Pague quanto puder, e se não puder, leve de graça: a banca solidária de frutas e legumes na Zona Sul - Notícias

Versão mobile

 
 

"Nosso vigia é Deus"09/05/2022 | 20h44Atualizada em 09/05/2022 | 20h44

Pague quanto puder, e se não puder, leve de graça: a banca solidária de frutas e legumes na Zona Sul

Tenda foi instalada há cerca de um ano por Sildo Mundt, 66 anos, caseiro de um sítio na Estrada Jorge Pereira Nunes, no bairro Campo Novo

Pague quanto puder, e se não puder, leve de graça: a banca solidária de frutas e legumes na Zona Sul Ronaldo Bernardi / Agencia RBS/Agencia RBS
Sildo Mundt, 66 anos, é caseiro de um sítio na Zona Sul Foto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS / Agencia RBS

Sem caixa registradora, maquininha de cartão ou etiqueta com preço. Sistema de segurança, tampouco — foi substituído por um guardião especial, como indica a única placa da banca a céu aberto instalada na Estrada Jorge Pereira Nunes, no bairro Campo Novo, zona sul de Porto Alegre:

"Não temos câmera, nosso vigia é Deus".

A quitanda, que recebe contribuições espontâneas, é de Sildo Mundt, 66 anos, caseiro de um sítio no local. Tem estrutura de madeira e cobertura para os alimentos, colocados em caixas em frente ao painel que cita a proteção divina.

Leia mais
Grupo de dança pede apoio para competir no Exterior
Projeto social premiado leva oficinas de arte para comunidades periféricas
Estudantes de Alvorada desenvolvem projeto que incentiva o descarte correto de resíduos

O anúncio descreve também a forma como o pequeno comércio funciona: "Pegue as frutas que precisar e deixe a contribuição que achar justo. Se não tiver o que dar, pode pegar o que precisar".

— É para ajudar. Muita fruta acabava estragando, e eu vejo que tem gente que não pensa no próximo. Joga fora em vez de doar. Se todo mundo fizesse um pouquinho disso, o mundo seria melhor — afirma.

Mundt é natural de Agudo, município da região central do Estado. Na infância, com a família, aprendeu a lida no campo. 

Conta que, ao ver vizinhos em dificuldade na área rural da Capital, teve a ideia de repartir a colheita, que em alguns dias inclui aipim, chuchu, banana e mamão, além da grande variedade de laranja, limão e bergamota. Atualmente, diz ter mais doações do que vendas.

— Tem mais ou menos um ano que coloquei isso aí. As frutas sempre saem, mas o valor que as pessoas deixam diminuiu. Só que o dinheiro não é o mais importante pra mim e sim que elas levem pra casa.

PORTO ALEGRE,RS,BRASIL.2022,05,09.Agricultor Sildo Mundt, colocou um banca de frutas, em frente a sua, na Estrada Jorge Pereira NUnes, para  quem quizer levar as frutas, uma forma solidaria de dispor das frutas.(RONALDO BERNARDI/AGENCIA RBS).<!-- NICAID(15090768) -->
Mundt é natural de Agudo, na Região CentralFoto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS

Na manhã desta segunda-feira (9), o ponto bem organizado recebeu visitas antes das 7h: a caminho do trabalho, um morador da região perguntou quanto custava o quilo dos frutos. Ouviu que poderia deixar o que quisesse ou levar de graça, que não haveria qualquer constrangimento. O homem então encheu uma sacola e colocou R$ 2 no cofrinho.

Mundt vive sozinha na propriedade da Zona Sul. Ou melhor: tem a companhia de 10 gatos e outros tantos cães, pássaros, marrecos e de uma vaca de leite. Provocado se trocaria o sossego do local de pouco trânsito, acessado por uma via de chão batido, disparou:

— Me colocar em um apartamento? Seria o mesmo que me botar em uma prisão.

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros