Paciente com esclerose múltipla está sem tratamento há três meses, em Canoas - Notícias

Versão mobile

 
 

Seu Problema é Nosso02/04/2021 | 07h01Atualizada em 06/04/2021 | 15h09

Paciente com esclerose múltipla está sem tratamento há três meses, em Canoas

Desde janeiro, o intérprete de libras está sem o remédio que trata os sintomas da doença

Paciente com esclerose múltipla está sem tratamento há três meses, em Canoas AP/
Cada caixa com 28 cápsulas custa cerca de R$ 5 mil. Porém, desde janeiro, ele não o recebe Foto: AP

Há três meses, o intérprete de libras Ricardo Faria, 33 anos, não recebe o remédio para tratamento de esclerose múltipla junto à Farmácia do Estado, em Canoas, onde mora. 

Em outubro de 2016, Ricardo foi diagnosticado com a doença autoimune, que ataca o sistema nervoso. Desde então, passou por inúmeras sessões de fisioterapia. 

– Perdi o movimento do rosto, e minha visão ficou dupla. Precisei ficar internado por 15 dias na Santa Casa de Porto Alegre, e foi aí que recebi o diagnóstico – relembra. 

Ele depende do remédio fingolimode 0,5mg para amenizar os sintomas da doença, conforme orientação médica. 

Leia Mais:
ONG produz filmes com crianças de projeto social do Morro da Cruz
Grupos da Região Metropolitana promovem ações solidárias de Páscoa
Projeto do governo estadual vai dar suporte para mulheres empreendedoras

Mensalmente, Ricardo retira três caixas do remédio, disponibilizado pela Secretaria Estadual de Saúde (SES) e distribuído aos municípios. Cada caixa com 28 cápsulas custa cerca de R$ 5 mil. Porém, desde janeiro, ele não o recebe. 

– A única resposta que consigo é de que não chegou o remédio, ou de que era para vir na próxima compra e estava em falta – conta. 

Sem o fármaco, Ricardo corre risco de entrar em novas crises e ser hospitalizado. Ele reforça que, sem o tratamento contínuo, pode vir a ter uma lesão na face, nos olhos ou no cérebro: 

– Me coloco em risco sem esse remédio. Fico vulnerável. 

Prazo 

Hoje, Ricardo é presidente da Associação Gaúcha de Esclerose Múltipla ( Agem). 

Através de membros de outros municípios do Estado, ele soube que a medicação está em falta desde o início do ano. A primeira notificação que a Agem recebeu foi em janeiro, na Capital, sendo que o principal motivo, diz Ricardo, foi a troca de laboratório para a fabricação da droga. 

Segundo a associação, no final de fevereiro, a nova empresa fabricante emitiu um comunicado sobre a assinatura de um contrato, junto ao Ministério da Saúde, para o fornecimento do primeiro lote da medicação após a troca de laboratório. O documento afirma, ainda, que o processo de distribuição às secretarias estaduais do país começou em 22 de fevereiro. 

A Secretaria Estadual de Saúde, hoje, dispõe de mais seis medicamentos para o tratamento da esclerose múltipla. Porém, mesmo com o laboratório assegurando o envio do produto ao governo federal, um mês após, a fingolimode seguiu em falta em cidades como Cruz Alta, Passo Fundo, Porto Alegre, Rio Grande e Santa Maria, de acordo com a Agem. 

Em 18 de março, porém, a entidade recebeu a informação, por um paciente, de que o medicamento já estava disponível em Novo Hamburgo. 

SES nega falta do remédio 

A SES informou que, no “relatório dos atendimentos de março, em Canoas, consta a entrega de fingolimode dia 29 de março”. Questionada sobre a falta de medicamentos nos demais municípios, a pasta informou que, “conforme verificado na Assistência Farmacêutica do Estado, o estoque deste medicamento está regular, não constando falta”. 

Avisado pela reportagem sobre o fornecimento do fingolimode, Ricardo verificou a disponibilidade em 31 de março. Porém, confirmou que não há medicamentos no estoque não só em Canoas, como também em mais cinco cidades. Ele diz que a farmácia informou-o que o medicamento está em falta e sem estoque

A Secretaria de Saúde de Canoas explicou que, por se tratar de uma substância que não consta na lista de medicamentos fornecidos pelo município, o recebimento do produto fica sob responsabilidade da farmácia do Estado e a prefeitura não tem informação sobre o estoque disponível. 

Em nota, a empresa Novartis, uma das fabricantes do fingolimode, afirma que, em dezembro de 2020, o Ministério da Saúde concluiu a compra da medicação “via pregão eletrônico com outra empresa, para fornecimento pelo Sistema Único de Saúde”, responsável pela distribuição “do medicamento para que os pacientes possam manter o tratamento da Esclerose Múltipla”. O laboratório explica que “está com o estoque (do medicamento) regularizado e disponível para atender quaisquer demandas de compra do Ministério da Saúde por meio de aquisição emergencial ou compras descentralizadas via Secretarias Estaduais”.

Produção: Vitória Fagundes

Leia mais notícias na seção Seu Problema é Nosso


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros