Pesquisa do Procon aponta variação de até 460% nos preços de materiais escolares em Porto Alegre  - Notícias

Versão mobile

 
 

Volta às aulas28/01/2022 | 05h00Atualizada em 28/01/2022 | 05h00

Pesquisa do Procon aponta variação de até 460% nos preços de materiais escolares em Porto Alegre 

Levantamento do Procon da Capital mostrou os preços mais baratos para 34 itens em quatro redes de papelarias da cidade

Pesquisa do Procon aponta variação de até 460% nos preços de materiais escolares em Porto Alegre  Marco Favero/Agencia RBS
Soma dos itens de maior preço varia 112,62% se comparada a seleção com menores preços Foto: Marco Favero / Agencia RBS

Janeiro se encaminha para o fim. E com a chegada de fevereiro, mais uma daquelas obrigações anuais se aproxima. É hora de comprar os materiais escolares para que a criançada e os jovens voltem aos estudos. Na rede estadual, a previsão é de que aulas comecem no dia 21 de fevereiro. Em Porto Alegre, a rede municipal deve iniciar os trabalhos na mesma data.

Leia mais
Escolas municipais em Viamão oferecem oficinas para alunos durante as férias
Volta obrigatória às aulas presenciais divide diretores de escolas públicas de Porto Alegre
Como deve ser a escola depois da pandemia

Para ajudar pais e responsáveis na ida às compras, o Procon de Porto Alegre iniciou a sua costumeira série de pesquisas de preços dos materiais escolares em redes de papelarias e livrarias. E o resultado da primeira consulta feita em 2022 reforça a necessidade de pesquisar na hora de ir adquirir os itens. O Procon procurou 34 itens em quatro redes de papelarias ou livraria, sempre pedindo pelo menor preço em cada local. 

O Diário Gaúcho separou os itens mais baratos encontrados em cada local. E também os mais caros. E a diferença entre a seleção com menores e maiores preços assusta. Comprando os 34 itens mais baratos encontrados, o custo da cesta de materiais escolares ficaria em R$ 72,33. Já selecionando somente os de maior preço, o valor iria para R$ 153,79. A variação é de 112,62%.

Vale ressaltar que alguns itens da lista são variantes — como borracha com ou sem protetor plástico e apontador com ou sem depósito para as raspas dos lápis. Então, colocando na ponta da caneta e com muita pesquisa, é possível gastar ainda menos. Os estabelecimentos pesquisados pelo Procon da Capital foram das redes Casa do Papel, Papelaria Brasil, Clip Livraria e Cervo.

Olhando especificamente para cada item da lista, algumas variações chamam atenção. O tubo de cola branca de 40g, por exemplo, pode ser encontrado de R$ 0,98 por até R$ 5,49 — uma variação de 460,2%, a maior encontrada quando se olha para os materiais individualmente. O item pesquisado pelo Procon que menos tem risco de pesar no bolso se não for pesquisado é o apontador plástico com um furo, sem depósito. O mais barato neste modelo custa R$ 0,49, enquanto o mais cara está um centavo acima, custando R$ 0,50. Uma singela variação de 2,04%.

Entre os 34 itens pesquisados pelo Procon de Porto Alegre, as opções com menor preço aparecem em 22 oportunidades na mesma rede. Já o local que concentrava os maiores preços apareceu com 16 materiais escolares na lista. Outras duas redes variaram, com a maioria itens nem entre os mais caros, nem entre os mais baratos.

Leia mais notícias do Diário Gaúcho

26willsort%3D-1%26fonte%3D*Fonte%253A%2520Procon%2520Porto%2520Alegre.%2520Dados%2520de%2520janeiro%2520de%25202022." >

Leia mais notícias do Diário Gaúcho

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros