Idosos passam a usar a tecnologia para continuar treinando boxe durante a pandemia - Notícias

Versão mobile

 
 

Distanciamento 14/10/2020 | 21h28Atualizada em 14/10/2020 | 21h28

Idosos passam a usar a tecnologia para continuar treinando boxe durante a pandemia

Na Capital e na Região Metropolitana, amigos e vizinhos buscam formas de manter o contato e criam rotina virtual

Idosos passam a usar a tecnologia para continuar treinando boxe durante a pandemia Lauro Alves/Agencia RBS
Carlos Alberto de Almeida, 67 anos, integra o grupo Boxe Terceira Idade Amigos para Sempre desde 2014 Foto: Lauro Alves / Agencia RBS

Manter mente e corpo ativos, mesmo em casa. O distanciamento social, imposto nos últimos sete meses, exigiu adaptações de um grupo em particular: os idosos, que no contexto vivido utilizam a tecnologia a fim de manterem laços com familiares, instituir novas rotinas e conservar amizades. Conviver de maneira não presencial é um desafio extra, por exemplo, para o instrutor de boxe Carlos Alberto de Almeida, 67 anos, que esbanja energia no saco de pancadas pendurado na cozinha de sua residência. 

— Se ficar parado, a gente enferruja — define o construtor civil aposentado. 

Leia outras notícias do Diário Gaúcho

Morador de Esteio, na Região Metropolitana, ele integra o grupo Boxe Terceira Idade Amigos para Sempre desde 2014. Como regra fundamental, a associação aceita apenas filiados que ultrapassaram os 60 anos de idade, faixa etária mais demandada nos cuidados da covid-19. 

Com a proibição de eventos mantida para os idosos, ringues precisaram ser adaptados nos espaços particulares, em lutas individuais para combater o sedentarismo. Vídeos com os desportistas treinando sozinhos e palavras de incentivo são compartilhados entre os integrantes. Há, ainda, gravações com dicas de cuidados com a alimentação, uma parceria selada junto a estudantes de Nutrição do Vale do Sinos. 

— A aposentadoria é a liberdade para passear, dançar, se divertir. Não para ficar jogado no sofá. Hoje não temos nenhum encontro presencial, é tudo por WhatsApp ou Facebook. E vou te dizer, esse grupo é a minha vida — afirma o atleta, certificado pela Federação Gaúcha de Boxe desde o ano passado, feito emoldurado e exposto na parede da sala.

Leia também
Motorista de aplicativo presenteia passageiros com livros da biblioteca herdada do pai
Zelador do Parcão: quem é o homem que há quase 40 anos cuida de um dos principais parques de Porto Alegre
Aos 70 anos, morador de Viamão participa de competições de videogame

Atualmente, cerca de 40 dos 60 membros seguem realizando as atividades, em casa. A mais experiente tem 82 anos, e um dos mais jovens é Gilberto Carolino, 63. 

— Com a pandemia, os encontros pararam, não pude nem mais jogar futebol, que é outra coisa de que eu gosto. Tenho uma turma que joga junta desde 1980 — diz o trabalhador do ramo de instalação e manutenção de gesso residencial. 

Na manhã desta quarta-feira (14), os amigos tiveram um encontro. Usando máscara e luvas, ensaiaram uma troca de diretos e cruzados, com a distância recomendada para não sofrerem um golpe mais grave. 

A esposa de Carlos Alberto, Giseli Almeida, 55 anos, acompanha os treinos. E admite: 

— O exercício melhora nossa energia. Mas eu prefiro treinar com o Gilberto — afirma, sorrindo, criando uma saudável intriga entre o marido e o amigo. 

Contatos para manter o equilíbrio

Para a psicóloga Eliana Bortolon, o contato mantido pela internet ajuda a manter o equilíbrio psicossocial, fundamental para a estrutura das relações humanas. 

— Como proteção à vida, deixamos os idosos isolados fisicamente. Saber usar a tecnologia então se torna fundamental para manter a mente ativa e o afeto com aqueles de quem se gosta — avalia.  


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros