Mulheres contam como encararam a gestação e o início da maternidade durante a pandemia - Notícias

Versão mobile

 
 

Dia das Mães08/05/2021 | 05h00Atualizada em 08/05/2021 | 05h00

Mulheres contam como encararam a gestação e o início da maternidade durante a pandemia

Alegria pela chegada dos filhos misturou-se com o medo da contaminação e a necessidade do distanciamento social

Mulheres contam como encararam a gestação e o início da maternidade durante a pandemia Ronaldo Bernardi / Agencia RBS/Agencia RBS
A chegada de Miguel, em junho, realizou um sonho antigo de Andressa Foto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS / Agencia RBS

Entre as inúmeras coisas que a chegada da pandemia de coronavírus atrapalhou, em março do ano passado, estava o plano de Andressa de Souza Foltz, hoje com 40 anos, de ser mãe. Na época, ela estava prestes a completar quatro anos na fila da adoção, ao lado do marido, o empresário Sherlon Foltz, 43 anos. Além disso, a quarta tentativa de fertilização, marcada para abril, teve de ser adiada.

– Nós estávamos desmotivados. Com as tentativas frustradas, o tempo de espera. Eu estava borocoxô. No final de março (de 2020), meu médico me disse para ligar pra ele novamente em maio, para ver se a situação tinha melhorado. Quando maio chegou, a pandemia estava forte em Sapucaia (onde o casal mora), e eu nem cheguei a ligar – conta a publicitária.

Na tarde do dia 5 de junho, uma sexta-feira – Andressa lembra com detalhes até em qual cômodo da casa ela e Sherlon estavam naquele momento, um no quarto e o outro na sala – o telefone dele tocou. Era uma assistente social. Antes de mais nada, perguntou se o casal estava mantendo o distanciamento social, necessário para evitar a contaminação pelo coronavírus. Diante da resposta positiva, a segunda pergunta foi: estariam dispostos a reforçar ainda mais os cuidados?

Leia outras notícias do Diário Gaúcho

– Ela nos contou que havia uma criança, internada em uma cidade próxima. Nos deu algumas informações, e perguntou se tínhamos alguma dúvida. Só consegui dizer: “É nosso?”. E ela respondeu: “Se vocês quiserem, sim” – relata a mãe.

Passada a emoção inicial, o casal teve que tomar algumas atitudes práticas. Além de enviar documentos solicitados pela assistente social, era preciso providenciar o básico para o bebê. A ficha de adoção de Andressa e Sherlon indicava que eles estavam dispostos a receber crianças de zero a seis anos. Logo, não tinham feito um enxoval com antecedência.

– Eu tinha apenas o quarto dele, com um guarda-roupas. Fora isso, nem sabia se precisaria de uma cama ou um berço. Fomos comprar algumas coisas, acionamos os padrinhos, minhas irmãs (Adriana, Andrea e Alessandra). Recebemos muita ajuda – diz.

Emoção

A ansiedade para conhecer o filho durou até a tarde de segunda-feira, quando o casal foi chamado ao hospital onde o bebê estava internado na UTI neonatal, por ter nascido prematuro e com baixo peso.

–  Foi muito emocionante. Estar ali, ver o meu filho, que eu esperava há tanto tempo – relata a mãe, emocionada.

Andressa passou aquela noite no hospital com o menino, batizado Isaac Miguel Foltz e, no dia seguinte, a família foi para a casa. De lá pra cá, a rotina, que já estava diferente por conta da pandemia, mudou ainda mais. Os encontros presenciais, mesmo com a família, ficaram ainda mais restritos. As necessidades – e a saúde – do pequeno passaram a ser prioridade. Mas nada que atrapalhe a realização da, agora oficialmente, mamãe.

Andressa de Souza Foltz, Sherlon Foltz Isaac e o bebê  Miguel Foltz. Dia das Mães<!-- NICAID(14777455) -->
Ensaio que registrou a espera do casal foi repetido, agora, com o pequeno nos braçosFoto: Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal

– O Miguel já vai fazer um ano, e gente ainda não acredita em tudo o que aconteceu. Ele é uma criança maravilhosa. Tranquilo, risonho. Desde que nos habilitamos para a adoção, todos os anos fazíamos um ensaio fotográfico registrando essa espera. Esse ano, repetimos o ensaio, agora com ele. Estamos muito felizes – conta.

Em família, mesmo a distância 

A mãe de Andressa já faleceu. Porém, ela tem três irmãs que, mesmo distantes fisicamente (uma vive em São Leopoldo, uma em Canoas e a terceira no Rio de Janeiro), são muito próximas. Adriana, Andrea e Alessandra não perdem nenhum momento da vida do sobrinho Miguel pelo grupo do WhatsApp.

– Minhas irmãs têm sido fundamentais. Às vezes, fico até brava, porque elas se metem (risos). Mas esse auxílio é muito importante, assim como o meu marido. A gente fala por vídeo toda hora – relata Andressa.

Os planos para depois que a pandemia acabar incluem levar o filho para passear e visitar amigos e familiares.

– Digo para o meu marido que minha vontade é “exibir” ele em todos os lugares! Sair na rua, ir a uma praça, um parque, fazer um piquenique...  A família do meu marido é enorme, mas só conhece o Miguel por vídeos e fotos. É complicado, mas temos que nos preservar.

Leia também
Magali Moraes e as mães imperfeitas
Cris Silva: "Meu dia ficou estranho"

No primeiro Dia das Mães da família Foltz. Andressa, Sherlon e Miguel vão celebrar com um churrasco em casa, e o parabéns será por chamada de vídeo com as irmãs. Nada que atrapalhe a emoção do momento, tão esperado:

– Vai ser meu primeiro Dia das Mães, né? Eu estou bem ansiosa. É uma coisa que eu sempre quis. Passei a semana emocionada com tudo. Eu já chorava com os comerciais desta data antes. Agora então... choro por qualquer coisa!

Depois dos sustos, a felicidade

Poucos dias antes do Dia das Mães de 2020, Janaína Thiesen de Souza, 36 anos, moradora do bairro Jardim Algarve, em Alvorada, descobriu que realizaria um sonho: ser mãe. A novidade, porém, trouxe sentimentos conflitantes. Junto com a enorme felicidade – ela e o marido, o técnico instalador Ezequiel, tentavam engravidar havia dois anos –, veio o medo, em função da pandemia de coronavírus. 

Afinal, se hoje nem todos os detalhes sobre o coronavírus são conhecidos pelos especialistas, naquela época, há um ano, se sabia menos ainda. Como seria sua rotina? E o pré-natal? Quanto tempo seria necessário ficar em casa para evitar a transmissão? Eram muitas dúvidas e quase nenhuma resposta.

– Minha filha (Betina, hoje com quatro meses) foi muito esperada. Mas, pelo momento que estávamos vivendo, tive medo. Ninguém sabia o que a covid-19 podia afetar nas gestantes, se fosse infectada – conta Janaína.

PORTO ALEGRE, RS, BRASIL,  06/05/2021-Especial Dia das Mães - maternidade na pandemia. Na foto: Janaína Thiesen de Souza, 36 anos, teve sua primeira filha, Betina, no dia 30 de dezembro.  Foto: Lauro Alves / Agencia RBS<!-- NICAID(14775920) -->
Janaína teve covid-19 durante a gestação, mas não teve sintomas gravesFoto: Lauro Alves / Agencia RBS

Para evitar a doença, a auxiliar de operações, que já estava trabalhando de casa, passou os meses seguintes “praticamente trancada”, como ela mesma define. Porém, mesmo com todos os cuidados, no início de dezembro, Janaína e Ezequiel testaram positivo para a covid-19. Os sintomas foram leves, parecidos com uma gripe – coriza, dor no corpo –, além da perda de olfato e paladar. Mas o receio de uma piora que interferisse na gestação fez com que os ponteiros do relógio se arrastassem:

– A gente via na televisão casos de gestantes que tiveram complicações, que precisaram antecipar o parto. Casos em que a mãe conhecia o filho 20 dias depois do nascimento, que não podia pegar o bebê por estar doente. Temi precisar antecipar o parto, ou não poder estar com a Betina.

Planos

Apesar do susto, o casal se recuperou bem. Betina nasceu no dia 30 de dezembro, alguns dias antes do programado inicialmente, pois Janaína teve pré-eclâmpsia (doença  específica da gravidez relacionada à pressão arterial elevada), mas muito saudável. 

Alguns momentos idealizados pelo casal durante o planejamento da família, como o chá revelação, o chá de fraldas e os passeios com a pequena tiveram que ser modificados ou adiados. Mas a alegria de ter a filha nos braços supera qualquer coisa.

PORTO ALEGRE, RS, BRASIL,  06/05/2021-Especial Dia das Mães - maternidade na pandemia. Na foto: Janaína Thiesen de Souza, 36 anos, teve sua primeira filha, Betina, no dia 30 de dezembro.  Foto: Lauro Alves / Agencia RBS<!-- NICAID(14775923) -->
Família cheia de planos para quando a pandemia passarFoto: Lauro Alves / Agencia RBS

– Raramente a gente sai de casa. Só para ir ao pediatra. Aqui no pátio, sentamos embaixo da árvore, para pegar um ar, e só. Seguimos tentando nos cuidar. Esse Dia das Mães vai ser emocionante, com a Betina com saúde, e por poder passar com a minha mãe (Maria) – finaliza Janaína.

Internação

Quem também vai passar o Dia das Mães com a filha nos braços pela primeira vez é Vitória dos Santos Paulo, 18 anos, moradora do bairro Fátima, em Canoas. A pequena Ivana nasceu na última segunda-feira, dia 3 de maio, no Hospital Universitário. 

No caso de Vitória, o desafio da gravidez durante a pandemia foi ainda maior. Ela e o marido, Édrio, não planejaram a gestação. Com sete meses, Vitória teve a chamada bolsa rota, quando a bolsa da gestante se rompe antes do trabalho de parto. Por isso, a jovem mãe ficou internada por mais de um mês. Em função da pandemia, não eram permitidos acompanhantes.

– Foi muito difícil. Não podia ter ninguém (da família) por perto, fiquei com os nervos à flor da pele. Conseguia falar com o meu marido pelo telefone, mas só às vezes, pois meu celular estragou. Me senti sozinha – conta.

Vitória dos Santos Paulo, 18 anos, com a filha Ivana. Vitória passou o último mês de gestação internada no Hospital Universitário de Canoas<!-- NICAID(14777447) -->
Depois de mais de um mês de internação, Vitória levou Ivana para casa na quinta-feiraFoto: Cristiane Conceição / HU / Divulgação

O conforto veio da certeza de que mãe e filha estavam sendo bem cuidadas. Até a alta, ocorrida na quinta-feira passada, a equipe do hospital ofereceu, além do tratamento, apoio psicológico e companhia para Vitória:

– As enfermeiras, médicas e a psicóloga me acolheram. Nossa, foram tipo uma segunda família.  Se não fosse pela pandemia, teria sido menos difícil, poderia ter alguém comigo. Mas fui muito bem tratada. Agora, é comemorar o Dia das Mães em casa.

Da insegurança à gratidão

– Eu só me perguntava: “E agora?”.

Esta foi a reação de Bruna Castro de Souza, 31 anos, moradora do bairro Mario Quintana, em Porto Alegre, em maio de 2020, ao descobrir que estava grávida pela segunda vez. Não é que ela não quisesse. Pelo contrário. Ela e o marido, o cobrador Alexsandro, que já eram pais de Rafaela, hoje com oito anos, desejavam o segundo filho havia dois anos. 

– Mas ainda não tinha acontecido (a gestação), e fomos deixando passar. A escola da Rafaela parou no dia 18 de março, quando passamos a ficar mais em casa. No dia 9 de maio, descobri que estava grávida – conta Bruna.

 Leia também
Com leite especial em falta no Estado, mães dependem de doações do alimento
Inscrições abertas para projeto de formação em costura de bonecas para mulheres de Alvorada 

Viver a gestação durante uma pandemia gerou todo o tipo de sentimento. Entre eles, o medo diante do desconhecido. 

– Foi uma gravidez cercada de insegurança. Eu não podia deixar de fazer o pré-natal, é claro, ia ao médico, fazia os exames, mas tinha muito cuidado. Nenhum de nós pegou covid-19, graças a Deus, mas nos cuidamos muito – relata a mãe.

Diferenças

A pequena Cecília nasceu em janeiro, no Hospital de Clínicas, na Capital. Antes do parto, Bruna precisou fazer um teste de covid-19. E as diferenças entre o nascimento da caçula e de Rafaela não param por aí.

Bruna Castro de Souza, 31 anos, com o marido, Alexsandro, e as filhas Rafaela (mais velha) e Cecília (bebê)<!-- NICAID(14777460) -->
A tão sonhada segunda gravidez de Bruna aconteceu durante a pandemiaFoto: Arquivo pessoal / Divulgação

– Na primeira gestação, a gente saiu do hospital e tinha uma festa na minha casa. Tinha um monte de gente me esperando. Agora, não. Cheguei e minha mãe estava esperando, mas nem toquei nela. Larguei o bebê e fui direto para o banho, trocar de roupa. Nesse início, só vi as pessoas que convivem todos os dias comigo, minha mãe, minha irmã e meu marido – diz Bruna.

Depois de algumas semanas, a família até recebeu visitas, mas todas usando máscara e como devido distanciamento:

– As pessoas conhecem minha filha pelo WhatsApp.

Apesar dos inúmeros desafios do período, a família segue saudável e Cecília está crescendo bem. Neste domingo, além da saúde das duas filhas, Bruna vai celebrar a chance de ter sua mãe, Izaura,  por perto.

– Essa data é importante pra mim, significa muito. Foi num Dia das Mães que a minha mais velha conseguiu caminhar. Ela é autista. Com três anos e meio, largou a minha mão e foi ao encontro da avó. Neste ano, a Cecília vai fazer quatro meses também no Dia das Mães. Ela é saudável, que é o mais importante, e tenho minha mãe e irmãs para celebrar – finaliza.

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros