Professora investigada por maus-tratos e ameaças já havia sido demitida em 2018 por fatos semelhantes - Notícias

Versão mobile

 
 

Rispidez  com alunos11/05/2022 | 21h47Atualizada em 11/05/2022 | 21h47

Professora investigada por maus-tratos e ameaças já havia sido demitida em 2018 por fatos semelhantes

Motivo para a demissão foi "falta de cordialidade" da profissional ao lidar com crianças

Professora investigada por maus-tratos e ameaças já havia sido demitida em 2018 por fatos semelhantes André Ávila / Agencia RBS/Agencia RBS
Funcionária investigada já estava afastada e vai ser desligada por justa causa, conforme advogado da Anjos e Marmanjos Foto: André Ávila / Agencia RBS / Agencia RBS

A professora investigada por maus-tratos, ameaças e injúria racial contra alunos, em Canoas, na Região Metropolitana, já havia sido demitida em 2018, pela administração da Escola Infantil Anjos e Marmanjos, em função de reclamações pela "falta de cordialidade" ao lidar com crianças.

À época, a Anjos e Marmanjos tinha contrato emergencial com a prefeitura para administrar outras cinco escolas no município. Em uma delas, a professora prestava serviços e foi alvo de queixas semelhantes às que são investigadas agora pela Polícia Civil e pelo Ministério Público.

Segundo o advogado da instituição de ensino, Robervan Andreolla, pais de alunos se mobilizaram, à época, para que a profissional fosse recontratada, pois "gostavam dela". Desta forma, ao final do contrato emergencial com o Executivo, alguns dos professores que atuavam nas escolas que eram administradas pela Anjos e Marmanjos foram mantidos — e a educadora, cujo nome não é revelado pela instituição, foi uma das escolhidas, passando a atuar na unidade da Rua Boa Esperança, no bairro Rio Branco.

Foi neste local que vizinhos e o Grupo de Investigação da RBS (GDI) gravaram conversas da mulher que indicam rispidez ao lidar com alunos de uma turma de Jardim (veja no vídeo abaixo).

Quando o GDI mostrou as gravações à direção do local, na terça-feira (3), a primeira reação da diretora, Letícia Ferreira, e da coordenadora, Josiane Silva, foi negar que reconhecessem aquela voz como sendo de uma profissional da unidade. Mas, uma hora depois do encontro, a escola decidiu afastar a funcionária. Na terça-feira (10), a professora e a diretora foram demitidas.

Em 2019, denúncias de gritos de professoras a alunos também fizeram o Conselho Tutelar fiscalizar a Anjos e Marmanjos. Segundo a escola, nada foi comprovado.

O GDI apurou que, no começo deste ano, um aluno de quatro anos saiu da instituição porque a professora o teria chamado de "praga desgraçada". A criança relatou o tratamento à família, que fez contato com a Secretaria Municipal de Educação e conseguiu vaga para o menino em outra escola conveniada.

Mais uma vez, a profissional em questão era a mesma que foi demitida agora. Até terça-feira, a secretaria não havia localizado nenhum registro oficial do caso específico deste aluno, apesar de a família sustentar que conversou, à época, com o fiscal do contrato.

Leia mais notícias do Diário Gaúcho   

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros