Após morte de jovem a tiros, Vila Cruzeiro vive nova manhã de tensão - Diário Gaúcho

Versão mobile

 
 

Porto Alegre08/12/2015 | 09h36

Após morte de jovem a tiros, Vila Cruzeiro vive nova manhã de tensão

Menino de 14 anos foi executado dentro de casa. Crime gerou revolta entre moradores da Vila da Pedreira

Após morte de jovem a tiros, Vila Cruzeiro vive nova manhã de tensão Ronaldo Bernardi/Agencia RBS
Foto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS

Região conflagrada pelo tráfico de drogas e disputa entre facções, a Vila Cruzeiro, em Porto Alegre, viveu novamente uma manhã tensa após o assassinato de duas pessoas, entre elas um jovem de 14 anos que, de acordo com diversos moradores e com a Brigada Militar, não tinha qualquer envolvimento com o crime. Alisson Couto, primo de Adriano Couto, o Pelezinho, morto no mesmo local há três anos, foi executado dentro de casa por volta das 6h30min. Horas depois, um ônibus da linha T3 foi assaltado dentro da vila.

Conheça a história de Pelezinho, uma promessa interrompida pela violência

Segundo a polícia, um grupo armado e com fardas da Brigada Militar invadiu o Beco do Lula, que fica na Rua Ursa Maior, Vila da Pedreira, e entrou na casa de Alisson após arrombar a porta. Eles anunciaram que eram policiais e atiraram no jovem. Em seguida, mataram Jones Felipe Cabral, sem idade confirmada, na rua. As causas dos homicídios ainda são apuradas.

Polícia conclui que Pelezinho foi morto por engano na Vila Cruzeiro

– Lamentamos a morte deste menor. Sabemos que muitas vezes o tráfico de drogas tende para esse tipo de crime. Por isso, a Brigada é tão combativa nesse tipo de bandidos, para que inocentes não venham pagar com a vida – afirma o tenente-coronel Kleber Goulart, comandante do 1º BPM.

Cerca de duas horas depois das execuções, uma dupla de bandidos invadiu um ônibus da Linha T3, da Carris, na Vila Cruzeiro, e ameaçou colocar fogo no veículo. O motorista e os passageiros conseguiram sair e ninguém ficou ferido. Os dois suspeitos foram presos na tentativa de fuga. Eles levavam o dinheiro do cobrador — cerca de R$ 80. Ainda não está confirmado se foi uma reação aos homicídios ou oportunismo dos criminosos.

Em setembro, após tiroteio, ônibus foi incendiado na Grande Cruzeiro

Com medo de novos ataques, a Carris e a STS desviaram duas linhas (T3 e T4) e colocaram diversos coletivos nas garagens. Por volta das 11h, seis das 10 linhas afetadas tinham voltado a circular. No final de setembro, depois de um tiroteio com um morto e sete feridos próximo ao postão da Vila Cruzeiro, um ônibus foi incendiado como protesto.

Revolta e apelo por segurança

A execução de Alisson Couto revoltou dezenas de moradores da Vila da Pedreira. O garoto jogava futebol na Sociedade Esportiva Pedreira, um clube de várzea do bairro, e levava uma vida tranquila. Desesperada, a mãe dele, Liliane Couto, disse que mataram a pessoa errada:

Crimes e medo marcam rotina no Morro Santa Tereza, na Capital

– Eu disse 'deita aqui' por causa das balas. Só que eu imaginava que podia pegar uma bala perdida, jamais pensei que entrariam aqui dentro de casa e falariam que eram 'polícia'. Eles chegaram, o guri saltou da cama e eles deram um tiro. Eles pegaram a pessoa errada, ele era inocente, inocente.

Caos em Porto Alegre: como foram as 10 horas de tensão na Zona Sul

Para o líder comunitário Lindomar Oliveira, o assassinato é um duro golpe no trabalho social feito com jovens para afastá-los da criminalidade. Ele pede a presença constante da polícia para eliminar as facções que dominam hoje a Vila Cruzeiro e levam terror às pessoas que não concordam em participar com o "movimento", como é denominado o tráfico de drogas na região:

– A gente batalha dizendo para eles que a vida tem outro rumo, aí acontece isso. Hoje de manhã os meninos me disseram 'pô, você pede para a gente ser bonzinho e olha o que fazem'. O que eu vou dizer para aquele menino que vê o amigo deitado no chão, se preparando para ir ao colégio, crivado de tiros?

* Colaborou Jaqueline Sordi

ZERO HORA

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros