Cesta básica de Porto Alegre recua 1,45% em janeiro, aponta Dieese - Notícias

Versão mobile

 
 

Consumo08/02/2022 | 05h00Atualizada em 08/02/2022 | 05h00

Cesta básica de Porto Alegre recua 1,45% em janeiro, aponta Dieese

Conjunto de 13 alimentos pesquisados pelo Dieese teve leve redução no valor. Tomate foi o item com maior queda de preço: -17,26%

Cesta básica de Porto Alegre recua 1,45% em janeiro, aponta Dieese Anselmo Cunha / Agencia RBS/Agencia RBS
Queda no preço do tomate teve influência na soma total da cesta Foto: Anselmo Cunha / Agencia RBS / Agencia RBS

Fevereiro começa com uma boa notícia para o bolso dos consumidores. A cesta básica de Porto Alegre recuou 1,45% de valor em janeiro, na comparação com dezembro passado. Os dados constam no levantamento do Departamento Intersindical de Estudos Socioeconômicos (Dieese), divulgados nesta segunda-feira (7). 

 Leia mais  
Cesta básica de Porto Alegre tem queda no preço pela primeira vez em nove meses
Moradores da Capital contam como substituem a carne bovina
Como a inflação está afetando a vida das famílias no RS  

Um dos grandes motivos para a queda no valor está relacionado ao tomate. Este foi o produto que mais caiu de preço na comparação mensal: um recuo de -17,26%. Mas, além da fruta, outros oito produtos da cesta básica também tiveram queda de valor. Entre eles, a carne (-0,35%), o leite (-1,05%) e o feijão (-3,94%). 

Conforme a economista-chefe do Dieese-RS, Daniela Sandi, a redução no preço do tomate na região Sul corrobora a tese da influência do tomate na redução do preço total da cesta. Segundo ela, o item está entre os produtos com maior gasto mensal na cesta, junto de itens como a carne, o pão e banana. 

— A queda expressiva aqui em Porto Alegre ajudou na redução do valor total da cesta. A maior influência dessa queda, inclusive, foi a retração dos produtos in natura como um todo, caso do tomate, da batata e do feijão. Isso é notável quando olhamos o impacto por tipo de item que compõe a cesta: in natura, semi-industrializado e industrializado — explica Daniela. 

Do outro lado da balança, quatro itens da cesta básica tiveram salto no preço na Capital. O maior aumento de preço na comparação mensal foi da banana, que ficou 13,42% mais cara no mês passado, quando comparada com dezembro de 2021. 

Os outros três alimentos que tiveram inflação de valor foram a farinha de trigo (2,2%), o óleo de soja (3,28%) e o café (4,68%). A bebida quente mais consumida pelos brasileiros, aliás, está com a maior alta acumulada em 12 meses entre os itens da cesta básica. Em um ano, o café ficou 58,3% mais caro. 

— O café segue pressionado. A expectativa de quebra da safra 2022/2023 e os menores estoques globais de café elevaram tanto os preços internacionais quanto os preços internos (nacionais) — contextualiza Daniela, ao comentar a alta do café no mês e também no acumulado do ano.

PORTO ALEGRE, RS, BRASIL - 07.02.2022 - Cesta básica da Capital abre o ano em queda. (Foto: Anselmo Cunha/Agencia RBS)<!-- NICAID(15009546) -->
Banana, a campeã mensal das altas Foto: Anselmo Cunha / Agencia RBS

Em relação à campeã mensal das altas, a economista pontua que a banana tem sua inflação de preço influenciada por fatores climáticos, aumento do custo dos principais insumos para produção e a elevação do número de exportações de banana do Brasil para o Exterior, que se elevaram em 2021. 

— As exportações de banana devem seguir em alta neste ano, segundo as perceptivas. Assim, a oferta pode ficar mais justa no mercado interno, trazendo novos aumentos de preços. Como muitos produtos são commodities exportáveis e cotados no mercado internacional, a trégua do câmbio e do dólar no último período também ajudou a diminuir a pressão — pontua Daniela.

Ainda assim, a banana acumula a terceira maior queda de preço em 12 meses no levantamento do Dieese na Capital, valendo 11,02% menos do que em janeiro do ano passado. Só fica atrás do arroz (-27,57%) e da batata (-37,5%).

Quinta mais cara do país

Conforme o levantamento do Dieese, com a queda de valor em janeiro, a cesta básica da Capital fechou o primeiro mês do ano custando R$ 673 — valor que representa 60,03% do salário mínimo atual, de R$ 1.212. No geral, Porto Alegre ficou em quinto lugar no ranking das 17 capitais pesquisadas pelo Dieese. 

No ano passado, a cidade chegou a liderar o ranking em alguns meses, mas ocupou o top 3 da lista na maior parte do ano. Agora, em janeiro, a Capital ficou atrás de Vitória (R$ 677,54), Rio de Janeiro (R$ 692,83), Florianópolis (R$ 695,59) e São Paulo (R$ 713,86).

A pesquisa mensal do Dieese também indica qual seria o salário mínimo necessário no Brasil para o sustento de uma família. Em janeiro, o valor ficou em R$ 5.997,14. Isto é quase cinco vezes o valor do salário mínimo atual no país. 

Leia mais notícias do Diário Gaúcho

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros