Líder da facção dos Abertos é executado na Zona Norte de Porto Alegre - Polícia

Vers?o mobile

 

Violência07/07/2015 | 09h58

Líder da facção dos Abertos é executado na Zona Norte de Porto Alegre

Claudiomiro Weiss dos Santos, o Seco da Baia, 47 anos, foi atingido por diversos disparos em uma casa no Bairro Mario Quintana na noite de segunda. O cunhado dele ficou ferido

O homem apontado como um dos principais líderes da facção dos Abertos, que controla algumas galerias em prisões gaúchas e mantém alianças com quadrilhas nas ruas de Porto Alegre, foi executado em casa na Rua José Marcelino, Bairro Mario Quintana, na Zona Norte de Porto Alegre, por volta das 22h de segunda-feira.

Leia mais notícias sobre homicídios

Claudiomiro Weiss dos Santos, o Seco da Baia, 47 anos, estava com um grupo de pessoas no local quando um Idea branco teria parado e um grupo de homens fortemente armados desceu atirando. Os peritos recolheram no local cartuchos de pistolas .40, 9mm, .380 e de espingarda calibre 12.

Ele foi socorrido ao Hospital Cristo Redentor, mas não resistiu. Um cunhado dele ficou ferido.

Guerra do tráfico atinge 32 bairros de Porto Alegre

Quando os agentes do Departamento de Homicídios conduziam as testemunhas para a delegacia, acabaram encontrando o carro supostamente usado no crime, já incendiado. De acordo com a delegada Jeiselaure Souza, da 5ª DHPP, que comanda a investigação, o veículo não era roubado. A polícia procura pelo proprietário.

As primeiras informações coletadas pela polícia dão conta de que Claudiomiro, com um longo histórico de roubos a bancos, continuava ativo no crime. A suspeita é de que tenha sido vítima de algum acerto de contas.

Em 2010, foi preso com mais de mil munições no Bairro Rubem Berta. Na época, estava foragido, depois de escapar da cadeia em um esquema arquitetado com o cunhado, Gilmar dos Santos, o Nenê, que já figurou entre os mais procurados do Estado e foi morto no Paraguai.

Seco da Baia tinha seis condenações por roubos e porte ilegal de arma, com penas a cumprir até 2039. A última dessas condenações foi confirmada justamente no mês passado. Desde 2013, Claudiomiro estava em liberdade condicional.

Leia mais notícias do dia

DIÁRIO GAÚCHO

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros