Edital do Carrefour para projetos antirracistas tem 186 inscritos no RS - Notícias

Versão mobile

 
 

Reparação social05/07/2021 | 16h23Atualizada em 05/07/2021 | 16h23

Edital do Carrefour para projetos antirracistas tem 186 inscritos no RS

Iniciativa do Carrefour é parte de acordo firmado depois do assassinato de um homem negro em uma unidade da rede em Porto Alegre

Edital do Carrefour para projetos antirracistas tem 186 inscritos no RS Jefferson Botega / Agencia RBS/Agencia RBS
Foto: Jefferson Botega / Agencia RBS / Agencia RBS

O primeiro ciclo de editais do Grupo Carrefour Brasil para apoiar projetos antirracistas teve 186 inscritos do Rio Grande do Sul. A chamada encerrou em 30 de junho, com 1.625 iniciativas submetidas para 40 organização que devem receber, juntas, cerca de R$ 2 milhões. Os recursos serão aplicados durante um ano, com possibilidade de extensão do projeto. 

Leia mais
Carrefour conclui acordo de indenização de viúva de João Alberto Freitas
Justiça nega pedido de soltura de ex-PM envolvido na morte de João Alberto no Carrefour
Para Leite, cor da pele interferiu no assassinato de João Alberto no Carrefour

O RS foi o quarto estado com mais causas antirracistas inscritas, atrás apenas de São Paulo (349), Rio de Janeiro (246) e Bahia (202). A lista com os contemplados deve ser divulgada em agosto.

A iniciativa é parte do Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) firmado em junho entre o Carrefour, autoridades públicas e entidades civis. O valor total do TAC é de R$ 115 milhões. O termo foi assinado após o assassinato de João Alberto Silveira Freitas, um homem negro de 40 anos, numa unidade do Carrefour do bairro Passo D'Areia, em Porto Alegre, em novembro do ano passado. O TAC foi fechado há cerca de um mês e prevê a aplicação das verbas ao longo de três anos em uma série de ações que serão divulgadas pela empresa.

A seleção passará, a partir de agora, por mais três fases. A eliminatória verificará a veracidade de todas as informações e documentos enviados na inscrição. Depois, na fase classificatória, serão analisados o impacto do projeto, a capacidade de gestão da entidade e o histórico de trabalho durante a pandemia — como forma de conhecer a atuação de cada organização na causa antirracista. 

— Por último, os projetos passarão por uma banca avaliadora, formada por especialistas negros convidados que trabalham com as causas defendidas nos três editais — Lúcio Vicente Silva, diretor de Sustentabilidade do Grupo Carrefour Brasil.

Ações

De acordo com o Grupo Carrefour Brasil, uma série de ações de combate ao racismo estrutural serão desenvolvidas dentro e fora da empresa — muitas já estão em andamento, aponta a empresa. Além dos editais, "internamente, a companhia fortaleceu as políticas voltadas à diversidade, intensificou treinamentos e iniciou o processo de internalização da equipe de segurança interna de suas lojas, que terão novo perfil de atendimento, mais acolhedor ao cliente", diz o Carrefour, em comunicado.

Todas as ações que são tomadas pela empresa em relação ao TAC contam com a chancela de um comitê externo independente. Os membros deste grupo são especialistas em diversidade e inclusão, além de líderes de movimentos negros que têm auxiliado a empresa na reparação junto aos movimentos antirracistas após o assassinato de João Alberto.

Saiba mais

/// Para saber mais sobre as iniciativas, é possível acessar o site Não Vamos Esquecer.

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros