RS chega a 50% da população com dose de reforço contra a covid-19 - Notícias

Versão mobile

 
 

Vacinômetro13/05/2022 | 19h39Atualizada em 13/05/2022 | 19h42

RS chega a 50% da população com dose de reforço contra a covid-19

Desde o início da campanha de vacinação, em janeiro do ano passado, cerca de 87,3% dos gaúchos tomaram a primeira dose e 79,6%, completaram o esquema primário

RS chega a 50% da população com dose de reforço contra a covid-19 Marcelo Casagrande / Agencia RBS/Agencia RBS
Número de gaúchos que já tomaram três doses é quase 4,8 milhões Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS / Agencia RBS

O Rio Grande do Sul atingiu oficialmente, nesta sexta-feira (13), 50% de toda a população com dose de reforço contra a covid-19, mostram estatísticas da Secretaria Estadual da Saúde (SES-RS). Dentre 11,4 milhões de gaúchos, cerca de 4,8 milhões tomaram três doses das vacinas CoronaVac, Pfizer e AstraZeneca ou duas doses consecutivas da Janssen.

LEIA MAIS
SUS contará com o primeiro medicamento para casos leves de covid-19
Doenças respiratórias e casos de covid-19 elevam busca por atendimento em hospitais de Porto Alegre
Municípios gaúchos já podem iniciar aplicação da segunda dose de reforço contra a covid em idosos com mais de 70 anos 

A marca ocorre oito meses após o início da aplicação da dose de reforço contra a covid-19 em todo o país. Desde o início da campanha de vacinação, em janeiro do ano passado, cerca de 87,3% dos gaúchos tomaram a primeira dose e 79,6%, completaram o esquema primário. A meta do Ministério da Saúde é completar a vacinação em 90% de cada público-alvo.

Desde abril, o Palácio Piratini seguiu diretrizes internacionais e passou a considerar que o esquema vacinal completo exige dose de reforço, não apenas duas doses. Portanto, todos os gaúchos precisam tomar três doses de Pfizer, AstraZeneca e CoronaVac ou duas doses consecutivas da Janssen. 

Mais recentemente, o governo orienta a quarta dose (também chamada de segundo reforço) para idosos com 70 anos ou mais e pessoas com imunossupressão. Quem não tomou o reforço finalizou apenas o esquema primário e não está suficientemente protegido contra a covid-19. Dados desta sexta-feira mostram que cerca de 746 mil gaúchos estão com a segunda dose atrasada e 2,9 milhões, com a terceira dose em atraso. 

A marca de metade da população gaúcha com dose de reforço é alcançada em um momento no qual a vacinação estaciona no Estado. Se, na metade de janeiro, o Rio Grande do Sul chegou a aplicar, em média, 57 mil terceiras doses por dia, nesta semana apenas 3 mil gaúchos recebiam a terceira dose, na média diária.

A dose de reforço é fundamental quatro meses após a segunda dose para evitar casos graves, sobretudo entre idosos e imunossuprimidos, reforça o presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (Sbim), Juarez Cunha. Entre idosos gaúchos com 80 anos ou mais, 78,4% tomaram a dose de reforço, percentual que cai para 29% entre indivíduos dos 18 aos 29 anos. 

— A dose de reforço é importante para recuperar a proteção que cai ao longo do tempo, principalmente na população mais vulnerável. Com a Ômicron, é fundamental ter a primeira dose de reforço e, para quem tem 70 anos ou mais, a segunda dose de reforço — diz o médico. 

O presidente da Sbim destaca que o número de novos casos de covid-19 voltou a crescer no Rio Grande do Sul, assim como no resto do Brasil, e que uma explosão de hospitalizações e mortes só não se deu graças à vacinação. 

— Que bom que 80% da população está com duas doses. Mas esses 50% de pessoas com o reforço poderiam ser mais. Quanto maior o número de pessoas não vacinadas com o esquema completo, maior a chance de os números aumentarem. A gente gostaria que o reforço estivesse maior porque ele é fundamental para evitarmos uma doença mais grave entre a população — acrescenta Cunha. 

Dados do portal coronavirusbra1.github.io mostram que o Rio Grande do Sul tem a sexta maior cobertura de dose de reforço do país, atrás de São Paulo, Piauí, Paraná, Paraíba e Ceará. O Estado já alternou entre as três primeiras posições, mas perdeu espaço.

Se o Rio Grande do Sul fosse um país, teria uma cobertura de dose de reforço próxima à do Canadá, onde 54% dos habitantes completaram o esquema vacinal. No Chile, a cobertura é de 94%, na Itália é de 66% e, em Portugal, de 62%, conforme dados do Our World in Data. 

A adesão à terceira dose é um entrave em todo o Brasil, não só em solo gaúcho, ressalta Ana Costa, secretária-adjunta de Saúde do Rio Grande do Sul. No início, a aplicação foi massiva porque atraía a população mais sensibilizada à importância da vacinação - mas, agora, esbarra em quem não prioriza a vacinação. 

— Antes de vir a covid, a vacinação da influenza melhorava no dia seguinte após uma morte por gripe. O medo fazia a população se vacinar. Hoje, com a covid, está um pouco banalizado ouvir falar de morte por doenças infecciosas, isso não sensibiliza mais quem não tem convicção de se vacinar. A questão é que não existe proteção pela metade. A covid pode não ser grave em todos os casos, mas é mais grave em pessoas sem esquema completo — diz Costa. 

Para atacar o problema, a secretária-adjunta da Saúde afirma que o Palácio Piratini está preparando uma campanha publicitária para lembrar a adultos gaúchos sobre a importância de completar o esquema vacinal - a previsão é de lançamento ainda neste mês. 

Seguindo tendência nacional, a vacinação infantil contra o coronavírus é baixa no Rio Grande do Sul: 59% das crianças tomaram a primeira dose e 32%, tomaram a segunda. 

 Leia mais notícias do Diário Gaúcho  
 

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros