Governo gaúcho cede novo espaço a projeto que distribui alimentos a moradores de rua - Notícias

Versão mobile

 
 

Após reunião12/10/2021 | 21h51Atualizada em 12/10/2021 | 21h51

Governo gaúcho cede novo espaço a projeto que distribui alimentos a moradores de rua

Membros do projeto Cozinha Solidária insistem em permanecer em terreno da Avenida da Azenha. Decisão judicial ordenou a saída dos ocupantes na sexta-feira (8)

Governo gaúcho cede novo espaço a projeto que distribui alimentos a moradores de rua Isabelle Riege / Divulgação/Divulgação
MTST pede que projeto Cozinha Solidária permaneça na região da Azenha Foto: Isabelle Riege / Divulgação / Divulgação

O governo do Rio Grande do Sul se colocou à disposição do Movimento dos Trabalhadores  Sem Teto (MTST) para assumir um novo espaço do projeto Cozinha Solidária. Desde o dia 26 de setembro, voluntários ocupam um terreno na Avenida da Azenha, na Capital, que pertence à União. A Justiça Federal decidiu pela reintegração de posse, determinando a saída dos voluntários desde a última sexta-feira (8), alegando irregularidade no uso do imóvel e falhas estruturais que podem trazer prejuízos à saúde.

LEIA MAIS
Projeto Cozinha Solidária pretende negociar novo espaço com a prefeitura de Porto Alegre
ONG em São Leopoldo planeja construir sede
Para celebrar seis anos de fundação, entidade quer arrecadar seis toneladas de alimentos

Na segunda-feira (11), o vice-governador do Estado, Ranolfo Vieira Júnior, esteve reunido com representantes do movimento e concordou em  disponibilizar, a partir do dia 19 de outubro, alimentação para a população atendida pelo MTST no PopRua RS,  na avenida Aureliano de Figueiredo Pinto, no bairro Praia de Belas. A medida, no entanto, não atende ao pedido do movimento, que exige permanecer na região, alegando que há uma maior quantidade de moradores de rua e trabalhadores informais que necessitam de ajuda.

Em nota, o governo esclarece que, como a ação é movida pelo Executivo Federal, o Estadual "não é parte do processo" e que a intenção é evitar "que o serviço de alimentação prestado para cerca de 200 pessoas seja interrompido". 

O MTST, por sua vez, permanece no terreno, mesmo com a decisão judicial. A defesa segue recorrendo da decisão e afirma que só deixará o terreno quando todos os recursos forem encerrados.

Confira nota do Governo do Estado

"O vice-governador, Delegado Ranolfo Vieira Júnior, recebeu nesta segunda-feira (11/10) pela manhã o deputado Edegar Pretto e representantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), para tratar sobre a reintegração de posse do prédio público da União ocupado pelo Movimento. O pedido da comitiva era de que o Governo do Estado pudesse intervir para que a área localizada na avenida Azenha, em Porto Alegre, não precisasse ser desocupada. Como a ação é movida pelo Governo Federal, o Executivo Estadual não é parte do processo. Para que o serviço de alimentação prestado para cerca de 200 pessoas não seja interrompido, o Executivo Estadual, por meio da Secretaria de Igualdade, Cidadania, Direitos Humanos e Assistência Social, irá disponibilizar, a partir do dia 19 de outubro, alimentação para a população atendida pelo MTST no PopRua RS,  da avenida Aureliano de Figueiredo Pinto."

Leia outras notícias do Diário Gaúcho   

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros