Gasolina tem novo aumento, e litro chega a R$ 7,19 em Porto Alegre - Notícias

Versão mobile

 
 

Mais um reajuste02/11/2021 | 21h49Atualizada em 02/11/2021 | 21h49

 Gasolina tem novo aumento, e litro chega a R$ 7,19 em Porto Alegre

Valor foi encontrado em ao menos cinco estabelecimentos da Capital nesta terça-feira

 Gasolina tem novo aumento, e litro chega a R$ 7,19 em Porto Alegre Lauro Alves / Agencia RBS/Agencia RBS
Preço é o mais alto já alcançado na Capital Foto: Lauro Alves / Agencia RBS / Agencia RBS

Mais um reajuste no preço dos combustíveis é visto em Porto Alegre na manhã desta terça-feira (2). Em alguns postos visitados pela reportagem, o litro da gasolina comum chegou a R$ 7,19 — o preço mais alto já alcançado na Capital.

O valor foi encontrado em ao menos cinco estabelecimentos:

  • Posto Shell na Avenida Ipiranga, 1231
  • Posto Shell na Avenida Carlos Gomes, 1395
  • Posto Shell na Rua Edu Chaves, 120
  • Posto Ipiranga na Avenida Bento Gonçalves, esquina com a Santo Alfredo
  • Posto Ipiranga na Avenida Bento Gonçalves, esquina com a Albion

— Eles (motoristas) já reclamavam, mas agora é muito aumento seguido. O cliente acha absurdo — afirmou o frentista Adriel Macedo, 23 anos.

Leia mais
Procon investigará aumento de combustíveis na Capital
Com novo reajuste, alta da gasolina chega a 73,4% em 2021

Há uma semana, o máximo pago pelo combustível na cidade era R$ 7,09. Já o valor mais baixo encontrado na manhã desta terça foi no posto Carrefour: R$ 6,89.

A pesquisa segue sendo o mais recomendável aos motoristas: em três quadras da Avenida Ipiranga, entre as ruas Barão do Amazonas e Machado de Assis, o litro variava de R$ 6,96 a R$ 7,17. A reportagem encontrou uma variação de R$ 0,30 entre os postos visitados.

Ao custo de R$ 7,19 por litro, o condutor gasta R$ 323,55 para encher um tanque de 45 litros.

— O motorista está apavorado. Alguns que enchiam o tanque não estão mais fazendo. E aquele que colocava R$ 10 nem aparece — disse o frentista Diego Corrêa, 32 anos.

O motoboy Leonardo Silva, 30 anos, afirma ser necessário repassar o impacto do aumento para os clientes, reajustando também o preço das entregas.

— A gente diz pro cliente que está mais caro, ele não gosta — conta.


 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros