Fé no nativismo com um pé no sertanejo: conheça o cantor Luis Miguel - Entretenimento - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Estrelas da Periferia12/09/2017 | 07h00Atualizada em 12/09/2017 | 07h00

Fé no nativismo com um pé no sertanejo: conheça o cantor Luis Miguel

Com 25 anos de carreira gaudéria, artista começou a notar a força do sertanejo e incluiu canções do gênero em seu repertório.

Fé no nativismo com um pé no sertanejo: conheça o cantor Luis Miguel Andréa Graiz/Agencia RBS
Foto: Andréa Graiz / Agencia RBS

Morador do Bairro Jardim Carvalho, na Zona Leste da Capital, o cantor nativista Luís Miguel exibe uma trajetória de veterano no universo do nativismo. Tem mais de 300 canções compostas e já morou em Minas Gerais. Apesar desses números, gravou o seu primeiro disco, Mundo Moderno, somente em 2012, pela Vertical. O mais recente, Não Sou Bairrista, foi gravado de maneira independente. 

— Cantei muito em bar. Fundei o grupo Bico Seco, que não existe mais, compus alguns boleros. Fiz muita coisa, e, em 2000, decidi migrar para a carreira solo — recorda Luís. 

Conheça outraas histórias de Estrelas da Periferia
Confira a agenda de shows e atrações no mês Farroupilha

Mescla curiosa

Mesmo com a paixão pela música regionalista, o cantor foi notando que o mercado gaudério apresentava as suas dificuldades. Ao gravar o primeiro disco, saiu em turnê pelo Interior com o álbum. Mas, em um show em Porto Xavier, na Região Noroeste do Rio Grande do Sul, se surpreendeu ao ouvir alguns pedidos vindos da plateia.
— Eles queriam que eu cantasse sertanejo. Eu disse que não teria problema, que cantaria. De lá para cá, vejo como cada público se comporta e insiro alguns sertanejos. Não tem como fugir, é um ritmo que tomou conta — reconhece o artista, conectado com o seu público.

Leia mais sobre famosos e entretenimento

Para acompanhar o mercado da música, que tem o clipe como vitrine do trabalho de um artista, Luís afirma que pretende gravar os seus primeiros vídeos em 2018.
— Acredito que a faixa Menina Louca, que fala de coisas mais atuais, será uma das escolhidas — afirma.

Apesar as dificuldades, o trabalho autoral de Luis vem colhendo frutos. Em meses normais, ele faz uma média de cinco shows. Em setembro, mês Farroupilha, a agenda deve fechar em oito:
— Espero fechar mais shows até o fim de setembro.



 

Vídeos recomendados para você

 
 
 

Veja também

Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros