Como evitar acidentes com barris de chope em eventos em casa - Notícias

Versão mobile

 
 

Fique atento23/09/2021 | 21h23Atualizada em 23/09/2021 | 21h23

Como evitar acidentes com barris de chope em eventos em casa

Profissionais listam cuidados necessários; em Campo Bom, explosão matou um homem

Como evitar acidentes com barris de chope em eventos em casa Flamarion Pereira Pinto / Divulgação/Divulgação
Os barris de inox podem ser de diversos tamanhos e são os mais utilizados pela indústria e serviços de delivery de chope Foto: Flamarion Pereira Pinto / Divulgação / Divulgação
Bruna Oliveira

O caso da explosão de um barril de chope que matou um homem em Campo Bom, no Vale do Sinos, chocou pela fatalidade e reforça a cautela que se deve ter ao manusear este tipo de equipamento. A explosão ocorreu em um barril de inox, o tipo mais usual nos serviços de delivery de chope para eventos em casa, por exemplo. O sistema é diferente das chopeiras elétricas, que operam com barris menores, vendidos em supermercados.

Os acidentes envolvendo esse tipo de barril são raríssimos, segundo o presidente da Associação Gaúcha de Microcervejeiros, João Luis Giovanella. Ainda assim, exigem atenção dos consumidores. A entidade vem acompanhando o caso desde o início para entender como aconteceu a explosão. Um inquérito foi aberto pela Polícia Civil para apurar as causas. Por enquanto, o caso é tratado como acidente.  

— O sistema tem camadas de proteção. O barril é feito pra explodir de forma segura, sem machucar ninguém, mas essa é a última alternativa. Alguma coisa estranha aconteceu. São raríssimos acidentes nesse assunto — diz Giovanella.

Leia mais
Bombeiros retomam buscas em rio por taxista desaparecido no norte do RS
Por que Porto Alegre tem uma das maiores taxas de infecção por sífilis no Brasil

Apesar dos mecanismos de segurança, o mais importante é não mexer em nenhum elemento além da torneira e deixar eventuais ajustes com a empresa contratada. A ideia é que o usuário final não faça a instalação, apenas o utilize.

O técnico de refrigeração especializado em serviço de chope, Flamarion Pereira Pinto, explica que a operação como um todo vai além do barril. O sistema inclui cilindro de gás CO2 (responsável por empurrar o líquido), a válvula extratora conectada ao barril, o regulador de pressão, as mangueiras e a chopeira. São vários equipamentos envolvidos.

— O barril já vem com uma pressão mínima de gás dentro dele, junto com o chope. Mas é uma pressão controlada, que não vai exceder acima de uma pressão que pode vir a estourar. Há válvulas de segurança no relógio e na válvula extratora que vai em cima do barril. É bem difícil colocar tanta pressão, que possa ocasionar no que aconteceu — diz Pinto.  

Em caso de qualquer avaria, como saída somente de espuma da máquina, a recomendação é entrar em contato com a empresa prestadora do serviço. Um dos maus usos, por exemplo, é mexer na pressão do gás.  

— Tudo é a pessoa que presta o serviço que monta. Não se mexe em nada além da torneira – frisa o técnico.

A Associação Gaúcha de Microcervejeiros prepara uma campanha para evitar acidentes com as chopeiras. O projeto vinha sendo preparado antes mesmo da pandemia, mas ganhou novo sentido de urgência após a explosão em Campo Bom. O material deve ser lançado em outubro. Segundo Giovanella, vídeo e peças ilustrativas vão explicar sobre o funcionamento dos dispositivos e mostrar as formas de manuseio.

— A ideia é trabalhar na prevenção. Só do pessoal ter consciência do que está acontecendo ali já vai ser excelente. Querendo ou não, é um cilindro de gás comprimido, tem um potencial que às vezes não se para para pensar e trata de qualquer forma, deixa cair no chão, deixa perto de um fogão, por exemplo. É uma questão do pessoal entender que existe, sim, um risco. Então vamos respeitar esse equipamento — diz Giovanella.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros