Ataque hacker aos sistemas do Ministério da Saúde afeta vacinação em Porto Alegre - Notícias

Versão mobile

 
 

Contra a covid-1910/12/2021 | 22h00Atualizada em 10/12/2021 | 22h00

Ataque hacker aos sistemas do Ministério da Saúde afeta vacinação em Porto Alegre

Profissionais da saúde relatam que o preenchimento dos dados do público voltou a ser feito de forma manual, como era antes da criação do aplicativo Conecte-SUS

Ataque hacker aos sistemas do Ministério da Saúde afeta vacinação em Porto Alegre André Ávila / Agencia RBS/Agencia RBS
Preenchimento dos dados voltou a ser de forma manual no shopping João Pessoa e na unidade de saúde Santa Marta Foto: André Ávila / Agencia RBS / Agencia RBS

Pessoas que buscaram a segunda ou a terceira dose da vacina contra a covid-19, nesta sexta-feira (10), e não tinham o comprovante em papel da aplicação anterior, voltaram para casa sem receber o reforço em Porto Alegre. O motivo é o ataque hacker aos sistemas do Ministério da Saúde, que prejudica, entre outros serviços, o aplicativo do ConecteSUS e  Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações (SI-PNI), usado por municípios e Estados para fazer o registro de vacinação. 

Em locais como o Shopping João Pessoa e a Unidade de Saúde Santa Marta, por exemplo, os profissionais relataram que o preenchimento dos dados do público voltou a ser de forma manual, como era antes da criação dos serviços digitais.

Leia mais
Dose de reforço da Janssen começa a ser aplicada na segunda-feira em Porto Alegre
RS atinge 70% de sua população com esquema vacinal completo contra a covid-19
Pfizer afirma que três doses de vacina são eficazes contra a variante Ômicron

Ambas as ferramentas continuavam fora do ar até o começo da tarde. O problema afeta as pessoas que buscam a vacina e não têm a carteira impressa em papel, mas apenas pelo app do ConecteSUS.

— Hoje nós estamos com preenchimento manual porque o sistema está fora do ar. Estamos preenchendo em planilhas como foi lá no início. Isso gera uma demora maior, porque tem que preencher todos os dados à caneta, cuidar para escrever direitinho e depois passar para o sistema — relata Mariana Aladren Romano, da unidade de saúde Modelo. 

— Tivemos pessoas que não puderam ser vacinadas hoje porque não trouxeram o comprovante de vacinação, que mostra o período da dose, em função desse ataque à plataforma. Quando o Ministério da Saúde conseguir resolver o problema, nós voltaremos ao sistema virtual — completou. 

Os profissionais de saúde recomendam que as pessoas levem a carteira de vacinação em papel ou em arquivo PDF que tenham baixado anteriormente no Conecte-SUS. 

— Como o nosso sistema de inserção da vacina não está funcionando, a gente pede aos usuários que tragam as carteiras de vacinação para aplicarmos a segunda ou terceira dose. O que mudou é que nós estamos fazendo os registros manuais nas planilhas para depois inserir no sistema. Quem vier aplicar a vacina, não se preocupe que depois será registrado no sistema — destacou Lia Trajano, enfermeira da unidade de saúde Santa Marta. 

No momento, a Secretaria Municipal da Saúde aguarda o Ministério da Saúde resolver o problema para o serviço ser normalizado.

 A professora Rita de Cássia Vidal e o seu filho quase tiveram que voltar para casa sem a vacina, mas, graças à tecnologia, João conseguiu fazer a segunda dose.

— Eu vim com o meu filho no posto de saúde para fazer a vacina, e fiquei surpresa quando pediram a carteira de vacinação porque o sistema está fora do ar. Mas como eu tinha feito um print da carteira digital dele, ele vai conseguir se vacinar. A sorte é que eu já havia me prevenido.

João Lucas Vidal relata a sensação de alívio.

— Se não fosse o print, eu teria que voltar para a casa, mas estou feliz porque agora eu vou conseguir tomar a vacina.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros