Faltam fraldas e remédio na Farmácia Muncipal de Gravataí - Notícias

Versão mobile

 
 

Seu Problema é Nosso03/11/2020 | 12h57Atualizada em 03/11/2020 | 12h58

Faltam fraldas e remédio na Farmácia Muncipal de Gravataí

O estoque vazio está atrapalhando a vida de Victor, 13 anos, que possui Amiotrofia tipo 1


Mais uma vez a autônoma Patrícia Da Silva Ribeiro, 43 anos, se vê em uma situação complicada: há mais blde quatro meses não está conseguindo retirar os medicamentos e as fraldas do filho, Victor Alex da Silva Ribeiro, 13 anos, que possui amiotrofia tipo 1. ´Ela costumava retirar na Farmácia Municipal de Gravataí, onde mora.
Victor possui Amiotrofia tipo 1Foto: arquivo pessoal / arquivo pessoal

Mais uma vez a autônoma Patrícia da Silva Ribeiro, 43 anos, trava uma batalha com a prefeitura de Gravataí: há mais de quatro meses não está conseguindo retirar o medicamento Amitriptilina e as fraldas do filho, Victor Alex da Silva Ribeiro, 13 anos, que possui atrofia muscular espinhal ( AME) tipo 1. 

 LEIA MAIS
Projeto busca apoio para garantir alimento a animais de rua
Resolvido: sem lixo acumulado, sem incomodação
Com distrofia muscular, caxiense cria vaquinha online para reparar cadeira de rodas 

Na edição do dia 27 de setembro de 2019, ela passou pela mesma situação. Porém, desta vez, de acordo com Patrícia, o motivo pela falta dos materiais foi diferente: 

– Quando fui pegar o remédio, a atendente me falou que o laboratório que fornecia estava sem matériaprima para a produção. Fui em um estabelecimento privado, o medicamento estava lá para ser comprado. Ou seja: tem material para fazer e vender, mas não tem para enviar à prefeitura de Gravataí? – indaga Patrícia. 

Sobre as fraldas, a autônoma foi informada que o fornecedor não estaria cumprindo os prazos de entrega:

– Liguei para a Secretaria Municipal de Saúde para saber quando eu receberia as fraldas, e a funcionária que me atendeu disse para fazer uma reclamação. Ela não sabia se iria funcionar, mas disse que eu poderia tentar. Achei um absurdo! 

Além de Victor, a autônoma tem outra filha de dois anos. A renda da família é formada pelo benefício que Victor recebe, com o complemento dos “ bicos” de Patrícia, que é cabeleireira, vende cosméticos e roupas em casa. 

Doações 

Porém, há pouco tempo, ela quebrou um joelho após um acidente doméstico e, agora, não pode mais realizar os trabalhos para conseguir renda extra. 

– Se antes eu já não tinha condições de comprar as coisas para o Victor, imagina agora. O remédio é essencial para ele dormir. A sorte é que estou conseguindo doações, mas elas estão acabando. Não sei o que fazer depois disso. Não posso passar o resto da vida vivendo de doação, mas é o que posso fazer agora. 

Situação será normalizada nos próximos dias, diz prefeitura

Questionada, a prefeitura de Gravataí informou que a compra das fraldas é efetuada por meio de processo licitatório. De acordo com o município, os insumos para a confecção do produto sofreram um grande aumento de preço, o que acarretou no desinteresse das indústrias em participar das licitações. Com isso, o processo para escolher uma empresa responsável por esse tipo de material, por meio de edital lançado no início do ano, foi concluído há poucos dias. 

Sobre a Amitriptilina, a gestão apenas explicou que o fornecedor teve problemas na produção do medicamento. A prefeitura garantiu que já foram feitas as ordens de compra dos produtos. Agora, aguarda pelo prazo de entrega, que se encerra nos próximos dias. 

Produção: Thayná Souza

Leia outras notícias da seção Seu Problema é Nosso  


 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros