Troque a Fome por Flor: projeto da Capital gera renda para pessoas em situação de rua - Notícias

Versão mobile

 
 

Porto Alegre30/06/2021 | 10h55Atualizada em 30/06/2021 | 10h55

Troque a Fome por Flor: projeto da Capital gera renda para pessoas em situação de rua

 A ação busca promover a humanização e a autonomia dos participantes

Troque a Fome por Flor: projeto da Capital gera renda para pessoas em situação de rua André Ávila / Agencia RBS/Agencia RBS
Criou-se uma rede de solidariedade ao redor do projeto Foto: André Ávila / Agencia RBS / Agencia RBS

Para a população em situação de rua, são permanentes os desafios na busca por formas de se manter. O sustento costuma vir da solidariedade de desconhecidos. E foi assim que o projeto Troque a Fome por Flor surgiu, como uma proposta para que moradores de rua gerem renda de forma mais humanizada e constante. 

Luís Carlos Corrêa, 33 anos, é natural de Dom Pedrito. Na procura por trabalho, já andou por diferentes cidades do país, principalmente as do território gaúcho. No início do ano, deixou a esposa e os quatro filhos em Osório, onde vivem, e foi a Tramandaí buscar trabalho no veraneio. Ficou algumas semanas por lá e, depois, encontrou um amigo com duas passagens para Porto Alegre. Avisou a família e decidiu pegar novamente a estrada.

LEIA MAIS
Falta de insulina em posto de saúde preocupa morador de Viamão
No Morro da Cruz, moradores se mobilizam para transformar lixão em praça
Em Canoas, treinador de futebol apoia meninos que sonham em entrar em campo profissionalmente

Na Capital, ficou 15 dias no Albergue Dias da Cruz, bairro Azenha. Passado esse período, precisou sair do local e, naturalmente, começou a conhecer a população em situação de rua. Foi quem deu a Luís dicas de como se virar em Porto Alegre. A venda de balas o manteve, mas ainda sem concretizar o objetivo que o levou para a cidade, enviar dinheiro para ajudar a esposa.  

As sinaleiras se tornaram a principal fonte de renda de Luís. E foi em uma delas, enquanto segurava uma placa com os dizeres “Estou com fome. Me ajude” que conheceu o estudante Lorenzo Dovera, 24 anos, do bairro Medianeira. Foi desse encontro entre os dois, em 8 de maio, que teve início o Projeto Troque a Fome por Flor.

“É gratificante ver a alegria no rosto”

A ocasião em que Luís e Lorenzo se conheceram não foi um acaso. O estudante é formando no curso de Administração Pública e Social pela UFRGS. Em seu Trabalho de Conclusão de Curso, falou sobre algumas políticas públicas da Capital voltadas aos moradores de rua, como os albergues e os Centros de Referência Especializados para População em Situação de Rua (Centros Pop).  

– Mas eu queria sair da teoria e ver na prática como tudo acontecia. Foi quando eu e minha mãe vimos as placas “Estou com fome”. Então, um dia antes do Dia das Mães, nós tivemos a ideia. Porquê não trocar essa placa por outra que dê mais dignidade?  – conta Lorenzo.  

A escolha das mudas foi para aproveitar a data comemorativa, quando é comum as pessoas presentearem suas mães com flores. E deu certo. Aos agora floristas que participam do projeto foram entregues plantas e outra placa, desta vez, com os dizeres: “Troque a Fome por Flor”.  

– Segue até agora. É gratificante ver a alegria no rosto das pessoas que estão ajudando. A flor é vida, e eu acredito que a minha vida começou de novo – complementa Luís, que enfatiza sua satisfação em ver o sorriso de quem recebe as flores.  

Trocas

A prioridade do projeto é atender pessoas em situação de rua que estão acessando algum tipo de política pública do município, como os Centros Pop ou os albergues. No momento, a ação está mais concentrada no Centro Pop do bairro Praia de Belas. É ali, próximo à Rótula das Cuias, que os participantes se encontram para começar a jornada diária. De terça a sexta-feira, Lorenzo leva para eles as mudas que compra na Ceasa.  

Para os que chegam pela primeira vez, são entregues três mudas. Se conseguirem vender, no dia seguinte lhes é dada uma caixa com mais oito. Essas primeiras plantas são distribuídas aos moradores de rua sem custo. Nas próximas, Lorenzo pede uma colaboração de R$ 0,50 para cada arranjo. É a forma que encontrou de conseguir um valor para dar continuidade ao projeto. Além da compra das mudas, eles utilizam materiais escolares para a montagem dos cachepots feitos de caixinhas de leite – o cachepot é um recipiente decorativo onde são colocados os vasos de plantas. 

Hoje, com a venda das flores, Luís já consegue enviar um pouco de dinheiro para sua família. E, ao falar sobre a nova ocupação, ele explica que, na verdade, nem entende o que faz como sendo uma comercialização: 

– É uma troca. Eles estão me ajudando e eu os ajudo, dando uma flor em troca de uma moeda ou alimento. Não é só o valor.

Acolher de verdade 

Com as plantas em mãos, os floristas se espalham pelas sinaleiras da região central da cidade. Themis Dovera, 61 anos, mãe de Lorenzo, apoiadora do projeto e professora do curso de Enfermagem da UFRGS, fala que a ideia é ir além da renda e reforçar também a autoestima: 

– Oportunidades, como o Lorenzo gosta de dizer, são o que falta. 

Em dois meses, criou-se uma rede de colaboração na ação. Na Ceasa, a cada sete caixas com oito mudas que Lorenzo compra, o local dá mais três caixas para o projeto. Outras pessoas doam caixas de leites higienizadas, materiais escolares e revistas usadas para fazer o acabamento dos cachepots. 

– Dentro dessa cadeia, temos uma professora aposentada que chegou a fazer 90 cachepots. Tem toda essa corrente. É um coletivo – finaliza Lorenzo.

Apoies

/// O projeto busca o patrocínio de floriculturas de Porto Alegre que queiram doar as mudas. Para fazer contato, acesse a páginas do Instagram e do Facebook @troqueafomeporflor ou ainda o WhatsApp (51) 98160-6528. 

/// Também é possível ajudar com materiais escolares ou doações financeiras. Para colaborar, envie qualquer valor para a chave PIX troqueafomeporflor@gmail.com.

Produção: Émerson Santos 


 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros