisa lidar com dinheiro e com os alimentos ao mesmo tempo – tudo é feito com o máximo de proteção, sempre usando máscaras e aventais. E Ronaldo Júnior auxilia a mãe com a limpeza da cozinha, depois da produção.

Leia também
Tio do Lanche, em Esteio, doa cachorros-quentes para pessoas em situação de rua
Sem aulas, motoristas de vans escolares da Capital passam dificuldades e pedem isenção de tarifas
Iniciativas ajudam empreendedores a manter negócios vivos durante a crise

– É um trabalho em família. Os clientes gostam. Nunca tive reclamações. E estamos conseguindo pagar as contas com o trabalho. É muito gratificante ver algo que tu planejou dar certo – diz Jana.

Ronaldo também está animado:

– Pra nós, está sendo uma bênção. Com a pandemia, o serviço de pedreiro escasseou. Eu já ajudava a entregar os pães que a Jana produzia, quando era necessário. Mas, agora, estamos focados nisso.

 GRAVATAÍ, RS, BRASIL - 2020.08.05 - Janaína, desempregada, passou a fazer pães e bolos para vender durante a pandemia. Ela e o marido, Ronaldo, criaram a Padaria móvel da Jana, e já são conhecidos no bairro e nas redondezas. Na foto: Janaina Basques, Ronaldo Garcia Rodrigues,  Melissa Basques Rodrigues (avental rosa), Larissa Basques Rodrigues (avental preto) e Ronaldo Júnior (Foto: ANDRÉ ÁVILA/ Agência RBS)Indexador: Andre Avila
Jana e Ronaldo tocam o negócio, com o auxílio dos filhosFoto: André Ávila / Agencia RBS

Vendas também pela manhã

No começo, Jana produzia pela manhã e os pães saíam para as vendas no final da tarde. Desde a semana passada, a família ampliou a produção e, agora, também faz entregas pela manhã, o que exige que a responsável pelas delícias levante bem cedo:

– Agora, estou começando às 5h. Os produtos saem bem novinhos. A cueca virada, por exemplo, não pode faltar, é uma das preferidas dos clientes. Eu faço de tudo, mas em pouca quantidade, que é para não sobrar e ficar sempre fresquinho. Já o meu filho torce para que sobre, assim, ele também pode aproveitar (risos) – finaliza Jana.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros