2,75 milhões de gaúchos estão com a terceira dose contra a covid atrasada - Notícias

Versão mobile

 
 

Vacinação 05/07/2022 | 22h44Atualizada em 05/07/2022 | 22h44

2,75 milhões de gaúchos estão com a terceira dose contra a covid atrasada

Outros 2,38 milhões de indivíduos já poderiam ter recebido a quarta aplicação, mas não o fizeram

2,75 milhões de gaúchos estão com a terceira dose contra a covid atrasada Bruno Todeschini / Agencia RBS/Agencia RBS
24% dos gaúchos estão com a segunda dose atrasada e 6% não tomou a primeira Foto: Bruno Todeschini / Agencia RBS / Agencia RBS

A vacinação contra a covid-19 avançou no último semestre e derrubou o número de internações e mortes, mas é grande a parcela de indivíduos com esquema vacinal incompleto. No Rio Grande do Sul, até esta terça-feira (5), 2,75 milhões de gaúchos estavam com a terceira dose atrasada, o que representa 24% da população do Estado, de 11,4 milhões. Os dados são de levantamento da Secretaria Estadual da Saúde (SES) a pedido de GZH.

Desde a metade de abril, o governo do Estado segue diretriz da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Ministério da Saúde e considera que o esquema vacinal básico envolve três doses, e não apenas duas, como era anteriormente. Para quem recebeu Janssen, agora são necessárias três doses, no mínimo. Quem tem mais de 40 anos ou é imunossuprimido deve tomar quatro doses, independentemente da marca utilizada.

Leia mais
Devo fazer exames após a covid-19? Saiba quais casos precisam de acompanhamento médico
Estudo aponta os grupos com maior risco de desenvolver covid longa
Leitos de UTI covid do SUS são oficialmente fechados no Rio Grande do Sul

A mudança ocorreu depois de estudos provarem que, a partir de cinco meses, a proteção oferecida pela segunda dose ou pela dose única da Janssen cai, o que exige a aplicação do reforço. 

As estatísticas ainda mostram que 6% dos gaúchos sequer buscaram a primeira dose e outros 6% estão com a segunda aplicação atrasada. A quarta dose, que avança semanalmente em faixa etária, já poderia ter sido tomada por 23% dos gaúchos, como mostra o gráfico a seguir. 

— Se houvesse cobertura universal de pessoas vacinadas com as doses atualizadas, não teríamos ocupação hospitalar por covid, praticamente. Não teríamos morte e o vírus circularia em menor quantidade. Com esquema atualizado, a covid será menos grave do que se eu não estivesse com a vacina — diz o médico Eduardo Sprinz, chefe da Infectologia do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA).

Para a população acima de 40 anos, é indicada também a quarta dose (chamada ainda de segundo reforço) para elevar os níveis de anticorpos no corpo. Porto Alegre iniciou a oferta de quarta dose para essa faixa etária a partir desta terça-feira (5). 

Na capital gaúcha, das 1,3 milhão de pessoas aptas a se vacinar contra o coronavírus, 41,6 mil não tomaram a primeira dose – cerca de 3% do público-alvo. A Secretaria Municipal da Saúde (SMS) foi contatada no fim da manhã de segunda-feira (4), mas não forneceu, até a tarde desta terça-feira (5), dados públicos sobre porto-alegrenses com vacina atrasada.

A despeito do grande número de abstenções, o Rio Grande do Sul tem uma das melhores campanhas de vacinação do Brasil: 59,3% dos gaúchos tomaram as três doses, segundo dados da SES. É a terceira maior cobertura do país, atrás apenas de São Paulo (71% da população com esquema completo) e Piauí (61%), de acordo com o portal coronavirusbra1.github.io, que compila dados dos governos estaduais.

A vacinação permite a retomada o mais próximo da normalidade, mas o grande número de indivíduos com vacina atrasada eleva o risco de transmissão viral, de surgimento de novas variantes e de adoecimento dos mais vulneráveis, pontua o médico Juarez Cunha, presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm). 

— Se observamos o que acontece no restante do mundo, há novas variantes “filhas” da Ômicron. A que mais circula no Brasil é a B.A.2, mas, nos países da Europa e os Estados Unidos, onde há aumento de casos, circulam a B.A.4 e B.A.5. Mesmo que tenhamos altos percentuais de pessoas vacinadas, é fundamental ter esquema completo porque essas variantes vão circular por aqui — destaca Cunha. 

Aumentar o número de pessoas vacinadas é importante para diminuir a chance de novos infectados, uma vez que, nas atuais subvariantes da Ômicron, o vírus é transmitido ainda mais cedo, em uma janela de tempo na qual os sintomas ainda são leves ou nem estão presentes.

Estudos mostram que pessoas vacinadas, quando infectadas, transmitem o vírus por até metade dos dias do que pessoas sem esquema vacinal completo. Portanto, imunizados, além de estarem mais protegidos contra o adoecimento, também infectam menos pessoas. 

Leia mais
RS passa de 40 mil mortes por covid-19; média de óbitos é inferior a ondas anteriores

Tani Ranieri, chefe do Centro Estadual de Vigilância em Saúde do governo do Estado, diz que o governo gaúcho está promovendo campanhas publicitárias na internet e em meios de comunicação para convocar a população a se vacinar e que as ações focadas em adolescentes já elevaram a cobertura na faixa etária – 76% dos jovens já tomaram a segunda dose. 

Ela acrescenta que o Estado está reforçando junto a prefeituras a importância de postos de saúde irem atrás dos atrasados na vacinação:

— Continuamos com essa população de faltosos, o que cria a possibilidade de esse vírus altamente mutável criar novas variante e reiniciar nova circulação. Algumas pessoas têm a falsa ilusão de que a pandemia está controlada e pensam que não precisam fazer mais a vacina. Há também um grupo que fez a vacina, teve efeito adverso e têm medo de fazer a próxima dose. E há muitas pessoas que levam informações falsas sobre a segurança e a eficácia da vacina. Mas a vacinação é a única medida de controle a médio e longo prazo. Não vamos controlar a circulação do vírus se abrirmos mão da vacinação.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros