Trocas solidárias mobilizam comunidade de Três Coroas - Notícias

Versão mobile

 
 

Seu Problema É Nosso25/09/2020 | 14h58Atualizada em 25/09/2020 | 15h00

Trocas solidárias mobilizam comunidade de Três Coroas

Alternativa tem ajudado a manter cheias as despensas dos munícipes, driblando a crise econômica decorrente da pandemia de covid-19

Trocas solidárias mobilizam comunidade de Três Coroas Arquivo pessoal/Arquivo pessoal
Foto: Arquivo pessoal / Arquivo pessoal

Para a comunidade do município de Três Coroas, no Vale do Paranhana, as trocas solidárias foram a solução encontrada para driblar a redução do poder de compra que afetou grande parte da população local – uma das consequências da crise econômica decorrente da pandemia de covid-19. Diante da diminuição da renda e da alta nos preços de alguns produtos, o ato de trocar ganhou nova importância – e tem ajudado a abastecer a despensa de muitas das residências da cidade.

LEIA MAIS
Morador de Alvorada protesta sobre trecho de rua sem asfalto
Escola arrecada computadores para doar aos alunos de baixa renda, em Nova Prata
Em Viamão, buraco causa transtornos fora e dentro de casa

O esquema é mediado por um grupo no Facebook. Ali, quem possui algum item sem uso ou presta algum serviço faz uma postagem, oferecendo o que dispõe para trocar, e estabelece o que deseja receber de volta. Segundo a criadora do grupo, a professora aposentada Daniela Boch Cardoso, 42 anos, cada membro tem autonomia para definir o “preço” do que publica, mas os itens da cesta básica constituem a principal moeda de troca do grupo.

– Cerca de 95% das trocas são feitas por alimentos, porque o pessoal aproveita para se desfazer daquilo que está parado e trocar pelo que está faltando na despensa de casa. Só o que não pode é vender, porque a essência é trocar e ajudar quem precisa, não ter lucro.

Criação

A ideia da criação do grupo surgiu quando Daniela, que, desde o início da pandemia, vinha ajudando com cestas básicas famílias que tiveram suas fontes de renda afetadas, viu-se sem ter mais de onde tirar recursos para continuar com a ação. A professora aposentada resolveu, então, desapegar de itens que não utilizava e, com a ajuda da filha, os anunciou na rede social, pedindo, em troca, os alimentos que faltavam para completar as cestas.

A iniciativa deu tão certo que originou o grupo que, hoje, conta com mais de 16 mil membros – entre eles, as famílias que, no início da pandemia, recebiam as doações.

– De março a setembro, diminuiu em cerca de 60% o número de pessoas que pegavam cestas básicas. Agora, elas próprias estão conseguindo os alimentos no grupo, por meio das trocas – afirma Daniela, que, diante do sucesso da mais nova modalidade econômica da cidade, sente-se orgulhosa:

– Não imaginava que fosse tomar essa proporção, o grupo foi crescendo muito rápido. É uma alegria poder ver as pessoas caminhando com suas próprias pernas, se sentindo bem e felizes por terem como conseguir seu alimento.

Intenção é espalhar trocas por outras cidades

Nestes dois meses desde a criação do grupo, Daniela, que pouco entendia das ferramentas da rede social, tornou-se quase uma especialista na administração da comunidade virtual. Prestes a alcançar 17 mil membros, algumas regras foram estabelecidas para que o grupo não perca sua essência e funcione de forma organizada.

A primeira delas é a proibição de postagens que não têm como objetivo efetuar alguma troca e o anúncio de produtos ilícitos. Além disso, a troca deve ser feita com a primeira pessoa que comentar a postagem, manifestando interesse, e as negociações devem ocorrer nos próprios comentários da publicação, de forma visível, para garantir o cumprimento de todas determinações.

De acordo com a idealizadora, o exemplo de Três Coroas já está se espalhando por outros municípios – e a intenção é que a ideia se expanda cada vez mais:

– Tudo que é bom é para se copiar. A gente só não deve copiar aquilo que é ruim. Minha intenção é que tenha grupos desse tipo em todos os lugares, porque não existe coisa melhor que saber que isso está dando certo em outra cidade. E, agora que eu aprendi a criar grupos (no Facebook), posso ajudar quem quiser. 

COMO PARTICIPAR

/// Para participar do grupo “Troca solidária em Três Coroas”, acesse bit.ly/30kGlRB. Qualquer pessoa pode fazer parte da comunidade virtual, desde que cumpra as regras pré-estabelecidas.

/// Se desejar replicar a ideia na rua região e necessitar ajuda, contate a idealizadora pelo Facebook, em bit.ly/3648gZE.

Produção: Camila Bengo

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros