Com adaptações, projeto social volta a oferecer atividades presenciais no bairro Bom Jesus - Notícias

Versão mobile

 
 

A bola voltou a rolar16/06/2021 | 05h00Atualizada em 16/06/2021 | 05h00

Com adaptações, projeto social volta a oferecer atividades presenciais no bairro Bom Jesus

Aulas de futsal, capoeira e vôlei estão mais curtas, com menos alunos e o uso da máscara é obrigatório

Com adaptações, projeto social volta a oferecer atividades presenciais no bairro Bom Jesus Félix Zucco / Agencia RBS/Agencia RBS
Gurizada estava com saudade dos encontros no centro esportivo Foto: Félix Zucco / Agencia RBS / Agencia RBS

As mudanças impostas para evitar a possível transmissão de coronavírus não desanimam as mais de cem crianças atendidas pela Associação Esportiva e Cultura Pró Esporte (Aespe), no bairro Bom Jesus, na Capital, no retorno às atividades presenciais. No final de maio, as aulas de capoeira, vôlei e futsal voltaram a ocorrer em grupos menores – no máximo 15 crianças –, com uso de máscara obrigatório e distanciamento entre os alunos. Além disso, as atividades passaram a ter apenas 45 minutos, para que haja tempo de limpar os equipamentos usados entre uma turma e outra. A vontade de participar do projeto, porém, continua a mesma – se é que não aumentou.

– Essa volta é tudo de bom, é coisa de Deus, mesmo – afirma Eduardo Maciel Correa, 14 anos, um dos alunos que retomou às aulas presenciais, e participa das ações desde 2019.

A associação começou em 2013, com o objetivo de oferecer atividades esportivas e culturais. Em 2018, iniciaram as atividades no Centro Esportivo e Cultural Bom Jesus, no bairro de mesmo nome. O espaço é cedido pela prefeitura da Capital para as aulas, que são gratuitas e recebem crianças e jovens dos seis aos 16 anos, e os recursos vêm de patrocinadores. Em 2019 e 2020, o projeto da associação foi contemplado em editais da Fundação Maurício Sirotsky Sobrinho.

Leia outras notícias do Diário Gaúcho

Desde março de 2020, as atividades vinham sendo realizadas de forma remota. Os jogos, é claro, não eram possíveis, mas os professores passavam conteúdo teórico relacionado aos esportes, além de exercícios físicos e desafios para os alunos.

– As atividades online tinham baixa adesão, quando comparado ao presencial. Muitas crianças não têm telefone próprio, dependem do celular dos pais. Ou, então, a internet não dura o mês inteiro, e a prioridade é para as atividades da escola. Sem falar que elas também estavam um pouco saturadas com as atividades remotas – explica Vinicius da Silva Alves, presidente da Aespe.

Recentemente, todas as crianças do projeto receberam um kit com calção, camisa, agasalho e mochila.

Sonhos

Antes da pandemia, Eduardo jogava bola nas atividades da associação e também em outra ONG, que oferece aulas de futebol de campo. Durante o período em que as atividades foram exclusivamente de forma remota, ele também passou a participar dos grupos de vôlei e de capoeira. Mas o futsal continua sendo o seu favorito:

– Eu sempre joguei bola. Por mim, jogaria todos os dias (risos)! Quanto mais, melhor, amo futebol. Ser jogador é um sonho desde pequeno. Hoje em dia, sei que já é difícil por causa da minha idade, mas ainda tenho esse sonho. Talvez, no futsal – conta.

Leia também
No Morro da Cruz, moradores se mobilizam para transformar lixão em praça
Polvos de crochê ajudam no tratamento de bebês prematuros em hospital de Porto Alegre
Organizações da Capital promovem campanhas de arrecadação de agasalhos e cobertores

Colega de Eduardo no projeto, Richard Andrades destaca a saudade que sentiu das aulas presenciais presenciais:

– As atividades remotas eram fáceis, mas sempre ficava aquela vontade de ir lá, conversar com os professores, fazer as aulas. Agora, tem todo um protocolo. A gente sempre usa máscara e bastante álcool gel. Tá legal voltar.

Segundo o presidente Vinícius, o protocolo para o retorno foi desenvolvido juntamente com a Secretaria de Esportes, Lazer e Juventude de Porto Alegre. Em cada encontro, as crianças são alertadas de que seguir as regras é um pré-requisito para que as atividades presenciais continuem:

– Eles sabem que, se não for assim, não poderíamos continuar. A adesão está sendo boa. Nas primeiras aulas, de 15 vagas, recebemos uma média de 10 crianças. 

Desenvolvimento integral

O objetivo da Aespe vai além de ensinar esportes. A metodologia do projeto, segundo Vinícius, consiste em trabalhar o desenvolvimento integral. 

PORTO ALEGRE, RS BRASIL - 09.06.2021 - Associação Esportiva E Cultural PRÓ ESPORTE, que oferece aulas de capoeira, futsal e vôlei para crianças do bairro Bom Jesus, em Porto Alegre, retomou as atividades presenciais. (Foto: Félix Zucco/Agencia RBS)<!-- NICAID(14804959) -->
Coletividade e cooperação são trabalhadas juntamente com o esporteFoto: Félix Zucco / Agencia RBS

– A gente se preocupa em fazer com que as crianças tenham um futuro adequado. Trabalhamos questões como o respeito às regras, a coletividade, a cooperação. E percebemos uma evolução deles – conta Vinicius, que segue:

– Tudo é feito com base em muita conversa. Em todo o início de aula, fazemos rodas de conversa e fechamos “acordos” com os alunos. O ambiente é de amizade e parceria.

A roda de conversa citada é justamente a parte preferida da aula para Lavínia Maciel, 10 anos, irmã de Eduardo, que também pratica as três modalidades esportivas oferecidas:

– Nas rodas a gente fica conversando sobre várias coisas. Sobre os cuidados pra não pegar covid, por exemplo. É o meu momento favorito.

Participe

/// O projeto ainda tem vagas disponíveis para crianças e jovens entre seis e 16 anos. As aulas ocorrem no bairro Bom Jesus, e todas as crianças devem ter frequência na escola.

/// Inscrições com o professor Daniel de Farias pelo telefone (51) 99631-1165. Informações pelo e-mail contato@valorizeprojetos.com.br

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros