Para não pegar ou transmitir o vírus, Anjo da Esquina Democrática está há um ano sem atuar - Notícias

Versão mobile

 
 

Responsabilidade22/03/2021 | 21h23Atualizada em 22/03/2021 | 21h23

Para não pegar ou transmitir o vírus, Anjo da Esquina Democrática está há um ano sem atuar

Argentino recebia muitos abraços vestido como o personagem nas ruas de Porto Alegre; sem renda, passa por dificuldade financeira

Para não pegar ou transmitir o vírus, Anjo da Esquina Democrática está há um ano sem atuar Mateus Bruxel / Agencia RBS/Agencia RBS
Abraham Ponce começou atividade há 23 anos Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS / Agencia RBS

O argentino Abraham Ponce voltou a um dos cruzamentos mais conhecidos do Centro Histórico de Porto Alegre nesta segunda-feira (22): a Esquina Democrática, encontro da Avenida Borges de Medeiros com a Rua dos Andradas. O artista de 48 anos deixou em casa a peruca, as vestes brancas e a maquiagem.

– Se eu me vestir de anjo as pessoas me abraçam, e eu não posso fazer isso. Minha responsabilidade com o público é não pegar ou transmitir o vírus - define, com mágoa na voz devido à incapacidade de distribuir carinho.

Desde o início da pandemia de coronavírus, o Anjo da Esquina Democrática decidiu se afastar das ruas. Além do risco à própria saúde, argumenta que o toque, a entrega de flores e até mesmo o dinheiro entregue pela plateia são temerários neste momento.

Leia outras notícias do Diário Gaúcho

Ponce costumava subir em uma banqueta alta, permanecendo imóvel até que alguém depositasse alguma contribuição. Quando admirado, devolvia a saudação e distribuía o que diz ser seu ato principal: carinho. A atividade iniciada há 23 anos havia deixado a Capital somente durante os meses de verão. Nos últimos 12 meses, sequer a praia teve sua benção.

Sem renda, Ponce acumulou dívidas. A conta de telefone foi paga a partir de doações. O sustento da casa, bancado pelo companheiro, professor da rede estadual.

– Está muito difícil. A gente paga aluguel, a luz e o salário já acaba. Mas eu prefiro comer arroz e ovo do que arriscar a vida dos outros - afirma.

Logo nos primeiros minutos de conversa com a reportagem de GZH, às 7h, ele demonstrou alegria ao cumprimentar à distância uma dezena de pessoas:

– Oi, tudo bem? – gritou para a vendedora de pão de queijo.

– Como está seu filho? – perguntou para um lojista.

Leia também
Projeto oferece bolsas para formar comissários de voo negros em Porto Alegre
Em um ano, bandejões da Capital serviram 187 mil marmitas

Mas não segurou o choro ao se dizer sem notícias de parte dos amigos.

– Muitos eram idosos, e eu soube que morreram. Alguns, não vi mais, nem quando eu passo rápido por aqui. Sinto falta das crianças também, porque elas dão muito carinho - complementa.

Na semana em que Porto Alegre comemora 249 anos, o gaúcho de coração oferece um presente: simbolicamente, entrega a tiara de flores aos profissionais de saúde do município, homenagem estendida a professores e cientistas, diz. Como desejo, pede que a vacina chegue logo para toda a população.

Enquanto era entrevistado ao vivo na Rádio Gaúcha, viu uma pequena plateia se formar ao redor, ouvintes escorados nas paredes do comércio de rua.

– Essa criatura é indescritível - diz Darci Davila, 72 anos.

Leia também
Centro de artes e lazer na Lomba do Pinheiro tem conclusão prevista para junho
Vacina vence medo e desconfiança em comunidades de Porto Alegre

Morador do Centro desde os anos 2000, o aposentado aponta para a janela de um apartamento no mesmo quarteirão que o argentino adotou como palco. A amizade entre ambos reservava conversas diárias, e hoje a saudade é mútua.

Alternativas para que seguisse nas ruas foram estudadas: um acrílico de proteção foi o mais sugerido, porém, rechaçado de imediato.

– Eu gosto de trocar carinho. As crianças me cercam, me abraçam, e eu não consigo ver e não abraçar. Sou uma pessoa que gosta de troca de carinho - reafirma.

O Pix do companheiro, Marcos Santos Dorneles, está sendo divulgado entre admiradores. Uma forma de ajudá-los a manter os custos enquanto Ponce não pode voltar à Esquina Democrática. O número é o celular: 51 999587573.



 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros