Com arrecadação de tampinhas, bancas de jornais se mobilizam para ajudar entidades e pessoas - Notícias

Versão mobile

 
 

Enchendo as bombonas26/11/2021 | 05h00Atualizada em 26/11/2021 | 05h00

Com arrecadação de tampinhas, bancas de jornais se mobilizam para ajudar entidades e pessoas

Material gera renda ao ser vendido; na ação mais recente, grupo estima ter conseguido cerca de 220 mil tampas plásticas

Com arrecadação de tampinhas, bancas de jornais se mobilizam para ajudar entidades e pessoas André Ávila / Agencia RBS/Agencia RBS
Rosa, Cristiano, Volnei e Isabel (da esquerda à direita) integram grupo que recolhe, armazena e depois doa os materiais Foto: André Ávila / Agencia RBS / Agencia RBS

Um misto de cores toma conta das bombonas que um grupo de proprietários e funcionários de bancas de revistas e jornais, em sua maioria de Porto Alegre, encheu com tampinhas de garrafa pet. E, em menor quantidade, de outros produtos. Arrecadado junto a clientes, amigos, vizinhos e até desconhecidos que acabam descobrindo a iniciativa, o material que iria diretamente para o lixo é utilizado para ajudar entidades beneficentes e ações específicas. Em outras palavras, é convertido em solidariedade.

Na campanha mais recente, os materiais serão doados a um menino que está lutando contra um câncer e precisa de ajuda para pagar o tratamento. Segundo Cristiano Fabricio Catelan, 45 anos, dono de uma banca no bairro Cristo Redentor e um dos responsáveis por reunir e organizar as arrecadações, essa está sendo a ação com maior quantidade de materiais. Ele estima que são cerca 220 mil tampas plásticas — a maior parte delas de garrafa pet. 

Pelas suas contas, cada bombona de cinco litros comporta em torno de 350 tampinhas, entre menores e maiores. A coleta tem sido feita ao longo de dois a três meses e a entrega deve ocorrer neste sábado (27).

Em ações anteriores, o grupo fez doações para a Associação de Apoio a Pessoas com Câncer, para o Instituto do Câncer Infantil, para a ONG Anjos do Amor em Movimento e também para campanhas de ajuda a pessoas que necessitam de remédios ou outros itens, como relembra Isabel Cristina Fabricio Catelan, 50 anos, também proprietária de uma banca no bairro Cristo Redentor — e irmã de Cristiano. Conforme Isabel, pelo menos 24 bancas hoje se engajam na iniciativa, recebendo materiais. E outros tipos de arrecadações também já foram feitas, como de alimentos e de fraldas.

LEIA MAIS
Em alusão ao aniversário da Capital, prefeitura promove baile de debutantes para 250 adolescentes
Motorista de ônibus junta tampinhas, vende e as transforma em recursos para distribuir doações
Comerciante transforma lacres e tampas plásticas em solidariedade

Virou hábito

A proposta de coletar tampinhas partiu de uma vontade de Isabel, que, com algumas doações já feitas, decidiu compartilhar a iniciativa com o irmão. O ano era 2019. Aos poucos, mais colegas foram conhecendo e entrando na campanha, que segue buscando mobilizar cada vez mais pessoas.

A ideia é que, para contribuir com determinada instituição ou pessoa que necessite de auxílio, as bancas sirvam como ponto de coleta de tampas plásticas. Quem as recebe pode vendê-las e, assim, converter o material em dinheiro.

— É uma coisa tão simples e que a gente está ajudando. Vira uma coisa que a gente não consegue mais enxergar uma tampinha e não guardar dentro da bolsa, não levar pra casa — pontua.

As sugestões dos locais ou pessoas para se doar vêm dos participantes do grupo — tendo até fila, como comenta Isabel. As entregas são fotografadas para que fique o registro, compartilhado com quem colaborou e entre os colegas.

Criando uma corrente

Por trás das entregas, porém, há um trabalho de organização e empenho. E quando as doações não chegam ao grupo, o grupo vai até elas. O objetivo é "não perder essa corrente", como destaca Cristiano.

— Volta e meia eu deixo as minhas bombonas de tampinha na rua, na calçada, na frente da banca e as pessoas passam: "Você recebe?". Recebo, pode doar e se não há possibilidade de vir doar, eu passo na casa se for caminho, a gente arrecada — explica.

ALVORADA, RS, BRASIL - 2021.11.12 - Bancas de jornais da Capital estão arrecadando tampinhas plásticas de garrafas pet para realizar doações em entidades beneficentes e ajudar em ações específicas. O grupo é composto por donos e funcionários de bancas, que também consideram-se jornaleiros pela proximidade e venda dos jornais. Para uma próxima ação, o estoque o grupo já está cheio de tampinhas. Na foto:Isabel Fabricio Catelan (Foto: André Ávila/ Agência RBS)<!-- NICAID(14939750) -->
Doações são organizadas em bombonas e essas são armazenadas na casa de um dos participantes do grupoFoto: André Ávila / Agencia RBS

Foi ao ver as garrafas cheias de tampinhas penduradas na banca de Cristiano, ainda em 2019, que a empregada doméstica Patrícia Machado, 46 anos, moradora da Capital, passou a colaborar com doações. Depois, quando seu trajeto mudou por conta do trabalho, ela combinou com o proprietário da banca para buscar o material na casa dela. Como conta, o hábito de juntar itens deste tipo já vem de anos.

— A minha família toda junta, meus filhos pegam na lixeira se tiver. E tem muitas pessoas que guardam para mim e aí eu acabo pegando na casa de um, na casa de outro.

Depois de recebidas pelas bancas, as tampinhas são organizadas em bombonas e essas são armazenadas na casa de um dos participantes do grupo, em Alvorada

Ajudar como pode

Com a dificuldade financeira batendo à porta, Isabel pontua que a mobilização também quer trazer certa visibilidade para as bancas, para serem lembradas. Apesar disso, ela ressalta:

— Eu posso não estar faturando aqui, mas se eu tiver como fazer uma campanha que eu possa ajudar pessoas que estão necessitando, eu estou feliz da vida.

Para Cristiano, é gratificante e satisfatório ver o resultado das mobilizações.

— A gente não tem condições financeiras de ajudar, então a gente ajuda dessa maneira, arrecadando — comenta.

Como contribuir

  • Basta levar qualquer tipo de tampa plástica (de garrafa pet, de shampoo, de creme dental, de achocolatado, entre outras) a uma das bancas participantes; lacres de latinhas também são aceitos.
  • Auxiliadora, Azenha, Boa Vista, Cavalhada, Centro, Cristo Redentor, Menino Deus, Moinhos de Vento, Morro Santana, Partenon, Passo D'Areia, Petrópolis, Restinga, Rio Branco e Sarandi são alguns dos bairros da Capital onde há bancas que recebem doações. Há também uma em Viamão.
  • Se necessário, é possível entrar em contato com a Isabel, pelo número (51) 98531-3234, e com o Cristiano, pelo número (51) 98422-2286.

Produção: Isadora Garcia

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros