No lugar de lixo e insegurança, moradoras de Alvorada criam horta comunitária - Notícias

Versão mobile

 
 

Seu Problema É Nosso01/07/2021 | 15h12Atualizada em 01/07/2021 | 15h27

No lugar de lixo e insegurança, moradoras de Alvorada criam horta comunitária

O cultivo é feito onde termina a Rua Francisco Trein e começa uma mata fechada

No lugar de lixo e insegurança, moradoras de Alvorada criam horta comunitária Ronaldo Bernardi / Agencia RBS/Agencia RBS
Moradoras alegam que horta também tem ajudado na saúde mental durante a pandemia Foto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS / Agencia RBS

Uma horta comunitária mudou a rotina e trouxe bem-estar para moradoras do Jardim Aparecida, em Alvorada. O cultivo é feito onde termina a Rua Francisco Trein e começa uma mata fechada. A horta urbana, batizada de Árvore do Amor, resolveu duas questões que incomodavam as vizinhas: o descarte irregular de lixo e a insegurança gerada pela passagem que havia entre a rua e a mata.

– Nós não aguentávamos mais. Foi aí que surgiu a ideia de fazer uma horta – relembra a vigilante Maria Estela Berro Azolin, 45 anos. 

Além dela, a dona de casa Katia Ribeiro, 53 anos, e a cuidadora de idosos aposentada Magda Regina Martins, 66 anos, trabalham diariamente no local. Segundo Estela, a sugestão da iniciativa partiu de um dos antigos moradores do bairro, Alexandre Espeto, que atualmente é vereador. O nome da horta é inspirado pelo local em que casais se encontravam, onde hoje é a casa de Estela.

– Em 2019, começamos a limpar, tirar o lixo, organizar e revitalizar o espaço. Com a pandemia, passamos a nos envolver mais – conta Katia.

Expansão

A pequena horta que surgiu com a intenção de dar sentido para o canteiro final da rua foi expandida para os fundos da casa de Estela. Para isso, o grupo de agricultoras recebeu liberação e apoio da Secretaria de Meio Ambiente (Smam), que viabilizou o maquinário para a preparação do solo, e com as orientações da Emater sobre as técnicas de agricultura urbana. 

– A Emater forneceu a compostagem e o suporte na plantação – detalha Estela.

Duas composteiras no pátio da Smam geram matéria orgânica para suprir hortas de caráter social, agricultura urbana, paisagismo e embelezamento da cidade, além de dar o destino adequado para resíduos orgânicos gerados pelas podas de árvores. Assim como nesta iniciativa e no projeto UmBÚNTU, mostrado na edição de 18 de junho, os órgãos trabalham no suporte, no planejamento e na implantação de hortas em ONGs e entidades de assistência social.  A extensionista rural Mônica Moreira Zang explica que, hoje, existe um grupo no WhatsApp formado por moradores interessados na agricultura urbana.

– Esse contato tem permitido avançar na agricultura urbana, pois tem despertado o interesse de outras pessoas a também fazerem o serviço comunitário. No grupo, não debatemos somente temas sobre o sistema de plantio e técnicas, mas também temos oficinas de segurança e soberania alimentar, de como preparar e consumir os alimentos de maneira integral, entre tantos outros – afirma Mônica. 

LEIA MAIS
Falta de insulina em posto de saúde preocupa morador de Viamão
Moradores pedem substituição de postes inclinados na zona sul da Capital
No Morro da Cruz, moradores se mobilizam para transformar lixão em praça 

Na terra, elas encontraram benefícios

O resultado da dedicação das moradores é uma produção diversa em verduras e legumes, que é dividida entre a vizinhança e também encaminhada para ações que visam à alimentação da comunidade. 

– Há poucos dias, deixamos duas caixas em um galpão onde servem almoço para moradores carentes e de rua. Mas também levamos a uma escola que prepara refeições para os alunos – explica Estela, e Magda complementa:

– É gratificante estar sendo útil para a comunidade, num momento difícil como a pandemia. E incentivamos a participação de outros moradores, tanto aqui quanto em outros espaços da cidade.

Saúde 

Segundo Magda, elas têm a ideia de fazer uma minifeira na rua para que os moradores que não se sentem confortáveis em lidar com a terra possam contribuir e consumir os orgânicos: 

– Aí os produtos poderão ser comprados por um preço bem baixinho para voltar para a horta. Compramos muitas sementes, mudas e dividimos os valores do material. Mas é recompensado pela alegria e pelo bem-estar que temos na horta. 

Para Estela e Katia, além do envolvimento solidário nas entregas dos produtos, o cultivo traz benefícios para a saúde mental:  

– Assim que chego do trabalho, vou direto ali. As atividades de cuidar, irrigar e limpar me mantém em pé, e recarrego minhas energias – afirma Estela.

Katia conclui:

– Nesse tempo em que tudo está limitado devido à pandemia, é uma forma de estarmos descontraídas, vendo a plantação crescer.

Produção: Caroline Tidra

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros