Casal de imigrantes haitianos busca ajuda para trazer filhas para o Brasil - Notícias

Versão mobile

 
 

Seu Problema é Nosso17/03/2022 | 16h06Atualizada em 17/03/2022 | 16h06

Casal de imigrantes haitianos busca ajuda para trazer filhas para o Brasil

São necessários R$ 12 mil para custear a viagem das adolescentes 

Casal de imigrantes haitianos busca ajuda para trazer filhas para o Brasil Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal/Arquivo Pessoal
Sophonie mora em Porto Alegre há seis anos Foto: Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal

Uma viagem de mais de 5 mil quilômetros de Porto Alegre até Porto Príncipe, capital do Haiti, é a distância que separa Sophonie Saint Jean, 34 anos, de duas de suas quatro filhas. O desejo de construir uma vida com mais qualidade foi o que levou o marido e ela a deixarem sua terra natal. Porém, após seis anos no novo país, os desafios que vivenciaram por aqui impediram que conseguissem juntar o valor necessário para buscar as filhas. 

Ainda no Haiti, Sophonie e o marido enfrentavam dificuldades para conseguir trabalho. Sem renda, tiveram problemas financeiros. Foi assim que ele decidiu vir ao Brasil em busca de emprego, tendo de deixar a esposa e as meninas. Após alguns meses, ela também não conseguiu trabalho, e a situação em casa continuava difícil. Então, o marido juntou o valor de uma passagem e a trouxe para Porto Alegre, em 2016. As crianças, que hoje estão com 15 e 13 anos, ficaram com a avó.

LEIA MAIS
Leitora reclama: fila longa e demorada na Farmácia de Medicamentos Especiais
Após ter história contada no DG, Gerson realiza o sonho de voltar a sorrir
Conheça projetos que oferecem práticas de atividades físicas gratuitas

Acolhimento

Após seis meses na capital gaúcha, a haitiana engravidou de sua terceira filha. Porém, acabou entrando em um quadro de depressão e não conseguia sair de casa. O marido buscou ajuda, e foi assim que a trajetória deles se cruzou com a da técnica em enfermagem Neusa Batezini Scherer, 67 anos, que trabalha no Centro Vida. Ao saber do caso de Sophonie, a profissional foi até sua residência. 

– Estava fechada em casa, não falava português e era muito assustada. Tivemos que acolhê-la. Hoje somos amigas – comenta Neusa. 

A técnica ajudou Sophonie a estudar o idioma e, dois anos após o nascimento do bebê, a haitiana conseguiu seu primeiro emprego no Brasil.

Desafios

O casal costuma enviar valores para as filhas que estão no Haiti, mas juntar os R$ 12 mil necessários para trazê-las tem sido mais difícil. Nos quatro primeiros anos, eles moraram de aluguel. Após esse período, conseguiram comprar um terreno localizado em uma área irregular do bairro Costa e Silva, zona norte da cidade. Porém, alguns meses após adquirirem a casa, tiveram de lidar com dois desafios: ficaram sem emprego e a residência incendiou. 

Nessa época, Sophonie já havia dado à luz sua quarta filha. A reconstrução da moradia só foi possível graças à ajuda de voluntários.

Um ano depois do incidente, em 2021, o casal levou a filha mais nova para o hospital, pois ela estava com febre. Após exames, descobriram que a bebê está com câncer nos rins e no pulmão. A pequena está em tratamento.

– Agora que estou decidida a buscar minhas filhas, não conseguimos guardar dinheiro para trazê-las – lamenta a mãe.

Apoie
/// Para trazer as filhas, Sophonie precisa de R$ 12 mil. O valor compraria as duas passagens.
/// Para ajudá-las, Neusa criou uma vaquinha online. Até ontem, havia sido arrecadado R$ 675. Para apoiar a campanha, é possível doar qualquer valor através do link vaka.me/2731383 ou da chave PIX 81815590025 (CPF).

Produção: Émerson Santos


 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros