Escolas municipais de Porto Alegre registram 77 casos de coronavírus desde fim de setembro - Notícias

Versão mobile

 
 

Educação básica23/10/2020 | 21h05Atualizada em 23/10/2020 | 21h05

Escolas municipais de Porto Alegre registram 77 casos de coronavírus desde fim de setembro

Prefeitura contabilizou 15 infecções na última semana, mas nenhuma em instituiçõesde Ensino Fundamental, que voltaram na segunda-feira passada

Escolas municipais de Porto Alegre registram 77 casos de coronavírus desde fim de setembro Félix Zucco/Agencia RBS
Dos 77 casos, cinco foram em crianças Foto: Félix Zucco / Agencia RBS

Desde que começaram a receber alunos em regime de plantão há cerca de um mês, escolas municipais de Porto Alegre confirmaram 77 casos de coronavírus, sendo cinco em crianças, segundo levantamento da Secretaria Municipal de Educação (Smed) obtido por GZH nesta sexta-feira (23). 

Na semana em que as aulas presenciais do Ensino Fundamental municipal voltaram (o que ocorreu na última segunda-feira), foram 15 casos registrados em escolas que estão funcionando normalmente e oito infecções em instituições que operam em regime de plantão (abertas apenas para receber materiais do governo e distribuir itens didáticos e comida aos alunos).

Contudo, a Smed afirma, por meio de sua assessoria de imprensa, que nenhuma infecção ocorrida na última semana foi registrada em qualquer escola do Fundamental – portanto, a prefeitura entende que, até o momento, a liberação não causou contaminações. 

Leia mais
Por falta de professores, alunos do 9° ano  não tiveram português e matemática em 2020
Dois dias após retomada, somente 7% das escolas estaduais receberam alunos
Como escolas estaduais e municipais se preparam para o retorno das aulas presenciais

Das 15 infecções dos últimos dias em escolas que abriram, 14 foram em escolas comunitárias (administradas por empresas com dinheiro público e cuja maioria atende a Educação Infantil) e uma contaminação em uma escola de Educação Infantil.

Professores, por outro lado, argumentam que os números são baixos porque a maioria das escolas ainda está fechada, muitos professores se mantêm em greve e a maioria dos pais não levou os filhos às aulas, o que reduz a circulação. 

O balanço do Sindicato dos Municipários de Porto Alegre (Simpa), porém, é outro. A entidade aponta que há 25 casos confirmados de coronavírus desde o início do regime de plantão e 20 suspeitos aguardando resultado. 

Servidores filiados à entidade estão em greve desde o início da semana, quando as aulas de escolas municipais do Ensino Fundamental de Porto Alegre retornaram.

A volta chegou a ser suspensa na Justiça, mas a prefeitura de Porto Alegre recorreu e as atividades presenciais estão mantidas. O Simpa recorreu a seguir para solicitar novamente a suspensão das aulas, mas a Justiça decidiu mais uma vez, na tarde desta sexta-feira (23), manter as aulas presenciais. 

O argumento do Simpa é de que o governo não oferece as condições de segurança para o retorno das atividades presenciais. A entidade afirma que 83 escolas municipais de Porto Alegre encaminharam documento à Smed relatando que não têm condições de voltar às aulas. 

A diretora do Simpa Márcia Loguercio argumenta que a estrutura das escolas municipais inviabiliza que as aulas presenciais sejam seguras. Ela cita limitações estruturais, como janelas basculantes emperradas, o que impede que o ambiente seja arejado. Na Escola Nossa Senhora do Carmo, na Restinga, ela diz que não há água há um mês. 

— Das 30 escolas que visitei para fazer verificação, nenhuma delas tem condição de arejamento natural. Em muitas escolas, ter isso significa quebrar parede e abrir janela. Se tivéssemos um COE (Comitê Operativo de Emergência) municipal que verificasse os planos de emergência em todas as escolas e visitasse todas as escolas para averiguar, mas não, isso está a nosso cargo. Não é possível que professores sejam responsáveis por avaliação técnica, não somos da saúde nem engenheiros. Temos 83 escolas sem condições de abrir com segurança — afirma Loguercio. 

A Smed afirma que qualquer caso confirmado em escola será testado, assim como todos os servidores e alunos que tiverem contato com o indivíduo. Também cita que na entrada das instituições todos devem passar por medição de temperatura e cada escola precisa ter um local para isolar indivíduos com sintomas.

Sobre a falta de água na Escola Nossa Senhora do Carmo, a prefeitura argumenta que a caixa d’água passou por reparos na sexta-feira passada (16). Na segunda (19), faltou água na escola novamente, na quarta-feira (21) a prefeitura realizou novos consertos e, nesta sexta-feira (23), mais uma vez houve desabastecimento. Segundo a Smed, ficou combinado com a direção da escola que o problema será observado até a próxima segunda-feira (26) e que, se faltar água novamente, a prefeitura voltará para fazer a manutenção. 

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros