Beneficiários do Cras Santa Rosa de Lima não conseguem retirar cestas básicas  - Notícias

Versão mobile

 
 

Seu Problema é Nosso10/05/2021 | 14h19Atualizada em 10/05/2021 | 14h19

Beneficiários do Cras Santa Rosa de Lima não conseguem retirar cestas básicas 

Desde maio, moradores da zona norte, em Porto Alegre, tentam solicitar cestas básicas à unidade e deparam com telefones ocupados

Maio é o segundo mês consecutivo em que usuários do Centro de Referência de Assistência Social (Cras) do bairro Santa Rosa de Lima, na zona norte de Porto Alegre, tentam solicitar cestas básicas à unidade e deparam com telefones ocupados. O local é de responsabilidade da Fundação de Assistência Social e Cidadania (Fasc), da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social de Porto Alegre.

Leia Mais
Com leite especial em falta no Estado, mães dependem de doações do alimento
Escola de São Lourenço do Sul finaliza construção de laboratório de ciências após campanha de arrecadação
Novos passos: após vaquinha  feita por família, Taylor realiza cirurgia

Segundo a auxiliar de higienização Renata D’ávila, 39 anos, as solicitações de cestas são feitas apenas por telefone, nas terças-feiras.

– Podemos ligar somente um dia na semana para fazer o agendamento da retirada da cesta. Porém, a partir das 8h, o telefone já está ocupado – conta. 

Para ter acesso ao benefício, as famílias devem ter Cadastro Único (CadÚnico) do governo federal – requisito também para programas sociais como o Bolsa Família ou Minha Casa, Minha Vida – e serem atendidas pelo serviço social da Fasc. Por mês, no Cras Santa Rosa de Lima, são entregues cerca de 500 cestas básicas a comunidades em extrema pobreza, indígenas e quilombolas, grupos em situação de desemprego e suspensão de trabalho formal, catadores de materiais recicláveis, comunidades atingidas por obras de infraestrutura e em situação de rua.

Emprestado 

O atendimento pelo telefone do Cras começa às 8h e vai até as 17h. A diarista Denise Carvalho, 49 anos, conta que os problemas começaram já em 2020. Segundo ela, a espera demora em torno de uma hora e, quando consegue entrar em contato para agendar suas cestas, a informação repassada é de que não há mais estoque de cestas disponíveis.

– É bem difícil para realizar uma ligação. Tem outras pessoas que tentam e não conseguem. A coisa está bem complicada. E outra, nem sempre tenho recarga para ligar. Às vezes tenho que pegar um telefone emprestado – lamenta.

 Renata, que tem três filhos, depende dos benefícios sociais e sofre pela falta da cesta básica. A última retirada que ela fez do kit foi no dia 17 de março. 

– A situação está muito complicada na pandemia. Tem pessoas que estão passando por muita necessidade e dependem do arroz e do feijão do Cras – lamenta.

FASC garante atendimento normalizado

A assessoria da Fasc informou que “o cenário de pandemia agravou a situação financeira e de insegurança alimentar da população” e que “as solicitações aumentaram significativamente''. Em 2019, foram entregues menos de mil cestas básicas. Desde março de 2020, a Fasc entregou mais de 140 mil cestas básicas”.

Segundo a coordenadora do Cras Santa Rosa de Lima, Priscila dos Santos, “o novo número de telefone, lançado em 2020, foi amplamente divulgado por meio de informativos, redes sociais e mensagens via WhatsApp em grupos da região. O expressivo número de ligações causa o congestionamento das linhas”. A coordenadora ressalta que “o atendimento está normalizado de acordo com a capacidade de atendimento do equipamento, tanto de estrutura física como de recursos humanos”.

Produção: Vitória Fagundes


 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros