Obra que reativará chafariz em frente ao Mercado Público atrasa e não tem prazo para terminar - Notícias

Versão mobile

 
 

Centro Histórico03/06/2022 | 21h17Atualizada em 03/06/2022 | 21h17

Obra que reativará chafariz em frente ao Mercado Público atrasa e não tem prazo para terminar

Trabalhos foram interrompidos por causa de feiras que foram realizadas no Largo Glênio Peres, em Porto Alegre

GZH
GZH

Com investimento de R$ 480 mil, a obra que reativará o chafariz localizado em frente ao Mercado Público de Porto Alegre tinha previsão de entrega para maio, mas alguns fatores causaram atraso nos trabalhos, de acordo com o Departamento Municipal de Água e Esgotos (Dmae). Agora, não há um prazo certo para finalizar a obra.

LEIA MAIS
Construção de conjuntos habitacionais pode beneficiar moradores removidos da Avenida Tronco
Uma nova vida para os moradores da antiga Vila Nazaré
Conheça a história do casal que foi da venda de pães de queijo à própria empresa 

"Dmae segue com a execução da obra, após interrupção dos trabalhos para a realização de feiras do peixe e de artesanato no Largo Glênio Peres. Ainda não há previsão para o final da obra, pois a condição climática neste período de outono/inverno interfere diretamente no andamento", explica o departamento, por meio de nota.

 Os jatos d’água que jorram do chão serão abastecidos por um reservatório de 12 mil litros no subsolo do largo e operados por um conjunto de bombas elétricas. A água utilizada na estrutura de 40 metros de extensão é recolhida e conduzida ao reservatório para reaproveitamento. 

Instalados em 2012 a partir de uma parceria com a Vonpar, os equipamentos foram desativados em 2015, quando o Brasil enfrentou uma crise de abastecimento e as pessoas, sem entenderem que a água era reaproveitada, se indignavam com o suposto desperdício. Outra queixa ocorria quando o dispositivo era ligado e molhava quem passava pelo Largo Glênio Peres.

Segundo o Dmae, o projeto anterior apresentava falhas para operar. O diagnóstico dos técnicos do departamento é que isso ocorria por utilizar bombas centrífugas com duto de ventilação, que não funcionam adequadamente para essa região central, onde há grande circulação de pessoas, o que causa acúmulo de grande quantidade de resíduos.  

Produção: Fernanda Polo

Leia mais notícias do Diário Gaúcho 

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros